Anterior1 de 3Próximo

No lançamento do derby do Norte de Londres, Mauricio Pochettino afirmou que sabia da importância deste jogo para os adeptos e que esperava que a sua equipa estivesse ao nível das expetativas e confiante na sua forma de jogar.

Já Unai Emery afirmou que, para conseguir sair vitoriosa, a sua equipa devia manter a calma e cumprir a estratégia individual e tática durante os 90 minutos. Para o treinador espanhol, a receita para o sucesso neste jogo seria a conjugação de dois fatores: a emoção, indispensável para este derby, e a inteligência tática. Um “combo” entre coração e cérebro, emoção e razão.

O Arsenal apresentou-se no seu habitual 3-4-3, com Aubameyang apoiado por Mkhitaryan e Iwobi. O Tottenham apresentou-se em 4-3-1-2, com Dier no vértice mais recuado do meio-campo e Eriksen no apoio a Son e Harry Kane.

Os homens de Unai Emery tiveram um início de jogo fulgurante, encostando os spurs às cordas e pressionando muito alto, impedindo o adversário de construir a partir de trás, à imagem do que os spurs tinham feito no jogo anterior contra o Chelsea FC. Esta pressão em bloco do Arsenal obrigou o Tottenham a cometer erros, um dos quais foi “fatal”: mão de Vertonghen dentro da área, com o árbitro Mike Dean a não hesitar e a assinalar penalty a favor dos da casa.

Frente a frente com Lloris, Aubameyang não tremeu na marca dos 11 metros e fez o primeiro golo do jogo. O avançado gabonês confirmou o seu bom momento de forma e fez o nono golo na Premier League esta época, colocando justiça no marcador.

Depois do nervosismo inicial, o Tottenham conseguiu estabilizar o jogo e partiu à procura do empate. Confortável com o golo madrugador, o Arsenal desceu as linhas de pressão e os comandados de Pochettino começaram a subir no terreno. Son foi o principal catalisador da ofensiva azul e branca, com duas oportunidades flagrantes aos minutos 12’ e 23’, às quais Leno se opôs com dificuldade.

Os spurs cresciam no jogo e foi com naturalidade que chegaram ao golo. À meia hora de jogo, Erisken, que até aí estava a fazer um jogo discreto, bateu um livre no lado esquerdo do seu ataque e Dier apareceu ao primeiro poste a cabecear certeiro, com algumas culpas para Leno pela forma como tentou sacudir a bola. O Tottenham empatava no Emirates Stadium e colocava também justiça no resultado.

Dier celebra o golo do empate com os companheiros
Fonte: Premier League

Quatro minutos volvidos e cambalhota no resultado: Kane soltou Son com um pormenor delicioso, e o sul-coreano correu, correu, correu, até ser rasteirado dentro da área por Holding. Mike Dean voltou a não hesitar e assinalou penalty a favor dos visitantes. Chamado a converter, Harry Kane não vacilou e disparou forte e colocado, sem hipóteses para Leno. O Tottenham passava para a frente do jogo em apenas quatro minutos, fruto da dinâmica do seu processo ofensivo, com Kane, Son e Erkisen a mostrarem muita mobilidade e o Arsenal a não conseguir travá-los.

Para a segunda parte, os gunners precisavam de trazer algo diferente para o jogo e Unai Emery decidiu fazer duas alterações. Os desinspirados Iwobi e Mkhitaryan deram lugar a Ramsey e Lacazette, e as alterações promovidas pelo técnico turco vieram a revelar-se bastante acertadas.

Apesar das trocas, até foi o Spurs a criar perigo em primeiro lugar. Kane, de livre direto, rematou forte e obrigou Leno a aplicar-se. Na resposta, o Arsenal chegou ao empate. Bellerín lançou bem Ramsey no corredor central e o médio galês assistiu de primeira Aubameyang. O avançado gabonês não hesitou e disparou de primeira para o fundo das redes da baliza de Lloris, colocando o Emirates em ebulição.

Aubameyang bisou num remate de primeira de fora da área
Fonte: Premier League

O ambiente estava eletrizante no derby do Norte de Londres e mais ainda ficou quando aos 74’ Lacazette colocou os da casa em vantagem. Perda de bola de Foyth, Ramsey recuperou e lançou Lacazette, que perante a oposição de dois defesas do Tottenham, bailou sobre a bola e disparou de pé esquerdo. A bola ainda desviou em Dier antes de bater no poste e anichar-se nas redes da baliza. Que grande momento no Emirates Stadium!

Três minutos depois, e com os homens de Pochettino ainda a recuperar do duro golpe infligido por Lacazette, o Arsenal voltou a marcar. Aubameyang desmarcou com classe Lucas Torreira, com o ala dos gunners a entrar na área isolado e a rematar cruzado sem hipóteses para Lloris.

O marcador passava para 4-2 a favor do Arsenal e aos 85’ o pesadelo do Tottenham piorou ainda mais. Vertonghen viu o segundo amarelo e deixou a sua equipa reduzida a dez elementos, hipotecando qualquer hipótese de resposta dos spurs.

Até ao final da partida, e a jogar em superioridade numérica, o Arsenal limitou-se a controlar o jogo e o resultado não mais se alterou. O derby do Norte de Londres foi seguramente um dos melhores jogos da época. Extremamente bem disputado, com muitos golos e algumas picardias à mistura, o jogo esteve à altura das expetativas.

O Arsenal mantém a série invencível que perdura desde o dia 18 de agosto (!) e iguala o Tottenham na classificação. Os spurs vinham de uma série de seis jogos consecutivos a vencer em todas as competições, mas saíram vergados da casa do seu maior rival. Unai Emery acertou na antevisão do jogo na receita para vencer: a mistura ideal de emoção e razão, para além de um toque de midas com as duas substituições ao intervalo, que acabaram por mudar o rumo do jogo.

Onzes iniciais:

Arsenal FC: Leno, Bellerín, Sokratis, Holding, Mustafi (Guendouzi, 71’), Kolasinac, Mkhitaryan (Ramsey, 46’), Torreira, Iwobi (Lacazette, 46’), Shaka e Aubameyang.

Tottenham Hotspur FC: Lloris, Vertonghen, Juan Foyth, Aurier, Ben Davies (Davies, 82’), Eric Dier, Sissoko, Dele Alli (Winks, 79’), Eriksen, Son (Lucas Moura, 79’) e Harry Kane.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários