cab premier league liga inglesa

José Mourinho foi despedido do comando técnico do Chelsea FC. Chega, assim, ao fim o segundo período do português no clube londrino, depois de a direção ter acordado o seu afastamento (por acordo mútuo), após o terrível início de época na Barclays Premier League. Apesar do acordo mútuo, Mourinho afirmou por diversas vezes que não queria abandonar o clube e, por isso, deduzo que é uma simples aceitação por parte do treinador da decisão da direção.

O Chelsea ocupa, à 16.ª jornada, o 16.º lugar na liga inglesa, com apenas 15 pontos. Ou seja, a um da linha de água e a 20 do primeiro classificado. Somam quatro vitórias, três empates e nove derrotas, têm 18 golos marcados e 26 sofridos. Além disso, já foram eliminados da Capital One Cup, nas grandes penalidades, frente ao Stoke City FC. A acrescentar a isso, o escândalo com Eva Carneiro, membro do staff médico do clube. No entanto, estão nos oitavos de final da Liga dos Campeões, depois de terem passado, em primeiro lugar, a fase de grupos.

De facto, esta tem sido uma época completamente atípica para os londrinos (pelo menos desde que Roman Abramovich adquiriu o clube, em 2003) e para José Mourinho. Com um plantel praticamente igual ao que foi campeão no ano passado, a equipa e o futebol praticado por ela estão irreconhecíveis. As estrelas que tanto brilharam o ano passado apagaram-se por completo e aquela solidez defensiva, a que tanto nos habituou Mourinho, desapareceu.

Mas será que a culpa é do treinador? Muitos dirão que sim, mas eu (e pelos vistos a maioria dos adeptos do Chelsea) digo que não. Não concebo, de todo, que um treinador “desaprenda” como treinar uma equipa de um ano para o outro. Não acredito que um profissional, que é dos melhores do mundo na sua área de trabalho, e com o histórico de José Mourinho, seja o principal responsável por uma queda de rendimento tão abruta como esta.

A verdade é que os jogadores não estão a colocar em campo toda a sua qualidade, todo o seu brilhantismo e, acima de tudo, todo o seu profissionalismo. Jogadores como Eden Hazard, Nemanja Matiç, Cesc Fábregas, Branislav Ivanoviç, Diego Costa e John Terry não têm demonstrado, de todo, o que demonstraram na última época. O belga, por exemplo, que foi considerado o melhor jogador do campeonato passado, tem sido um dos piores este ano e perdeu toda a espetacularidade que tinha vindo a revelar. Hazard deambula pelo campo completamente perdido, não ajuda a defender e, quando é necessário atacar, falha passes e perde bolas com uma regularidade assustadora.

José Mourinho venceu o seu terceiro título de campeão inglês ao serviço do Chelsea Fonte: Chelsea FC
José Mourinho venceu o seu terceiro título de campeão inglês ao serviço do Chelsea
Fonte: Chelsea FC

Vou ser sincero, tinha o sonho de ver José Mourinho tornar-se o Sir Alex Ferguson do Chelsea. Mas para isso era necessário que Roman Abramovich fosse dotado da linda virtude que é a paciência. Mas, como todos sabemos, essa não é uma das qualidades do russo. Relembro que Ferguson chegou a registar um 13º lugar na liga, mas recebeu um voto de confiança da direção. De que serviu isso? O Manchester United é, hoje em dia, o clube inglês com mais campeonatos e um dos maiores clubes do mundo. O ex-treinador do FC Porto e do Real Madrid CF tinha todas as condições para fazer o mesmo. O seu palmarés ilustra a sua capacidade, os seus feitos no clube são notáveis (três títulos da Barclays Premier League, três taças da liga, uma FA Cup e uma supertaça) e o seu amor declarado ao clube. Além disso, é adorado pelos adeptos! Prova disso é o apoio incontestável que a equipa, apesar de tudo, tem recebido em todos os jogos em Stamford Bridge. Antes de Mourinho chegar ao Chelsea os londrinos não viam um título da liga há 50 anos!

Estou, por isso, muito desapontado com esta decisão da direção dos Blues, por muito mal que o clube estivesse, Mourinho merecia mais tempo, mais uma oportunidade. Infelizmente, o dinheiro e as decisões não estão nas minhas mãos e agora, como tudo, é necessário seguir em frente.

Mas o que se segue? Qual a próxima paragem do treinador? Quem o próximo timoneiro do Chelsea? Perguntas que ficam por responder, mas a segunda será respondida mais rapidamente – a Sky afirmou que a direção deverá apresentar um novo treinador até ao fim-de-semana. Quanto ao próximo destino de Mourinho, esse é uma incógnita. Rumores têm-no apontado ao PSG, mas devido ao atual momento do clube parisiense, e dado a fraca qualidade da liga francesa, tenho dificuldade em acreditar que o português assine. Quanto à minha opinião, o destino mais provável é Itália. Mourinho teve um sucesso fantástico no Inter de Milão e o futebol italiano assenta bem nas suas ideologias de jogo. Não sei para que clube irá, mas arrisco apontá-lo ao AC Milan (as rivalidades em Itália não põem entraves a este tipo de situação), o clube da capital italiana continua longe do sucesso de outros tempos e parece ser um desafio à imagem do antigo campeão europeu pelo Inter. Muitas são as hipóteses, demasiadas as indefinições. Até tomadas as decisões resta-nos esperar…

Foto de Capa: Chelsea FC

Comentários