internacional cabeçalho

Finalmente alguém conseguiu juntar José Mourinho e Arsène Wenger! O treinador português foi com o francês ao teatro em Londres. Tiveram apenas um pequeno desencontro de dez anos.

A 21 de fevereiro de 2006, em Stamford Bridge, o Chelsea perdia em casa frente ao Barcelona, num jogo em que Asier Del Horno viu o vermelho direto ainda durante a primeira parte por falta sobre um jovem Messi. A entrada é algo violenta, mas as voltas que o argentino deu enquanto estava no chão também ajudaram à decisão do árbitro. No final, Mourinho dizia: “A Catalunha é um país de cultura, vocês sabem perfeitamente o que é teatro e do bom. Fui ao teatro muitas vezes lá e há teatro de qualidade”. E, desde esse dia, sempre que defronta o Barça no Camp Nou, Mourinho ouve a bancada cantar: “Mourinho vete al teatro!”

Dez anos mais tarde, a 23 de fevereiro de 2016, também em Londres, mas no Emirates, foi a vez de Wenger ir ao teatro. Nenhum jogador do Arsenal foi expulso e o penálti para o Barcelona é bem assinalado, mas as cambalhotas de Daniel Alves ou a simulação de Jordi Alba não deixaram de impressionar o técnico francês: “Sempre que caem, gritam. Nunca caem em silêncio e isso influencia o árbitro. Não há um que caia sem gritar”, disse na conferência de imprensa após o jogo.

Jordi Alba no chão, será falta ou simulação? Fonte: FC Barcelona
Jordi Alba no chão, será falta ou simulação?
Fonte: FC Barcelona

Mourinho e Wenger não costumam ter posições coincidentes. O ano passado aconteceu uma vez, mas foi uma coincidência de posição a nível físico, quando o treinador do Arsenal entrou na área técnica do Chelsea. Coincidiram momentaneamente no mesmo espaço, algo que Wenger resolveu rapidamente com um empurrão. Coincidirem em termos de opinião será ainda mais raro (mesmo que tenha sido com dez anos de diferença) e deveria levar a reflexão na Catalunha. O Barcelona é a equipa que, na última década, tem proporcionado melhores espetáculos de futebol em todo o mundo, mas há que saber distinguir o bom do mau teatro.

Deixo um exemplo, que espero que seja esclarecedor. O ano passado, na meia-final da Liga dos Campeões, vimos como Messi pegou na bola, passou por Boateng e bateu Neuer. Nessa jogada, Boateng caiu no chão sem que ninguém lhe tocasse. Isso, usando as palavras de Mourinho, é “teatro y del bueno”. Quando é Jordi Alba a cair sem que ninguém lhe toque, agarrando-se à cara, o sentimento é ligeiramente diferente. Alguém que lhe explique isso!

Foto de Capa: FC Barcelona

Comentários