Matt Doherty está no ponto mais alto da carreira e é um dos principais destaques desta edição da Premier Legue. O irlandês sente-se em casa em Wolverhampton, pois esta é já a nona temporada ao serviço dos lobos, sendo, inclusive, o jogador do plantel atual há mais tempo no clube.

Foi no Verão de 2010 que Doherty entrou no radar os Wolves. Enquanto jogador do modesto Bohemians, defrontou o seu atual clube num desafio de pré-temporada, deu nas vistas e convenceu os responsáveis do clube a avançar para a sua contratação. 25 mil euros foi quanto os Wolves pagaram pelo, na altura, jovem de 18 anos.

Na primeira época, jogou sobretudo pela equipa de reservas. No entanto, foi progressivamente ganhando espaço e estreou-se na Premier League a 24 de setembro de 2011, logo no mítico Anfield Road. Na segunda metade da temporada de 2011/2012 foi emprestado aos escoceses do Hibernian e na seguinte ao Bury, clube da League One.

Na temporada de 2013/2014, regressou ao Molineux e não mais saiu. A equipa vinha de duas relegações consecutivas, mas esteve na League One só de passagem. A estadia no terceiro escalão foi curta, mas serviu para Doherty ganhar em definitivo um lugar na equipa. O lateral-direito foi peça chave na equipa que se manteve no Championship até 2017/2018, ano da chegada de Nuno Espírito Santo aos comandos da equipa.

Em 2016, foi eleito o melhor jogador do Wolverhampton pelos adeptos do clube
Fonte: Wolverhampton Wanderers FC

Foi o técnico português que conseguiu tirar mais proveito das qualidades do irlandês, pois concedeu-lhe todo o flanco direito do seu esquema de 3 centrais (3-5-2 ou 3-4-3). Dono de uma passada larga e uma capacidade física acima da média, Doherty oferece muitas soluções ofensivas à equipa, fruto das suas cavalgadas pela linha ou das incursões por terrenos mais interiores, aproveitando o espaço entre o central e o lateral adversário.

Foi peça-chave na caminhada rumo à conquista do Championship, falhando apenas um jogo na memorável campanha dos lobos. Esta época, apenas mudou o palco. O trio de centrais é o mesmo e Matt Doherty continua a cavalgar pelo lado direito, desta feita no principal escalão do futebol inglês, onde a equipa se encontra num notável oitavo lugar. A preponderância do irlandês de 27 anos no conjunto de Nuno mantém-se, levando já mais de 2300 minutos no campeonato e tendo atuado em 32 dos 33 jogos da equipa em todas as competições. Em setembro, foi eleito o jogador do mês da Premier League, sendo apenas o quarto irlandês a conseguir o prémio.

É na estatística ofensiva que Doherty mais se destaca mais, levando 6 golos e 4 assistências na sua conta. Segundo dados dados do «WhoScored», faz em média um remate e um passe chave por jogo. Defensivamente, vence grande parte dos duelos aéreos, fruto da sua estatura- 1,86m- e do seu grande poder de impulsão, aos quais junta, em média, 1,6 interceções e 1,5 desarmes por jogo.

A 15 de fevereiro, renovou o vínculo que o liga com os Wolves até 2023. Em declarações à imprensa, diz estar a viver um sonho. “Estou num grande momento de forma e a jogar todos os fins-de-semana, é sonho tornado realidade. O treinador, claro, acredita em mim. Fico muito feliz com os seus comentários, é sempre bom ter o reconhecimento do treinador”.

Apesar da época de alto gabarito, o irlandês demonstra maturidade ao reconhecer que o Wolverhampton é o clube mais indicado para si: “Para mim, agora, não há melhor lugar do que os Wolves, com este treinador e esta forma de jogar”.

Com a amplificação dos sistemas de 3 centrais no futebol moderno, Doherty é um alvo cada vez mais apetecível, pois é difícil encontrar um ala que dê tantas garantias quanto o irlandês. Apesar de apenas se ter estreado na seleção irlandesa há menos de um ano, promete ser uma das figuras da sua seleção nos próximos anos.

Matt Doherty, um lobo feliz.

Foto de Capa: Wolverhampton Wanderers FC

Artigo revisto por: Jorge Neves

Comentários