É oficial: a força que assola o futebol mundial e que ameaça, como Ícaro, voos mais altos esta época passou para o primeiro lugar no campeonato às custas de um Tottenham um tanto quanto passivo em White Hart Lane: 1-5 resultado final. E não digo que a culpa seja de facto dos homens previamente comandados por Villas-Boas. A culpa, para mim, é mesmo da máquina de futebol ofensivo do Manchester City, que já deu provas de que consegue golear qualquer adversário, seja em que campo for. Tendo, inclusive, perdido apenas um jogo nos encontros com os 3 primeiros – contra o Chelsea.

Os principais concorrentes pelo título do principal escalão do futebol inglês, na sua maioria, já provaram do veneno que a equipa da cidade de Manchester distribui sob a forma de goleadas. Confirma-se, portanto, o que todos esperavam. O City é primeiro, agora resta saber se há quem lhe bata o pé e não se contente com um desfecho provável, o de a equipa de Pellegrini ser, de facto, campeã. Para isso, há um rol de equipas que se estende, a meu ver, pelo menos até ao 4º lugar que se pode intrometer nas contas pelo campeonato desta temporada.

No segundo lugar, a apenas um ponto, vem o Arsenal. Pretende recuperar agora a liderança, embora tenha um calendário extremamente complicado nos próximos dois meses, onde, entre outros jogos, tem que medir forças com Liverpool, United, Tottenham, Chelsea e City. Ou seja, muito provavelmente o sucesso ou o insucesso da campanha dos Gunners na Premier League ficará definido com o desempenho da equipa nos próximos dois meses.

Conseguiram os Gunners  voltar à liderança? Fonte: soccerlens.com
Conseguirá Wenger voltar a ser campeão inglês?
Fonte: soccerlens.com

No terceiro lugar, a 3 pontos, vem o Chelsea. E com o Chelsea vem, inevitavelmente, o nome de Mourinho. Mourinho, que nos brindou esta semana com uma conferência de imprensa no pós Chelsea–West Ham “à Mourinho”, acusando a equipa dos Hammers de defender com  onze e de perder tempo do primeiro ao último minuto. Sejam as teorias do técnico português fundamentadas ou não, o que é facto é que o Chelsea perdeu 2 pontos que se podem revelar cruciais nas contas finais. Esperamos para ver. Agora com a integração de Matic e, provavelmente, Salah no onze londrino, veremos até onde o Chelsea poderá chegar nesta primeira época de Mourinho de volta ao clube. (Nota: Ter em mente que as equipas de Mourinho atingem o pico na sua segunda época à frente do clube.)

Por último, nesta pequena lista de candidatos, em quarto lugar vem o Liverpool.  Já a uma distância considerável (7 pontos), é a casa de um dos mais mortíferos avançados da actualidade: Suarez – tem “carregado” o Liverpool ao longo da época. Não sozinho, como é óbvio, mas se o jogador conseguir manter o nível exibicional que tem demonstrado, por que não sonhar com lugares cimeiros? O histórico Liverpool parece reerguer-se das cinzas feita fénix e a razão reside em Suarez. Esperemos, para bem do Liverpool e do futebol, que não se lesione.

Suaréz
Suaréz carrega o Liverpool na luta pelo título
Fonte: premierleaguebrasil.com.br
Anúncio Publicitário

Para concluir esta reflexão, as exibições e consequentes goleadas do Manchester City deixam um sério aviso à equipa que vão defrontar para a Liga dos Campeões e que dominou o panorama internacional num passado recente – o Barcelona de Messi, Iniesta, Xavi e companhia. Se a equipa catalã quiser passar a eliminatória (que quer, obviamente), terá que se apresentar ao melhor nível para levar de vencida a equipa de Agüero, que está numa forma tremenda, devo acrescentar. Será um embate apetitoso e uma final antecipada da presente edição da liga milionária.

Comentários