Estamos a meio da semana e a Premier League continua a dar que falar. Esta terça e quarta-feira tivemos a jornada 14 da Liga Inglesa e engane-se quem pensa que o cansaço acumulado ou a gestão das equipas levou a menos emoção. Trago-vos desde já uma breve análise minha aos encontros desta semana.

Crystal Palace 1 – 0 West Ham

Na terça-feira, o único jogo do dia opôs o Crystal Palace, o lanterna vermelha no início da jornada, ao West Ham. Estava longe de ser um dos jogos mais emocionantes da jornada e isso mesmo foi confirmado em campo. Não só se resumiu a um jogo muito físico, como demonstraram ser duas equipas com muito medo de errar. O Crystal Palace tem melhorado nos resultados mas não tem encantado dentro de campo. Conseguiu inclusive sair vitorioso com um golo de Chamakh que surgiu de um canto. Num jogo que acabou 1-0, as figuras do encontro no qual o West Ham merecia talvez um pouco mais do resultado foram mesmo os guarda-redes.

Arsenal 2 – 0 Hull City

Já na quarta-feira começaram os jogos a doer. O líder Arsenal recebia o Hull City nos Emirates e era um jogo em que o Arsenal não podia perder pontos. Ainda assim, Wenger decidiu poupar Giroud e pôs mesmo Bendtner a titular. Outra surpresa no onze foi mesmo Jenkinson, que acabaria por assistir Bendtner para o primeiro golo do Arsenal. Os Gunners entraram praticamente a ganhar, e, comandados por Özil, tiveram o comando de todo o jogo. O alemão acabou mesmo por marcar golo com uma assistência magistral de Ramsey, jogador que está numa forma impressionante. A máquina bem oleada comandada por Wenger continua a não desapontar os adeptos e demonstra uma regularidade tremenda. Tirar este Arsenal do primeiro lugar será para os candidatos ao título um verdadeiro osso duro de roer.

Luis Suárez vs Norwich City / Fonte: Dailymail
Luis Suárez vs Norwich City / Fonte: Dailymail

Liverpool 5 – 1 Norwich City (Melhor da Jornada – Luis Suárez)

O Liverpool não desarma no topo da tabela. Depois de uma derrota no terreno do Hull City, os Reds quiseram deixar claro que estão na luta até ao fim. A qualidade de jogo que demonstraram, frente ao Norwich, foi um verdadeiro hino ao futebol. Logo aos 15 minutos, Luis Suárez marcou um golaço do meio da “rua”, abrindo o marcador, que tão depressa não iria fechar. O uruguaio voltaria a facturar, com um golo a surgir de canto, e à meia hora elevava o marcador para 3-0, em mais um grande golo. Fazia assim o seu 3º hattrick frente aos Canaries, mas a conta não acabava por aqui, marcando a meio da segunda parte mais um golo de livre para a sua conta. Stevie Gerrard ainda tentou entrar para as contas do marcador, mas acabou por ver o Norwich a reduzir, por Bradley Johnson. No final ainda deu para Suárez fazer mais uma assistência para Sterling. Diria mesmo: Suárez 5-1 Norwich City. Grande jogo do Liverpool, para demonstrar que o passado fim-de-semana não passou deu um percalço.

Manchester United 0 – 1 Everton (Pior da Jornada – David Moyes)

O Manchester United, a precisar de uma vitória, recebia o Everton, que demonstrou que não está para brincadeiras e foi mesmo a Old Trafford causar um dissabor ao United, que se vê cada vez mais afastado do título. Rooney não chega e Van Persie faz muita falta em campo. Lukaku pôs De Gea constantemente à prova, mas o golo coube a Oviedo, com assistência do belga. Acabou por ser um jogo com muitos lances e bolas à trave, com Tim Howard em grande plano a garantir aos Toffees o 5º lugar em igualdade pontual com o Liverpool.

Southampton 2 – 3 Aston Villa

A grande surpresa do campeonato, Southampton, não esteve à altura da campanha que tem feito defensivamente contra o Aston Villa, que logo aos 15 minutos aproveitou um contra-ataque para fazer o primeiro golo por Agbonlahor. Contudo, na segunda parte, por duas vezes os Saints ainda chegaram ao empate, primeiro por Jay Rodriguez, um dos suspeitos do costume, e depois por Osvaldo, que equilibrou as contas depois do golo de Kozak. Ainda assim, os Villains, com mais um contra-ataque, gelaram o St. Mary’s Stadium, com um grande golo de Delph a finalizar as contas. O Southampton ocupa já um 8º lugar, com uma quebra de forma assinalável. Será que chegam ao Natal na metade superior da tabela?

Stoke City 0 – 0 Cardiff City

No Stoke – Cardiff verificou-se o expectável de duas das equipas com menos golos marcados na Premier League. Um jogo sem golos e sem grande história, no qual as figuras foram as defesas de cada equipa, porém sem grande trabalho por fazer.

Sunderland 2 – 3 Chelsea

O Chelsea tinha uma deslocação que no papel seria fácil, visto que se tratava do lanterna vermelha, Sunderland. Porém, desde que Poyet entrou para manager dos Black Cats a equipa tem estado noutro nível completamente diferente. O Sunderland começou mesmo a ganhar por Altidore. Contudo, do lado do Chelsea existe Hazard, que não só deu um golo feito a Lampard como ainda marcou mais dois, dando vantagem ao Chelsea por duas vezes. Os restantes golos da partida vieram por antigos jogadores do United, primeiro O’Shea e depois Bardsley, a compensar um auto-golo completamente infantil com um golo a surgir de canto, apenas dois minutos depois do seu auto-golo. Hazard a valer pontos ao Chelsea, que mais uma vez viu Torres a cometer um falhanço inimaginável.

Swansea 3 – 0 Newcastle United

Uma das surpresas da jornada foi mesmo o Swansea, que recebeu e bateu o Newcastle United por 3-0. Num jogo sem Michu e Bony por lesão, foi Nathan Dyer a colocar os Swans em vantagem a terminar a primeira parte. Já na segunda parte, o Swansea aproveitou um penálti por assinalar a favor dos Magpies para aumentar a vantagem, com um auto-golo de Debuchy e depois por Shelvey, com um grande golo (mais um nesta jornada). Os toons viram assim a sua boa forma acabar neste jogo, e Remy e Gouffran não conseguiram ameaçar um Swansea City em crescendo.

Yaya Toure vs West Brom / Fonte: Yahoo News UK
Yaya Toure vs West Brom / Fonte: Yahoo News UK

West Bromwich Albion 2 – 3 Manchester City

Um dos principais candidatos ao título, o Manchester City, deslocava-se ao terreno do West Brom, uma deslocação de extrema dificuldade; não só os Baggies são uma das equipas mais difíceis em casa, como os Citizens têm alguma dificuldade em jogar fora de portas. Ainda assim, o City entrou praticamente a ganhar, com golo de Agüero – e pouco tempo depois foi a vez de Touré faturar. O costa-marfinense viria a bisar de grande penalidade, o que praticamente assegurou a vitória da equipa de Manchester. Contudo, o facto de tirarem o pé do acelerador provocou um grande susto, pois o West Brom ainda fez dois golos, com um auto-golo de Pantillimon e por Anichebe, tento esse que viria tarde demais.

Fulham 1 – 2 Tottenham Hotspurs

Finalmente, no último jogo da jornada o Tottenham em crise deslocava-se a Londres para defrontar o Fulham, uma equipa a precisar de pontos para sair da linha de água. O primeiro golo foi mesmo para a equipa da casa, que até despediu Martin Jol no passado fim-de-semana – um golo da autoria de Dejagah. A pressão estava toda do lado dos Spurs, que reagiram bem e foram para cima do adversário, acabando por dar a volta ao marcador. O primeiro foi de Chiricheş, com um belo golo do meio da rua mas que deixa algumas dúvidas na atuação de Stekelemburg, que deveria ter feito claramente mais. Holtby saltou do banco para fazer o segundo golo, mais um golo de belo efeito para embelezar esta jornada. André Villas-Boas pode assim respirar mais um pouco, com a ascensão ao 6º lugar, deixando ainda alguma apreensão o facto de este Tottenham viver em demasia de rasgos individuais, como foi este segundo golo.

Foi uma jornada muito intensa, com 33 golos marcados e muita magia. Na minha opinião, o jogador da jornada é sem dúvida Luis Suárez, em contra-ponto com David Moyes, que tem de estar na mó de baixo. O United ocupa o 9º lugar, com 12 pontos de desvantagem para o Arsenal. São demasiados candidatos ao título para se perder pontos em casa, ainda para mais com equipas de menores aspirações, como é o caso do Everton.

Comentários

Artigo anteriorNós acreditamos em vocês
Próximo artigoA Península Ibérica divida por três
O João Martins é um apaixonado pela Premier League e pelo Sporting. Diz que a sua maior tristeza é ver os seus clubes favoritos afastados dos troféus principais. Seja em Inglaterra, com o Arsenal, ou em Portugal, com o seu clube.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.