A CRÓNICA: BRUNO E COMPANHIA CADA VEZ MAIS PERTO DA CHAMPIONS

O Villa Park foi hoje palco de um duelo que opõe duas realidades bastante diferentes. Em excelente forma e a ocupar a 5.ª posição da tabela classificativa, o Manchester United precisava da vitória para continuar a lutar por um lugar na Liga dos Campeões. Já o Aston Villa, penúltimo classificado, procurava urgentemente uma vitória para dar um passo de gigante rumo à manutenção na Premier League.

Contra todas as expetativas, os Villans entraram bem melhor que o Manchester United. Foram o motor e a caixa de velocidades do início da partida. O momentum da equipa de Birmingham culmina com a bola no poste direito da baliza defendida por David De Gea, após um colocado remate de Trézéguet à passagem do minuto 25. A destacar: foi uma infantil perda de bola de Pogba que permitiu esta situação de perigo. Daqui em diante, o Manchester United assume o volante e o Villa nunca mais foi condutor.

Após uma roleta, Bruno Fernandes é rasteirado pelo lateral direito do Aston Villla, Konsa dentro da grande área, e o veterano árbitro inglês Jonathan Moss assinalou o castigo máximo. O magnífico português converte o pénalti e desfaz o nulo. E a partir do 1-0 só se viram os Red Devils.

Anúncio Publicitário

Aos 37 minutos, o prodigioso Mason Greenwood ensaiou aquilo que viria mais tarde a acontecer. Numa bonita jogada individual, escapou entre os centrais do Villa e rematou com o pé esquerdo para uma boa intervenção de Pepe Reina. O golo do inglês chegou pouco depois, aos 45+5. Depois duma recuperação de bola, a equipa do Manchester United progrediu no terreno e, após receber um passe de Martial, Greenwood olhou, apontou e disparou para dentro das redes de Reina, que só viu a bola parar dentro das redes. Assim ficou fixado o resultado ao intervalo: 2-0. 

No segundo tempo o rumo não foi diferente e só trouxe a confirmação do Manchester United como senhores da partida. Corria o minuto 58 quando Bruno Fernandes bate um pontapé de canto e encontra Pogba à entrada da área, que se serve da sua boa meia distância e faz o 3-0, que acaba por ser o resultado final.

Depois de mais uma série de ensaios, os Red Devils não conseguiram voltar a encontrar a baliza de Reina, mas podem regressar a casa com a sensação de missão cumprida. Estão a um ponto do Leicester e do quarto lugar, posição que lhes poderá conferir acesso à Liga milionário. Esse é o objetivo e não parece haver forma de parar os diabos de Manchester. O próximo jogo é na segunda-feira em Old Trafford, onde vão receber o Southampton.

No que diz respeito aos Villans, é preciso muito mais. É uma equipa desanimada, que não parece ter as armas suficientes para se manter na Premier League. Depois de perderem 2-0 em Anfield diante do campeão, perdem agora com o Manchester United. Faltam quatro jogos para lutarem pela manutenção, cenário que parece cada vez menos provável. No domingo voltam a jogar em casa e recebem o Crystal Palace. 

A FIGURA 


 Bruno Fernandes – Nem foi dos seu melhores jogos. E ainda assim é o Homem do Jogo. É dizer muito sobre o magnífico. Um golo, uma assistência e uma história de sucesso imediato na Premier League. Já não há ninguém que duvide do português e ele continua a impressionar, semana após semana. Bravo, Bruno! 

O FORA DE JOGO 


 Aston Villa – Não consigo pensar num nome em particular a destacar pela negativa sem ser a própria equipa. Não há forma de acabar com este mau momento. Apesar da boa entrada, a equipa foi-se abaixo depois do 1-0 por sua própria culpa. Como se já não acreditassem que seriam capazes de dar a volta ao jogo. Ou, olhando de forma mais profunda para a questão, parecem já não acreditar que são capazes da dar a volta à despromoção. Os vencedores fazem-se com atitude, coisa que falta (muito) a este pobre Aston Villa.

ANÁLISE TÁTICA – Aston Villa FC

O inglês Dean Smith, com a ajuda de John Terry, desenhou um 4-4-1-1 para defrontar o motivado vermelhão de Manchester. Quis ser autoritário logo desde o início do jogo e até o conseguiu fazer devido às boas prestações de McGinn e Douglas Luiz no meio campo, os homens encarregues das transições ofensivas. Também os extremos, El-Ghazi e Trézéguet, procuraram muitas vezes zonas mais interiores, evitando assim o jogo pelas alas. O plano de jogo de Dean Smith e Terry ficou mais difícil de cumprir depois do 1-0 de Bruno Fernandes, momento-chave da partida e a partir do qual os Villans nunca mais conseguiram assumir o controlo do jogo. 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

 Reina (4)

Konsa (4)

Hause (5)

Mings (5)

Taylor (5)

El-Ghazi (5)

Douglas Luiz (5)

McGinn (6)

Trézéguet (6)

Grealish (5)

Samata (4)

SUBS UTILIZADOS

 Hourihane (4)

Nakamba (4)

Davis (4)

Vassilev (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – Manchester United FC

Ole Gunnar Solskjaer levou ao Villa Park um 4-2-3-1 pachorrento para continuar a luta pelo acesso à Liga dos Campeões. O Manchester United foi uma equipa serena e sempre fiel à sua ideia de jogo, acreditando que, com calma, a sua superioridade viria sempre ao de cima. Num jogo habitualmente construído pelo meio-campo, a responsabilidade da distribuição do jogo foi entregue a Matic e a Pogba, que contaram muitas vezes com o apoio de Bruno Fernandes e Mason Greenwood quando parecia que a bola não queria chegar lá à frente.

Três pontos, missão cumprida e venha o próximo. Foi assim que o Manchester United entrou em campo e foi assim que saiu.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

 De Gea (5)

Wan-Bissaka (6)

Lindelof (6)

Maguire (6)

Luke Shaw (7)

Pogba (7)

Matic (6)

Greenwood (8)

Bruno Fernandes (8)

Rashford (7)

Martial (7)

SUBS UTILIZADOS 

McTominay (6)

Brandon Williams (7)

Fred (-)

Ighalo (-)

Daniel James (-)

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

Comentários