cab ligue 1 liga francesa

Dois candidatos a assumirem-se e dois outros a desiludirem. Reviravoltas em catadupa e golos de belo efeito. Um surpreendente primeiro líder. E Bielsa a fazer de El Loco

Esta primeira jornada da Ligue 1 não desiludiu tendo peripécias e histórias para contar para todos os gostos. Vamos lá então ver o que se passou nesta ronda inaugural do Championnat.

Lille 0–1 Paris Saint-Germain  (Lucas 57’). Começar a época como terminou a anterior: A vencer.

Foi já sob o olhar atento de Angel Di Maria, que o PSG foi impor-se categoricamente, mesmo se o resultado não o indica, no sempre complicado estádio Pierre-Mauroy, neste que foi o jogo inaugural da Ligue 1. Nem as ausências de Ibrahimovic e Thiago Motta, o fraco histórico nas primeiras jornadas dos campeonatos anteriores ou a expulsão precoce de Rabiot, logo aos 28 minutos, alteraram a dinâmica parisiense. Nem tão pouco entusiasmaram a equipa do Lille, sempre muito órfã de ideias para desenvolver os seus ataques.

Embalados pela vitória na supertaça francesa, no fim-de-semana anterior, os homens de Laurent Blanc entraram muito fortes e pressionantes e tiveram diversas oportunidades para abrir o ativo, nomeadamente por Cavani, aos 7 minutos, que depois de ultrapassar Enyeama, guarda-redes do Lille, não conseguiu acertar na baliza contrária. A expulsão de Rabiot poderia ter indicado que as operações se iriam equilibrar, mas nem isso inquietou os campeões em título, sempre seguros de si, e foi com naturalidade que Lucas fez o primeiro golo do Championnat, aos 57 minutos, depois de um passe em profundidade de Matuidi. Guirassy tentou reagir logo de seguida mas Trapp, que parece ter definitivamente roubado o lugar a Sirigu, afastou sem problemas a fraca tentativa e até final as melhores oportunidades continuariam a ser do PSG que poderia ter acabado com um resultado mais dilatado.

O que se pode dizer é que o Paris Saint-Germain definiu, logo no primeiro jogo, o tom desta liga e que continuará a ser ele o alvo a abater.

11811360_907130682711314_8068402607165028740_n
Lucas deu a vitória aos campeões em título
Fonte: Facebook oficial do PSG

Marseille 0–1 Caen  (Andy Delort 27’). Falta de sorte e de eficácia levam Bielsa a bater com a porta.

A pré-época foi quente em Marselha e as saídas de Payet, Imbula, Morel, Gignac, Ayew, ainda não devidamente compensadas, deixavam antever que o início do campeonato seria tudo menos fácil para o Olympique local. Mas dificilmente os adeptos pensariam que seriam eles as vítimas da primeira grande surpresa da época.

A equipa do Caen entrou completamente desinibida no Vélodrome e Delort, primeiro, e Bessat de seguida, puseram o experiente Mandanda logo em sentido. Mas o congolês foi impotente para contrariar o potente remate de Delort, aos 27 minutos, que fez a bola entrar debaixo da barra transversal, num golo de belo efeito, que abriu o marcador. Os homens de Bielsa não se resignaram, pressionando e recuperando a bola cada vez mais à frente no terreno chegando mesmo a asfixiar o Caen na segunda parte (70% de posse bola, 14 cantos contra 2 e 17 remates contra 8). Batshuayi viu-se diversas vezes em posição de marcar mas nunca teve a arte e o engenho para tal e Vercoutre, guardião das redes do Caen, foi um dos heróis da partida parando sucessivos remates dos jogadores do OM. E quando não era ele, eram os postes, em duas ocasiões a deixar a nu a falta de sorte e de eficácia dos marselheses levando a que o resultado não sofresse alterações.

Bielsa, que vinha mantendo relações muito conturbadas com os dirigentes do Marseille, não foi de modas e resolveu bater com a porta logo na primeira jornada deixando a sua agora ex-equipa numa situação mais delicada. Certo, é que o Olympique já vai com três pontos de atraso face aos seus principais rivais.

Montpellier 0–2 Angers (Camara 5’, Sunu 79’). O primeiro líder vem da Ligue 2 e criou a sensação da jornada.

Foi uma equipa bastante inexperiente aquela que o treinador do Angers, Stéphane Moulin, fez alinhar no La Mosson, em Montpellier. Efetivamente, 5 dos titulares nunca tinham pisado um palco do principal escalão francês. Mas o que se pode retirar do jogo deste sábado é que tal não foi impedimento para que o Angers se apresentasse sem complexo e arrancasse uma bela vitória fora de portas. Um resultado auspicioso para o novo primodivisionário, alcançado com golos de Camara e Sunu que, esses sim, já conheciam muito bem a Ligue 1, fazendo assim que que o SCO se tornasse no primeiro líder do Championnat.

Nantes 1 –0 Guingamp (Jeremy Sorbon, ag, 89’). Uma vitória arrancada a ferros num jogo enfadonho.

A ideia que ficou no final do Nantes-Guingamp é que as duas equipas ainda não abandonaram a pré-época. E a equipa de arbitragem também não, já agora. Num jogo insosso e sem grandes oportunidades de golo, foi preciso esperar até ao minuto 89 para que se visse algo digno de registo. E os canarinhos precisaram da ajuda do adversário, marcaram num autogolo de Sorbon, e do árbitro, já que Audel parte em posição de fora de jogo quando centrou para o corte infeliz do central do Guingamp para conseguir levar de vencida a partida. Fica a certeza que os adeptos presentes no La Beaujoire ficaram mais satisfeitos com o resultado do que com a exibição.

Nice 1–2 Monaco ( Valere Germain 7’; Bernardo Silva 51’, Kurzawa 62’). Mónaco a assumir o estatuto de candidato em encontro escaldante.

A equipa de Leonardo Jardim beneficiou de circunstâncias bastante favoráveis para vencer o derby com o Nice que viu saírem dois jogadores por lesão, Bodmer e Pouplin, e ainda viu o seu efetivo reduzido a dez elementos para todo o segundo período. Mas o técnico madeirense também fez para que os acontecimentos lhe corressem de feição ao fazer entrar o Bernardo Silva para o lugar do reforço Pasalic, logo aos 25 minutos, quando percebeu que a equipa inicial não estava a render o previsto. E o talentoso vice-campeão europeu sub-20 tornar-se-ia o herói da partida.

E não foi a única alteração que Leonardo Jardim efetuou ainda na primeira parte. A apatia da equipa, que tardava em reagir ao golo inaugural do Nice, logo aos sete minutos por Germain, emprestado curiosamente pelo Mónaco, fez com que também El Shaarawy entrasse para o lugar de Diar. Mas só mesmo na segunda parte, depois da expulsão de Boscagli por falta sobre Bernardo Silva é que os Monegascos explanaram todo o seu futebol, sob a batuta do jovem prodígio luso. Seria o próprio a inaugurar o marcador aos 51 minutos cabendo a Kurzawa fazer o golo da reviravolta aos 62. Até o final do jogo as oportunidades de golo sucederam-se para os monegascos mas o resultado manteve-se inalterado.

Leonardo Jardim teve de puxar dos galões para entrar com o pé direito na primeira jornada, e também pode agradecer a asneira do jovem Boscagli, para começar sem atrasos a sua caminhada nesta Ligue 1 onde se perspetiva o Mónaco como principal rival do PSG.

Leonardo Jardim não hesitou em fazer duas alterações na primeira parte para contrariar a apatia da sua equipa Fonte: Site Oficial As Monaco
Leonardo Jardim não hesitou em fazer duas alterações nos primeiros 45′ para contrariar a apatia da sua equipa
Fonte: Site Oficial do AS Monaco

Bastia 2–1 Rennes (Ayite 50’, Kamano 69’; Giovanni Sio 39’). A maior vontade dos corsos a fazer a diferença

O Bastia soube reagir à desvantagem provocada pelo seu antigo avançado, Giovanni Sio, ainda na primeira parte e com uma exibição cheia de raça conseguiu dar a volta ao resultado com golos de Ayite e Kamano. Nem a expulsão do polémico Brandao, aos 78 minutos com uma falta muito dura sobre o português Pedro Mendes, retirou o discernimento da equipa corsa que soube aguentar a tentativa de reação do Rennes.

Troyes 0–0 Ajaccio.  Alguém avise as equipas que isto já começou.

Num jogo de muito fraca intensidade, as duas equipas despediram-se do Stade de L’Aube com um nulo mais do que lógico face ao que se passou em campo. Contudo o Ajaccio até poderia ter garantido mais do que um ponto no seu regresso à ligue 1 quando Larbi, melhor marcador dos corsos na época passada, falhou um penalti aos 45 minutos a castigar falta de Martins Pereira sobre Tshimbumbu. Mas a verdade é que nenhuma equipa merecia um ponto sequer.

Bordeaux 1–2 Reims (Khazri 41’; De Preville 80’, Siebatcheu 87’). Bordéus pouco explosivo perde a invencibilidade no seu novo estádio contra um Reims voluntarioso.

Talvez vítima da fadiga após a deslocação a Larnaca, na quinta, onde garantiu a passagem aos play-offs da liga Europa, o Bordéus não soube aguentar a vantagem conquistada com o golo de Khazri, aos 41 minutos, depois de um erro de Agassa, guarda-redes do Reims. Mas na segunda parte os homens de Willy Sagnol pareceram entrar adormecidos e a equipa do Reims, essa bem mais acordada, alcançou naturalmente o empate primeiro, por De Preville aos 80 minutos, e a vitória depois por Siebatcheu aos 87’. Ficou a ideias que o Girondins de Bordeaux ainda não está à altura do seu grandioso estádio.

Toulouse 2–1 Saint-Étienne (Braithwaite 27’, Ben Yedder 53’ ; Loic Perrin 17’). Dois livres directos a ”virarem”  os Verdes.

Muitas vezes apelidada de equipa enfadonha, e adepta do 0-0, o Toulouse mostrou uma bela faceta, com belas jogadas ofensivas, na sua estreia no Championnat. Nem o golo inaugural de Loic Perrin desmoralizou os pupilos de Arribagé que souberam dar a volta ao resultado. Curiosamente, na seria com as tais movimentações atacantes que conseguiriam a reviravolta mas sim através de dois livres diretos em que o international francês Ruffier não está isento de culpas. Perspetivam-se noites muito interessantes no Stadium.

Lyon 0–0 Lorient. Um Lyon ineficaz contra o Lecomte heróico

Foi debaixo dos assobios dos seus adeptos que o Lyon iniciou a sua campanha na Ligue 1. Depois da paupérrima exibição na supertaça francesa, onde perdeu por 2-0 com o Paris Saint-Germain, e de uma pré-época desastrosa, o público do estádio Gerland esperava mais do que um mísero nulo contra um Lorient valoroso mas que não deveria ser par para os vice-campeões franceses.

E a verdade é que não foi por faltas de oportunidades que o Olympique Lyonnais não conseguiu marcar neste domingo. A estrela emergente francesa, Nabil Fekir esteve num dia não no que a pontaria diz respeito e quando não era Lecomte, guarda-redes do Lorient e autor de uma brilhante exibição, era o poste a parar os seus remates. Mas a equipa bretã até poderia ter conseguido a vitória quando Raphaël Guerreiro, aos 37 minutos, acertou na barra transversal depois de ultrapassar o compatriota Anthony Lopes.

Hubert Fournier tem tido um início de época muito complicado e terá rapidamente de arrepiar caminho se quiser repetir a brilhante temporada protagonizada no ano passado. Para já os indicadores são tudo menos positivos.

Bernardo Silva a prometer mais uma grande época em França Fonte: Facebook oficial AS Monaco
Bernardo Silva a prometer mais uma grande época em França
Fonte: Facebook oficial do AS Monaco

A Figura da Jornada: Bernardo Silva

Leonardo Jardim arriscou e lançou-o na equipa logo aos 25 minutos, quando o Mónaco já estava em desvantagem, e Bernardo Silva não defraudou as expectativas. Transfigurou por completo o jogo dos monegascos e depois de sacar a expulsão a um adversário conseguiu o golo do empate catapultando a sua equipa para a reviravolta final. Agressivo e muito justo tecnicamente soube trazer dinamismo ao meio campo do AS Monaco.

Bielsa foi, mais uma vez, El Loco Fonte: Site Oficial Olympique Marseille
Bielsa foi, mais uma vez, El Loco
Fonte: Site Oficial do Olympique Marseille

O Momento da Jornada: Bielsa diz “Basta”!

Quando ainda na quinta-feira, Bielsa tinha garantido que iria renovar contrato, ninguém esperaria, nem com a derrota caseira do OM, que o treinador voltaria com a sua palavra atrás passados apenas três dias. El Loco fez jus à sua alcunha e anunciou a sua despedida do Olympique Marseille ainda na conferência de imprensa pós-jogo. Talvez terá percebido tarde demais que este ano em Marselha as coisas iriam ser complicadas visto as saídas não terem sido devidamente colmatadas. Mas o extravagante técnico argentino já na época passada não tinha estado à altura das suas credenciais.

Foto de capa: Facebook oficial do PSG

Comentários