Cabeçalho Liga Inglesa

Tal qual filho pródigo, os adeptos do City assistiram no passado fim de semana ao regresso de um dos seus mais queridos jogadores dos últimos anos do clube milionário: depois de um conflito com Pep Guardiola que ocupou páginas de imprensa um pouco de todo o mundo, Yaya Touré regressou às escolhas do seu treinador e logo com uma presença no 11 inicial escalado pelo catalão para o duelo frente ao Crystal Palace. E dificilmente o impacto do regresso do costa-marfinense poderia ser mais estrondoso: triunfo dos citizens por 2-1 e o homem do jogo? Yaya.

Com a chegada de Guardiola a Manchester, muitos dos jogadores do City exaltaram a forma como o catalão os ajudará individualmente a atingir o seu potencial, e colectivamente no que diz respeito à conquista de troféus, tendo absorvido rapidamente as ideias do seu treinador. Mas com Yaya, a relação claramente azedou, à imagem do que já tinha sucedido nos tempos do Barcelona, muito por culpa do agente do costa-marfinense.

A disputa manteve Touré afastado dos relvados até que houvesse um pedido formal de desculpas, tanto do centrocampista como do seu representante. O que acabou por acontecer, regressando aos relvados com a camisola 42 do Man City frente ao Palace.

O destino por vezes tem destes detalhes, sobretudo no futebol: seja porque um jogador escorraçado regressa com a camisola adversária e acaba por sentenciar a partida, ou por uma vedeta que sai de um clube “pela porta pequena” e acaba por nunca conseguir tornar a render ao mesmo nível. E na jornada frente ao Palace, os adeptos do City saborearam isso mesmo, com um jogador desavindo a resolver um jogo que tudo indicava caminhar para o empate.

Yaya Touré voltou a sorrer ao serviço dos citizens Fonte: Manchester City FC
Yaya Touré voltou a sorrer ao serviço dos citizens
Fonte: Manchester City FC

Na actual jornada da Premier League, tornámos a assistir a nova aposta em Yaya Touré, o que parece indicar que todas as divergências se encontram sanadas e que o jogador é um dos homens de confiança de Guardiola, que pela sua capacidade técnica e física poderá muito bem ter uma forte palavra a dizer no que diz respeito à campanha do City pela conquista do título de campeão inglês.

Para bem do futebol, e sobretudo para adeptos e simpatizantes dos azuis de Manchester (nos quais, desde já, não me incluo), esperemos que as suas (in)capacidades psicológicas não interfiram, e que Touré consiga tornar a abrilhantar os relvados como fez, por exemplo na temporada 2013/2014.

Aos 33 anos de idade, esperar por um regresso à forma que exibiu durante a maior parte da sua carreira enquanto jogador dos citizens, mas pela experiência e características que possui, claramente vem acrescentar ao elenco de Guardiola, tanto na posição de médio, como na posição de defesa-central, na qual poderá dar o seu contributo tendo em conta a filosofia de jogo do técnico do City, que passa por uma construção a partir do sector defensivo, o que exige uma qualidade técnica a cima da média em praticamente todas as posições do terreno.

Só o futuro dirá se a utilização de Yaya será para dar continuidade, e se continuarão os Sky Blues a tirar dividendos dessa utilização, mas é certo que, por agora, a utilização será uma constante, visto que, nos dois jogos em que foi utlizado o médio-centro dos citizens não só cumpriu, como excedeu a expectativas.

Foto de capa: Manchester City FC

Comentários