cab serie a liga italiana

Esta não é propriamente uma das melhores fases da história do AC Milan. O clube italiano já não vence a Serie A há quase cinco anos e as últimas épocas têm sido, no mínimo, desastrosas. Em 2014/2015, o conjunto de Milão terminou o campeonato na décima posição, num registo ainda pior que o da temporada imediatamente anterior, onde não conseguiu mais que um oitavo lugar. Classificações desprestigiantes para um dos clubes com mais títulos, não só no futebol italiano, como em toda a Europa, e que o impediram de disputar as competições europeias nas últimas duas temporadas.

Se não é normal o AC Milan passar um ano que seja sem se qualificar para as provas da UEFA, não fazê-lo em duas épocas consecutivas é obra, passe a ironia. Aliada às más prestações no campeonato, a falta de notoriedade internacional do emblema rossoneri está a pôr em causa o seu estatuto, cada vez menos reconhecido no mundo do futebol.

Anúncio Publicitário

Este está longe de ser o clube que víamos regularmente, e há poucos anos, nos principais palcos do futebol europeu na discussão dos títulos mais importantes, como a Liga dos Campeões. Hoje em dia, o AC Milan é um clube que pratica um futebol chato, pouco convidativo e sem grande nota artística, o que se justifica com a fraca gestão do plantel de que tem sido alvo. Há muito que o clube não conta com jogadores de indubitável classe mundial, capazes de decidir ao mais alto nível, seja por já não conseguir convencer atletas dessa categoria a assinarem, seja pela falta de condições financeiras para realizar um investimento mais sério. A verdade, porém, é que, no verão, o AC Milan desembolsou 30 milhões por Carlos Bacca e 25 por Alessio Romagnoli, o que significa que não deve estar assim muito perto de declarar falência, mesmo que o dinheiro não abunde pelos lados de San Siro.

Mesmo com os golos de Carlos Bacca, o AC Milan está realizar um campeonato atribulado Fonte: Facebook do AC Milan
Mesmo com os golos de Carlos Bacca, o AC Milan está realizar um campeonato atribulado
Fonte: AC Milan

De forma a poder voltar à elite do futebol, o clube de Silvio Berlusconi terá de rever a sua estratégia na íntegra. E o primeiro passo a dar para que isso aconteça parece-me óbvio: voltar às competições internacionais. Esta época, o AC Milan ocupa, à 29ª jornada, o sexto lugar da Serie A, estando imediatamente abaixo dos lugares europeus, com menos seis pontos que o rival da cidade, o Inter de Milão. Os homens treinados por Siniša Mihajlović têm, porém, algo que joga a seu favor: estão na final da Taça de Itália, e logo contra a Juventus. Ora, mesmo falhando o acesso à Liga Europa pelo campeonato, o AC Milan pode qualificar-se para a competição através da Taça. Se ganhá-la, garante automaticamente um lugar; se falhar no jogo decisivo, só não tem direito à vaga no caso de perder com um clube que não se qualifique para as competições europeias, o que não parece ser o caso, uma vez que a Vecchia Signora lidera atualmente a Serie A.

Significa isto que o AC Milan vai, muito provavelmente, voltar a marcar presença nas provas da UEFA em 2016/2017, meta imperial para o clube, ainda que através da Liga Europa. A Liga dos Campeões, essa, é um sonho quase impossível de concretizar, pelo menos esta época. A equipa rossoneri está a onze pontos da AS Roma, que ocupa o terceiro lugar do campeonato, o último de acesso à maior prova europeia de clubes, na qual o AC Milan já não participa desde 2013/2014, quando foi eliminado pelo Atlético de Madrid nos oitavos de final.

Ver este clube de volta aos principais palcos do futebol mundial seria motivo de satisfação para muitos fãs de futebol, principalmente para aqueles que cresceram a ver o AC Milan realizar campanhas espetaculares na Liga dos Campeões, numa altura em que tinha nos seus planteis jogadores do calibre de Dida, Cafu, Paolo Maldini, Alessandro Nesta, Gennaro Gattuso, Andrea Pirlo, Clarence Seedorf, Andrea Pirlo, Kaká, Rui Costa, Pippo Inzaghi ou Andriy Shevchenko, só para referir alguns dos craques de renome mundial que defenderam as cores do AC Milan desde o início do século. Quando olhamos para os atuais jogadores do clube, que merecem todo o respeito pelos futebolistas que são, percebemos que o AC Milan já não é o mesmo e que terá de ser alvo de alterações radicais em breve, sob o risco de perder a sua identidade e estatuto internacional.

Foto de Capa: AC Milan