A CRÓNICA: HÁ CAMPEÃO NUM JOGO À CAMPEÃO

SS Lazio e Juventus FC protagonizaram o jogo grande da 34.ª jornada da Serie A. Um jogo que ficou ainda mais “apetitoso” depois do empate entre Hellas Verona e Atalanta, que veio apimentar a luta pelo pódio do principal escalão do futebol italiano. Importa, desde já, referir três curiosidades sobre o jogo entre os gigantes do calcio: frente a frente estiveram as duas melhores defesas do campeonato (com 35 golos sofridos cada); a Juventus FC procurou, a todo o custo, derrotar a SS Lazio, por ser a única equipa que ainda não conseguiu vencer em Itália nesta temporada; jogou-se, diretamente, o duelo pelo prémio de melhor marcador da Serie A – Cristiano Ronaldo vs. Ciro Immobile.

Os bianconeri entraram mais fortes, impondo um ritmo elevado e hegemonia da partida para não permitir que a SS Lazio impusesse o veneno que o técnico dos romanos tão bem estudou – o contra-ataque. O domínio da Juventus continuou avassalador, porém, o golo laziale quase chegou aos 43 minutos por intermédio do (ainda) melhor marcador da Liga, Ciro Immobile. Um remate fortíssimo do meio da rua do ponta-de-lança italiano fez tremer o poste da baliza da Juventus, para grande alívio da octacampeã que, por pouco, não foi para o intervalo a perder o jogo.

Em nova entrada forte, a vecchia signora ia desfazendo o nulo logo aos 46 minutos numa jogada individual de Dybala que, com alguma confusão e muita insistência ao barulho, passa a bola a Cristiano Ronaldo que fez um remate frouxo e deixa a bola a saltitar em cima da linha de golo. Valeu o alívio do ala direito, Manuel Lazzari, a adiar o protagonismo do português.

A inegociável pressão da Juventus deu, inevitavelmente, frutos. Logo na jogada seguinte, Cristiano Ronaldo ensaia um remate de pé esquerdo que acaba com uma mão do defesa-central angolano, Bastos. Apesar de o juiz da partida, Daniele Orsato, ter assinalado um livre à entrada da área, o VAR acabou por indiciar que a infração ocorreu dentro da grande área e o árbitro assinalou uma grande penalidade para a equipa bianconera. Aos 50 minutos, Cristiano Ronaldo não perdoa da marca do castigo máximo e abre o marcador: 1-0 para a Juve.

Anúncio Publicitário

Quatro minutos depois, a partida ficou sentenciada. O defesa-central Luiz Felipe sucumbe ao pressing imposto por Dybala, que lhe rouba a bola e a cavalga isolado até à área da Lazio, acompanhado por Cristiano Ronaldo. De avental e bandeja, o argentino serve o português que marca, de pé esquerdo, o segundo da partida e o 30.º da época. Com este golo, ultrapassa circunstancialmente o adversário desta noite, Immobile, na corrida pelo prémio de melhor marcador da Serie A.

Aos 81 minutos, Ciro Immobile sofre uma falta infantil de Leonardo Bonucci dentro da grande área, que obriga Daniele Orsato a apontar para a marca de penátli pela segunda vez na partida. Nem Szczesny conseguiu esconder o desalento perante a abordagem do italiano. Immobile converte, reduz a diferença e volta a igualar as contas para a corrida de melhor marcador. Cristiano 30-30 Ciro.

A Juventus FC viu-se obrigada a arrefecer um final de jogo escaldante, com uma grande pujança ofensiva da Lazio e conseguiu fazê-lo. O resultado final ficou fixado nos 2-1 favoráveis à Juventus, que lidera agora o campeonato italiano com oito pontos de vantagem sobre o segundo classificado, Inter de Milão. A SS Lazio, claro, falha o assalto ao pódio, mantendo-se no quarto lugar da tabela classificativa e mantém a péssima forma neste recomeço pós quarentena. Em oito jogos, cinco derrotas, duas vitórias e um empate.

Diante desta Lazio, já se viu algo de campeã nesta Juventus, que apesar de não estar a jogar o seu melhor futebol, foi uma justíssima vencedora da partida. Cristiano Ronaldo e Dybala estão completamente imparáveis. Num jogo muito difícil, Ciro Immobile ainda conseguiu dar um ar de sua graça, mas não foi o suficiente. Nova menção honrosa para o médio uruguaio, Bentancur, que está a melhorar a olhos vistos de jogo para jogo.

A FIGURA

Cristiano Ronaldo – Inconformado e incansável. Vão 30 golos em 30 jogos para Cristiano Ronaldo que está numa grande forma nesta ponta final da Serie A. Marcou dois e só não faz o hat-trick porque mandou uma ao poste e Lazzari tirou outra de cima da linha. Empatou o assalto ao troféu de melhor marcador da Liga e ainda vai, certamente, correr atrás da Bota de Ouro, neste momento liderada por Lewandowski (que conta com 34 golos em 34 jogos).

O FORA DE JOGO

Bastos – É o culpado principal do penálti que desbloqueou a vitória da Juventus, ainda que tenha tido azar na abordagem ao lance. De resto, foi sempre o pior defesa duma equipa que depende muito dos seus defesas. Não foi um jogo fácil para o angolano.

ANÁLISE TÁTICA – JUVENTUS FC

Maurizio Sarri não inventa para lá daquilo que sabe: o mais simples dos simples 4-3-3, com os melhores disponíveis a jogar e o resultado há-de chegar. Dito e feito. Domínio da posse da bola, hegemonia e controlo total do jogo para evitar que a bola chegue ao ataque laziale e ao sempre letal Immobile. A turma de Sarri foi a melhor equipa no aspeto técnico, tático e prático. Um bom jogo da Juventus que pode dormir descansada a pensar no eneacampeonato, que é cada vez mais uma realidade.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Szczesny (7)

Cuadrado (6)

Bonucci (5)

De Ligt (6)

Alex Sandro (5)

Ramsey (6)

Bentancur (7)

Rabiot (6)

Douglas Costa (6)

Cristiano Ronaldo (9)

Dybala (8)

SUBS UTILIZADOS

Matuidi (6)

Danilo (5)

Rugani (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – SS LAZIO

O técnico laziale Simone Inzaghi desenhou o seu já habitual 3-5-2 defensivo para defrontar a vecchia signora. A SS Lazio foi, como sempre, uma equipa com fortes inspirações na concentração defensiva e consequente contra-ataque. A tática foi traída pelo ferro no final da 1.ª parte, e se aquela bola entrava… Se calhar a história era outra. O 3-5-2 de Inzaghi já deu muitos frutos, mas também tem os seus riscos. Na Allianz Arena, foi uma das vezes em que correu mal e a SS Lazio volta à capital, pela primeira vez esta época, derrotada por Maurizio Sarri.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Strakosha (7)

Bastos (3)

Luiz Felipe (4)

Acerbi (6)

Lazzari (6)

Milinkovic-Savic (6)

Cataldi (6)

Parolo (6)

Anderson (5)

Caicedo (5)

Immobile (8)

SUBS UTILIZADOS

Adekanye (6)

Vavro (6)

André Anderson (6)

Falbo (-)

Moro (-)

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários

Artigo anteriorBnR LIVE: O que falta decidir na Primeira Liga
Próximo artigoA NBA está de pernas para o ar?
O Diogo é licenciado em Jornalismo pela Universidade Católica. Também tirou o curso de árbitro na Associação de Futebol de Lisboa. Tinha 8 anos quando começou a perceber a emoção que o desporto movia. No espaço de quinze dias, observou a família a chorar de alegria o golo do Miguel Garcia em Alkmaar, a tristeza da derrota em Alvalade contra o CSKA o ensurdecedor apoio dos adeptos do Liverpool enquanto perdiam a final da Liga dos Campeões por 3-0. Hoje, e cada vez mais apaixonado por futebol, continua a desenhar o seu percurso para tentar devolver a esta indústria tudo o que dela já recebeu.                                                                                                                                                 O Diogo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.