Anterior1 de 3Próximo

No último jogo dos 32-avos-de-final da FA Cup, estiveram frente a frente a equipa sensação da Premier League, o Wolverhampton do português Nuno Espírito Santo, e o atual líder do campeonato inglês, o Liverpool de Jürgen Klopp. No nono jogo em 32 dias para os reds, o técnico alemão operou muitas mexidas na sua formação, tendo mantido apenas Milner e Lovren no XI inicial que utilizou no desaire no Etihad. Já Espírito Santo chamou Diogo Jota ao onze, após quatro jogos de ausência do ex-Futebol Clube do Porto, devido a lesão.

Antes do início da partida, houve tempo para uma merecida homenagem a Bill Slater por parte do público do Molineux. O defesa inglês, que faleceu no passado dia 18 de dezembro, foi um dos melhores jogadores da história dos Wolves, tendo sido o último homem a levantar a FA Cup pelos “lobos”.

Relativamente ao desafio em si, este começou morno e sem grandes chances de perigo para ambos os lados, com as duas equipas a acusarem a rotatividade aplicada pelos seus treinadores. Lovren, face à lesão contraída ainda antes dos 10 minutos de encontro, via-se obrigado a sair e a dar lugar a Hoever. O jovem de 16 anos tornava-se no jogador mais novo de sempre a atuar com a camisola do Liverpool para a Taça.

Com o jogo em aberto, e com as peças de ambas as partes mais lentas do que o habitual, o golo acabou por surgir para a formação da casa. Aos 38 minutos, após uma perda de bola infantil de James Milner a meio-campo, Jiménez aproveitou todo o espaço que lhe foi concedido e inaugurou o marcador. O português Jota, no regresso de lesão, fazia a assistência.

Os Wolves iam para o intervalo por cima na partida, com Klopp claramente irritado com a passividade dos seus jogadores.

O mexicano Raúl Jiménez fez o primeiro na partida, aos 38 minutos
Fonte: Wolverhampton Wanderers

No início do segundo tempo, como forma de redenção, Milner segurou bem o esférico à entrada da área do Wolverhampton e deixou para Origi, que fez o empate no encontro. O belga trocou as voltas a Boly e Dendocker e atirou com classe para o fundo das redes de Ruddy. 51 minutos decorridos no Molineux e o Liverpool voltava a acreditar na vitória final.

Porém, um dos muitos portugueses a brilhar ao serviço de Nuno Espírito Santo é especialista… em mísseis. Aos 58 minutos, Rúben Neves apanhou toda a gente de surpresa e disparou de fora da área na direção da baliza de Mignolet. Estava reposta a vantagem dos “lobos”.

Três minutos após o 2-1, Raúl Jiménez quase bisava no encontro. O mexicano foi mais rápido que Hoover, contornou Mignolet, mas não acertou com a baliza.

Aos 68 minutos, os reds quase restabeleciam a igualdade: Shaqiri, na conversão de um livre direto, acertou no poste direito de Rudy.

Salah e Firmino ainda foram lançados em jogo por Klopp, mas a entrada das duas principais figuras da turma de Anfield não foi suficiente para a reviravolta no marcador.

Os Wolves garantiram assim a passagem aos 16-avos-de-final da Taça de Inglaterra, ao passo que o Liverpool somou a segunda derrota consecutiva, no espaço de quatro dias.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

Wolverhampton Wanderers FC: Ruddy, Bennett, Coady, Boly, Jonny (Doherty, 75’), Vinagre; Neves, Dendoncker, Moutinho; Jota (Cavaleiro, 52’), Jiménez (Costa, 83’).

Liverpool FC: Mignolet, Camacho, Lovren (Hoever, 6’), Fabinho, Moreno; Milner, Keita, Shaqiri, Jones (Salah, 70’); Origi, Sturridge (Firmino, 70’).

Anterior1 de 3Próximo

Comentários