A Liga Inglesa é, geralmente, a liga que gasta mais dinheiro todos os anos, no entanto, foi a espanhola que liderou essa estatística no último mercado de transferências, muito graças às possibilidades financeiras e políticas de contratações do Real Madrid CF, do FC Barcelona e este ano especialmente do Club Atlético de Madrid.

A Premier League é conhecida como a liga mais competitiva do mundo e, discutivelmente, a melhor que existe. A intensidade é altíssima e o último lugar pode surpreender o primeiro, e fazer um brilharete… Com a exceção desta época que o Liverpool FC se apresenta dominante, apenas com um empate e o resto vitórias.

Fonte: Liverpool FC

As equipas do top 6: Liverpool FC, Manchester City FC, Chelsea FC, Tottenham FC, Manchester United FC e Arsenal FC são as que mais contribuem para os gastos no mercado e são também as que incentivam o adepto a acompanhar fervorosamente a liga. É natural aquela emoção quando ocorre uma transferência sonante, depois imagina-se o jogador com a camisola do clube e a maneira como poderá encaixar na equipa e espera-se, ansiosamente, pelo primeiro jogo. Este ano, a liga perdeu jogadores de qualidade, como Eden Hazard, no entanto, como é habitual, ganhou outros e os mais entusiasmantes são os craques que prometem ficar por muito tempo a demonstrar qualidade naquele campeonato.

Cada vez mais se podem encaixar outras equipas nestas contas, porque há conjuntos que têm atrapalhado a vida de várias equipas do top 6. A mais elucidativa é o Leicester, que se encontra na segunda posição da tabela classificativa e promete lutar até ao fim por esse posto. Tal como o Wolverhampton, representado por uma série de portugueses, incluindo o treinador Nuno Espírito Santo.

A Premier League conta novamente com jogadores em margem de progressão e em período de adaptação. Agora, na abertura do mercado de inverno, o Bola na Rede analisou os reforços mais sonantes da Premier League até ao momento e os que têm tido o melhor rendimento.

O Manchester City e o Liverpool partiram como favoritos no campeonato, de acordo com as indicações dadas na época passada. O Liverpool contratou apenas um guarda-redes para o caso de Alisson se lesionar, como aconteceu, e Adrián foi crucial na defesa do penálti que deu a vitória da Supertaça Inglesa ao Liverpool.

O Manchester City investiu forte com as transferências de Rodri, João Cancelo e Angeliño e apresenta um banco recheado de milhões, com várias lacunas defensivas presentes.

Fonte: Chelsea FC

O Chelsea teve o ‘transfer ban’, o que impossibilitou a compra de jogadores no mercado, à exceção de Pulisic que já tinha sido contratado em janeiro do outro ano. Nota para o trabalho realizado com os jovens emprestados e que se têm assumido como cruciais no clube, como é o caso de Abraham, Mount, Reece James e Tomori.

O Tottenham apostou forte no mercado com a contratação de Ndombélé, Lo Celso e Sessegnon. Com o despedimento de Pochettino e entrada de Mourinho pelo meio, ainda nenhum dos reforços demonstrou aquilo que realmente vale, embora Ndombélé já tenha mostrado indicações de qualidade.

No Arsenal, o investimento feito apenas em Pépé já foi exuberante, embora a qualidade seja inegável. Finalmente, agora com Arteta, já se nota mais motivação e vontade da equipa. David Luiz parece mais seguro e confiante, Ceballos recupera de lesão, mas poderá aparecer para ficar no onze, enquanto Martinelli tem uma enorme margem de progressão. Resta ainda saber o que podem fazer os reforços Saliba e Tierney, ainda com reduzidos minutos de jogo.

Para finalizar o top 6, surge o Manchester United, que apostou forte na contratação de três jogadores: Bissaka, Maguire e James. O primeiro é um monstro a nível defensivo e tem sido um dos jogadores mais importantes da equipa. Maguire parece inseguro e uns furos bem abaixo do que jogava no Leicester. Já James é um jogador veloz e desequilibrador, contudo, escasso para os objetivos do Man. United.

É inegável falar do Leicester, que se encontra em 2º lugar, à frente do Man. City e com um futebol bem atrativo. As adições de Praet e Ayoze Pérez juntaram soluções criteriosas ao processo ofensivo dos foxes.

Já o Wolves de Nuno Espírito Santo contratou Cutrone por empréstimo, ainda pouco utilizado, além dos portugueses Bruno Jordão e Pedro Neto (este opção regular).

Do resto dos clubes, espera-se a explosão de Haller no West Ham e ocorre a desilusão de Moise Kean no Everton.

Atualmente, decorre o mercado de inverno e o Liverpool é a equipa que saiu vencedora até ao momento, com a contratação de Minamino, proveniente do Salzburgo, por uma quantia a rondar os oito milhões de euros.  Vai fazer furor.

Foto de Capa: Arsenal FC

Artigo revisto por Joana Mendes

 

Comentários