Anterior1 de 3Próximo

Terceiro jogo no comando dos “Spurs”, terceira vitória para José Mourinho! O Tottenham recebeu e venceu o Bournemouth por três bolas a uma, naquele que foi o primeiro jogo caseiro a contar para a Premier League do técnico português no comando dos londrinos.

Apesar da vitória, o primeiro aviso na partida foi efetuado por Groeneveld, do lado do Bournemouth, com um remate desde a entrada da área. O extremo holandês, que apareceu no onze devido à indisponibilidade do habitual titular, Joshua King, obrigou Paulo Gazzaniga a uma defesa para canto, após um ressalto da bola na relva. Pouco antes dos dez minutos, novo remate de longe dos homens de Eddie Howe, desta feita através do lateral esquerdo Diego Rico, mas foi novamente o guardião argentino dos “Spurs” quem levou a melhor.

Uma entrada “a frio” dos homens de José Mourinho fez com que o ascendente dos primeiros 20 minutos pertencesse aos “Cherries”, que apesar de cederem o controlo da posse de bola, iam sendo o conjunto mais perigoso na zona ofensiva, através de transições rápidas para o ataque. No entanto, foi precisamente através de um contra-ataque que o Tottenham criou o primeiro lance de perigo a seu favor, com Son a utilizar a sua velocidade para se aproximar da baliza de Ramsdale, mas a não acertar com o alvo.

Dadas as dificuldades que os londrinos sentiam em sair a jogar de forma apoiada, a aposta no jogo direto foi mesmo uma realidade, e deu logo “frutos” na primeira tentativa. Eric Dier, ex-Sporting, lançou a bola para a meia-lua da área do Bournemouth e encontrou Son, que com apenas um toque deixou a bola “redondinha” para Dele Alli finalizar e inaugurar o marcador. O médio ofensivo inglês vem registando uma clara melhoria de forma desde que José Mourinho assumiu o comando técnico dos “Spurs”.

O segundo golo do Tottenham podia ter chegado logo de seguida, depois de Davinson Sánchez ter introduzido a bola na baliza adversária. Tal só não aconteceu pois, no momento da receção da bola, o central colombiano controlou-a com a mão, o que foi motivo suficiente e justo para a anulação do golo. A resposta dos jogadores que viajaram desde o sul de Inglaterra deu-se em cima da meia hora de jogo, após uma subida do lateral direito Jack Stacey e de uma finalização do próprio, mas a bola não levava as coordenadas exatas da baliza e acabou por passar uns centímetros ao lado do alvo.

Até ao intervalo, os três homens da frente de ataque dos londrinos, Dele Alli, Son e Harry Kane, foram tentando combinações em zona adiantada do terreno, mas nenhuma foi sucedida. Assim, o resultado que fechou a primeira metade do encontro foi o 1-0, ajustando-se a vantagem ao Tottenham. Cada vez que os pupilos de José Mourinho “carregavam no acelerador”, as dificuldades defensivas do Bournemouth eram notórias. No entanto, quando eram os comandados de Eddie Howe a chegar ao último terço do terreno, muitas eram as vezes em que “causavam calafrios” à defesa dos “Spurs”.

Dele Alli e Son, os protagonistas do primeiro golo dos “Spurs”
Fonte: Premier League

A segunda parte arrancou e, cinco minutos depois, o Tottenham ampliou a vantagem, na sequência de uma jogada que foi quase uma fotocópia da do primeiro tento. O jogo direto foi novamente opção e a bola foi lançada por Alderweireld para Dele Alli, tendo o médio inglês rececionado e orientado o esférico, antes de o colocar novamente no fundo da baliza de Ramsdale. São já três golos nos últimos dois jogos para o britânico, sendo que podia ter chegado ao quarto pouco depois, mas o remate saiu por cima do alvo.

Após o esforço que foi posto em campo pelos jogadores do Bournemouth, sobretudo durante a primeira parte, a “fatura” veio a partir dos 60 minutos, notando-se o desgaste que a pressão alta acarretou. Assim, os espaços na defesa dos “Cherries” eram cada vez mais e maiores, pelo que o terceiro golo da turma de José Mourinho surgiu de forma natural. Dele Alli abriu a bola para a esquerda, onde estava Son, e este último cruzou para o segundo poste, tendo surgido Sissoko e Aurier, ambos completamente livres de marcação, e o golo pertencido ao médio francês. Uma finalização “semi acrobática” fechou quase definitivamente a discussão pela vitória.

A equipa de Eddie Howe chegou ainda ao golo de honra por intermédio de Harry Wilson, avançado formado no Liverpool e que mostrou uma vez mais a incrível aptidão que tem para marcar livres diretos. Um pontapé fantástico a partir da entrada da área reduziu a vantagem dos londrinos para 3-1 e deu um “mini balão de oxigénio” ao Bournemouth, que podia relançar a discussão da partida caso marcassem outro golo.

Esse golo surgiu mesmo, novamente por Harry Wilson, mas já foi tarde, apenas aos 90+6’, já no final da compensação dada por Lee Mason. A partir daqui o resultado não sofreu qualquer alteração, confirmando-se mesmo a vitória do Tottenham, que assim ascendeu ao quinto lugar, ainda que de forma provisória. Fica a nota para mais um final “de aflitos” por parte dos londrinos, que por pouco não deixavam escapar a vitória no fim da partida, tal como aconteceu no reduto do West Ham. O próximo jogo dos “Spurs” é já a meio da semana, na quarta-feira, novamente para a Liga Inglesa, e com a curiosidade de ser em Manchester, frente ao United, antigo clube de José Mourinho.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

Tottenham HFC: Paulo Gazzaniga; Serge Aurier; Davinson Sánchez; Toby Alderweireld; Jan Vertonghen; Eric Dier; Tanguy Ndombele (Lucas Moura, 74’); Moussa Sissoko; Dele Alli (Harry Winks, 90+4’); Son Heung-Min (Giovani Lo Celso, 88’); Harry Kane.

AFC Bournemouth: Aaron Ramsdale; Jack Stacey; Steve Cook; Nathan Aké; Diego Rico; Jefferson Lerma; Lewis Cook (Dan Gosling, 74’); Danjuma Groeneveld; Ryan Fraser (Harry Wilson, 63’); Dominic Solanke; Callum Wilson.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários