Neste meu primeiro artigo do ano, decidi escrever-vos sobre o histórico Nottingham Forest, uma equipa que marcou o final da década de 1970, em toda a Europa. Porém, esta decisão não advém da falta de tópicos sobre o que escrever: o Manchester United continua a desapontar, o próprio City não conseguiu levar de vencido o Blackburn, ou mesmo sobre o dérbi londrino Arsenal – Tottenham.

O Nottingham Forest aspira a um regresso ao escalão principal, a relembrar os tempos de Brian Clough, que levou a equipa à sua época dourada, com um bis europeu em 1979 e 1980. Na verdade, a época tem corrido bem e ocupam a 5ª posição do Championship.

Jornada da FA Cup / Fonte: chelseabrasil.com
Jornada da FA Cup / Fonte: chelseabrasil.com

Mas vamos, agora, ao que realmente interessa. Nesta jornada da FA Cup (Taça Inglesa), o Nottingham não só venceu o West Ham United como o goleou por uns esclarecedores 5-0. A rotação da equipa não pode ser de todo desculpa para os hammers.

A equipa da casa viria a marcar muito cedo na partida, aos 12 minutos, por Abdoun, através de uma grande penalidade ganha por Paterson, que viria a ser a figura do encontro. Já na segunda parte, Paterson viria a fazer um hat-trick, em apenas 14 minutos. A estocada final no West Ham viria a ser dada por Reid, depois de um contra-ataque organizado por Abdoun.

A estrela da partida, Jamie Paterson, vinha até este jogo a ter dificuldade em impor-se na equipa, não marcando qualquer golo em 16 partidas, conseguindo apenas em quatro jogos a totalidade de minutos dos encontros. Foi, sem dúvida, uma aposta feliz de Billy Davies.

Jamie Paterson, figura do encontro / Fonte: imguol.com
Jamie Paterson, figura do encontro / Fonte: imguol.com
Anúncio Publicitário

Já do lado do West Ham, a falta de experiência não pode ser desculpa, visto que jogaram bastantes titulares na equipa de Sam Allardyce. Depois desta paupérrima exibição, fala-se mesmo no despedimento do treinador inglês. Os Hammers ocupam o 19º lugar na Premier League e este jogo pode mesmo ter sido a gota da água para o experiente manager.

Quanto ao histórico Nottingham, só resta esperar um regresso à Premier League e que, passo a passo, conquistem o seu espaço na melhor liga do mundo. É um clube com quase 150 anos de história e, definitivamente, não tem intenção de fracassar.

Comentários

Artigo anteriorForças imparáveis
Próximo artigoHomenagem a quem a merece
O João Martins é um apaixonado pela Premier League e pelo Sporting. Diz que a sua maior tristeza é ver os seus clubes favoritos afastados dos troféus principais. Seja em Inglaterra, com o Arsenal, ou em Portugal, com o seu clube.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.