3.

N’Golo Kanté – 2016/17 trazia novo confronto entre blues e red devils em Stamford Bridge e também o regresso de José Mourinho a uma casa que bem conhece, mas agora com o símbolo do Manchester United ao peito. De salientar ainda que este era o primeiro confronto entre Antonio Conte e o “Special One”. Contudo, se fosse para fazer um rescaldo aposto que Ander Herrera seria o fora de jogo, pois com o seu vermelho prejudicou o Manchester United.

«Comment il s’appelle? Kante! N’Golo N’Golo! Kante!». Pois é! O francês, que já tinha sido peça fundamental em Leicester, veio para Londres para ter a mesma (ou ainda mais) influencia no meio campo. Num jogo em que pedia o remate exterior, pois havia uma muralha vermelha (não só David De Gea, que esteve em grande) a tapar os caminhos do golo. O número sete despachou «a redondinha» para o canto inferior esquerdo e deu ao Chelsea o bilhete para as meias-finais.

Kanté foi herói com o seu golo, mas também temos de destacar duas exibições fantásticas. Por um lado, temos de destacar David De Gea, que defendeu tudo o que havia para defender exceto o golo de Kanté. Por outro lado, a exibição de um monstruoso Eden Hazard. O belga foi a chave e o combustível para o Chelsea de Conte que só parou na Final de Wembley, perdida para o rival Arsenal FC, e com novo troféu da Premier League.