Pela primeira vez em muitos anos de carreira, José Mourinho completou uma temporada sem conquistar qualquer título. E logo ao serviço do seu clube do “coração” na sua vida de treinador, o Chelsea. Esteve na luta pelo ceptro da Liga Inglesa até ao final e chegou às meias-finais da Champions, mas pagou caro a factura de possuir um processo ofensivo que se arrastava com o passar do tempo (uma problemática que, aliás, já aqui explorei) e que redundou em resultados como o empate a zero com o Norwich ou a derrota contra o Sunderland, decisivos no desfecho do campeonato.

Os extremos eram capazes de romper área adentro e criar desequilíbrios, mas só o faziam sozinhos. Não havia grande envolvência (pelo menos, de forma esclarecida) da zona central no processo ofensivo e, sobretudo isso, não havia na área um 9 com a dimensão de um clube de craveira mundial. Um finalizador nato, um goleador por excelência. Eto’o estava demasiado velho, Demba Ba muito trapalhão e Torres continuava a ser… Torres, e não o El Niño da velocidade estonteante e da técnica apurada que os imperiais Vicente Calderón e Anfield Road conheceram. Tudo nomes sonantes no futebol mundial, daqueles que se quer contratar no FM, mas que não conseguiram passar da vulgaridade de um ponta-de-lança de equipa pequena.

A prová-lo estão os resultados. O trio de avançados-centro à disposição de José Mourinho somou, ao longo de toda a campanha da equipa na Premier League, 19 golos. Apenas mais 5 do que o melhor marcador da equipa na prova, Eden Hazard. Eto’o assinou nove e Demba Ba marcou cinco, os mesmos de Torres.

Juntos, Torres e Ba completaram uma dezena de golos  Fonte: thesportsquotient.com
Juntos, Torres e Ba completaram apenas uma dezena de golos
Fonte: thesportsquotient.com

Nesta pré-temporada ainda não se conseguiu perceber se a inoperância ofensiva do Chelsea transitou, ou não, de época. A equipa disputou seis encontros, até ao momento, nos quais assinou 14 golos. Um registo que vai contra aquilo que foi feito na temporada transacta, é certo, mas do qual não se podem tirar conclusões visto estarmos numa fase preparatória da temporada e de a equipa londrina apenas ter marcado frente a adversários que, com o devido respeito, ainda não são de Champions (Wycombe, AFC Wibledon, Pellets WAC, Olimpico de Ljubljana e Vitesse).

Anteontem, o Chelsea enfrentou o Werder Bremen, o adversário de maior valia competitiva que encontraram até ao momento, e o resultado foi claro: 3-0. Certo que houve dois penalties contra os blues, mas o que importa, para esta análise, não é o “3”, é o “0”. Diego Costa iniciou o encontro e jogou toda a primeira parte; Drogba entrou para a segunda. Nenhum conseguiu marcar.

É cedo para se tirar conclusões, mas até ao momento ainda não há mostras de que o Chelsea vai contrariar a tendência do ano passado. Diego Costa parece-me ter sido uma aposta certeira. É um jogador que procura o duelo físico e tem espontaneidade no remate e que, por isso, se adaptará com facilidade ao futebol inglês. Ao que tudo indica, Drogba será o principal rival do espanhol. Regressou porque a equipa precisava de um reforço para o ataque, depois da saída de Lukaku…

… algo que, pessoalmente, não entendo. Romelu Lukaku é um dos valores emergentes do futebol mundial e tem ganas para lutar por um lugar numa equipa de topo. Como Diego Costa, não se importa nada de ter marcação cerrada, porque normalmente ganha no duelo físico (1,90m e 94 kg), e tem, tal como o espanhol, a mira afinada, tendo assinado, só na Premier League do ano passado, 15 golos em 31 jogos.

Mourinho não garantiu a titularidade a Lukaku e preferiu contratar Drogba para fazer concorrência a Diego Costa  Fonte: ftbpro.com
Mourinho não garantiu a titularidade a Lukaku e o belga foi vendido ao Everton por 35M€
Fonte: ftbpro.com

Foi vendido ao Everton por 35 milhões. Gerou um interessantíssimo encaixe financeiro, mas como é de números que falamos, é interessante verificar que marcou apenas menos 4 golos, na Premier League, do que todos aqueles que os 3 avançados da turma londrina, juntos, conseguiram assinar. Tem 21 anos, menos 15 do que Drogba, e uma envergadura física 15 kg e 4 cm superior à de Diego Costa.

É certo que queria ter um lugar garantindo no onze do Chelsea e que Mourinho não se dá bem com este tipo de exigências. Mas o Happy One não lhe devia ter negado a possibilidade de lutar por ele, podia ter “negociado” a sua permanência no plantel, como tão bem sabe fazer. É que, muito provavelmente, mesmo como suplente de Diego Costa, ser-lhe-ia bastante útil durante a temporada.

Comentários