À partida para esta temporada, a Premier League tinha muitos motivos de interesse. Para além da luta pelo título, onde vários clubes podiam estar envolvidos, aguardava-se com elevadas expectativas a luta pelo prémio de melhor marcador. A Van Persie, Suárez e Benteke, fortes candidatos à vitória, juntaram-se nomes como Soldado, Negredo, Osvaldo, Bony, Altidore e muitos outros, que prometiam intrometer-se na corrida. Contudo, a verdade é que a maior parte dos avançados que reforçou o campeonato inglês não teve o sucesso que se esperava.

Roberto Soldado é indiscutivelmente uma das grandes desilusões do campeonato inglês. O avançado de 28 anos vinha sendo constantemente um dos melhores marcadores do campeonato espanhol, mas esteve longe de justificar os 30 milhões de euros pagos pelo Tottenham ao Valência. Acabou por ser mais um problema do que uma solução para o ataque dos Spurs. Em sentido contrário, Álvaro Negredo foi um bom investimento por parte do City. Apesar de estar em quebra de rendimento nesta recta final da época (perdeu inclusive a titularidade), o ex-Sevilha teve um papel importante na primeira metade da temporada, período em que marcou 9 golos no campeonato e 5 na Liga dos Campeões. Ainda assim, não apresenta números brilhantes.

Jozy Altidore só tem um golo marcado na Premier League: uma desilusão  Fonte: dailystar.co.uk
Jozy Altidore só tem um golo marcado na Premier League: uma desilusão
Fonte: dailystar.co.uk

Da Holanda chegaram Wilfried Bony e Jozy Altidore. Os dois goleadores tiveram sortes diferentes nesta primeira época em Inglaterra. O costa-marfinense, melhor marcador da última Eredivisie, está a realizar uma temporada positiva ao serviço do Swansea, somando 16 golos até ao momento. Numa equipa em que Michu perdeu preponderância, o ex-Vitesse provou que também sabe marcar num grande campeonato, assumindo-se como a principal referência ofensiva dos galeses. Por outro lado, o norte-americano foi um autêntico flop. Vindo do AZ Alkmaar, Altidore não se adaptou da melhor forma e perdeu rapidamente o lugar na equipa do Sunderland. Quem aproveitou para brilhar foi o jovem Connor Wickham, que, com vários golos nesta recta final de temporada, tem vindo a ser decisivo para a manutenção dos black cats na Premier League. Com as suas características, tem tudo para vingar no futebol inglês.

Pablo Osvaldo teve uma passagem curta por Inglaterra. O avançado italiano foi a grande aposta do Southampton no último defeso – custou 18 milhões de euros aos saints -, mas, mais uma vez, a postura de “bad boy” tramou-o. Contratado à Roma, não teve o impacto que se esperava (nem sequer foi um indiscutível) e, após envolver-se numa confusão com José Fonte, foi emprestado à Juventus.

Para além dos nomes sonantes, chegaram outros avançados de qualidade à Premier League. No entanto, nenhum deles esteve em bom nível. Da Dinamarca vieram duas torres: Cornelius (para o Cardiff) e Helenius (para o Aston Villa), os dois melhores marcadores do último campeonato. O emblema de Birmingham ainda juntou ao seu elenco Libor Kozák, o melhor marcador da última Liga Europa. No Norwich, clube que também contratou Van Wolfswinkel, Gary Hooper não foi o goleador que tinha sido ao serviço do Celtic.

Mitroglou jogou apenas 151 minutos na Premier League ao serviço do Fulham  Fonte: news.ladbrokes.com
Mitroglou jogou apenas 151 minutos na Premier League ao serviço do Fulham
Fonte: news.ladbrokes.com

A lista interminável de goleadores não fica por aqui. Em Janeiro, o Fulham contratou Mitroglou ao Olympiacos por 14 milhões de euros. O avançado grego era cobiçado por vários clubes europeus, mas optou por rumar a Londres, uma decisão que pode ter posto em causa a sua presença no Mundial (praticamente não jogou). Por empréstimo, chegaram Lacina Traoré e Luuk de Jong. Sem espaço no Mónaco, o costa-marfinense viu Lukaku tapar-lhe a titularidade e vai deixar Goodison Park com pouca utilização. Luuk de Jong, cedido pelo Mönchengladbach ao Newcastle, continua sem conseguir afirmar-se fora do campeonato holandês.

Não é uma época menos produtiva que faz com que a Premier League deixe de ter o melhor grupo de avançados. Poderia tentar encontrar explicações para a crise de praticamente todos os goleadores que se mudaram para o campeonato inglês, mas não parece haver uma justificação plausível. Este ano, Suárez deixou a concorrência a milhas de distância. Contudo, a maior parte destes jogadores tem imensa qualidade e pode voltar à boa forma na próxima temporada, proporcionando uma disputa bem mais intensa pelo prémio de melhor marcador.

Comentários