A Juventus este verão adicionou dois internacionais portugueses ao seu plantel: João Cancelo e Cristiano Ronaldo. Com a chegada de ambos à crónica campeã Italiana, sobretudo de Cristiano, os olhos de Portugal, da Europa e do Mundo concentraram-se na equipa de Turim.

Sete vezes campeã Italiana (agora oito), a Vecchia Signora apetrechou o plantel para continuar a dominar o futebol transalpino, mas também para voltar a ser campeã Europeia, depois de ter perdido duas finais nos últimos anos e de não ser campeã da Europa há 23 anos (conquistas em 1985 e 1996). No entanto, a Juventus FC foi eliminada pelo sensacional AFC Ajax, já depois de uma fase de grupos cinzenta e de uma passagem muito sofrida nos oitavos (valeu Cristiano Ronaldo, como sempre) e ganhou novamente a Serie A, com exibições pouco convincentes semana sim, semana sim, onde o individual parecia disfarçar a falta de conexão e ideias do coletivo.

Se faltam ideias a uma equipa com o armamento da Juventus FC, então o alvo tem de ser o treinador: Massimiliano Allegri. O técnico italiano não tem de provar nada a ninguém, tendo já no currículo seis títulos de campeão Italiano, quatro Taças de Itália e três Supertaças Italianas, para além de ter conduzido a equipa a duas finais de Liga dos Campeões. No entanto, e o que se nota mais, é que, quanto mais sobe o nível de qualidade do plantel da Juventus FC, menos Allegri faz a diferença.

Basicamente, Allegri com um plantel de qualidade, mesmo não sendo favorito, consegue ser campeão pelas suas ideias e forma de ler o jogo (acredito que conseguia lograr o título com um AS Roma, por exemplo), mas quando tem equipa para jogar “mais” e abordar de forma mais arrojada e criativa as partidas, parece que emperra nas suas ideias e a equipa não parece engatar, andando aos solavancos e órfã de toda a qualidade individual que tem.

Cristiano Ronaldo e João Cancelo estão reféns dessa desconexão entre as ideias de Allegri e toda a qualidade da equipa. Uma equipa com um futebol “triste”, que faz da eficácia, quer ofensiva, quer defensiva, a sua grande arma devido à qualidade individual.

Apesar de jogar numa equipa que não encaixa nas suas características, Ronaldo já soma 27 golos
Fonte: Juventus FC

Cristiano é anulado pelo jogo mastigado da equipa. Não é servido, nem de perto, nem de longe, da mesma maneira que era no Real Madrid CF. Aliás, sente-se que a equipa não foi moldada às suas características. Quando se compra Cristiano Ronaldo, a equipa sabe que é mesmo que comprar à volta de 60 e muitos golos (contabilizando golos e assistências ou jogadas envolvendo o mesmo), mas a bola não lhe chega com qualidade. Grande parte dos críticos aponta as culpas para o meio campo, mas médios como Pjanic, Bentancur, Can, Matuidi ou até Dybala (que faz de terceiro médio/falso 9), são exemplos que são as ideias de Allegri que têm de se ajustar e que o problema não é da qualidade.

Uma equipa desligada, lenta na circulação e com um bloco de médio-baixo, que faz com que Ronaldo não consiga mostrar tudo o que vale. Fruto desta maneira de abordar o jogo, Cristiano está constantemente longe da zona de finalização, quando é um homem que vale o que vale pelo que faz no último terço do campo.

Cancelo está a ser banalizado por Allegri, devido à rigidez tática do técnico
Fonte: Juventus FC

Cancelo é outro exemplo. O lateral é um dos mais poderosos defesas a subir no terreno, sendo um autêntico extremo, com qualidade de drible, cruzamento, passe e finalização. No entanto, tem imensos problemas a defender, sendo que quando fica exposto no 1×1 com o extremo adversário, quase sempre “sofre”. A solução de Allegri tem passado por prender mais Cancelo ao quarteto defensivo (exemplo, primeira mão em Amesterdão), não tendo luz verde para subir, como é habitual nele, ou metê-lo no banco com De Sciglio. Talvez a melhor solução seja equilibrar a equipa, havendo uma cobertura maior a esse lado, já que do outro lado há outro lateral ofensivo, Alex Sandro, mas que joga mais apoiado na progressão, ao contrário de Cancelo, que é explosivo e veloz.

Cristiano e Cancelo estão a realizar temporadas de estreia pela Juve de qualidade, mas, na minha opinião, a anos-luz do que poderiam fazer. Allegri tem de fazer o upgrade e adaptar a equipa. No passado, tendo em conta que os seus plantéis eram bons, mas que não estavam tão apetrechados como Real Madrid CF, FC Barcelona, etc, era normal jogar com um bloco fortemente compacto, seguro, mas hoje em dia, com a equipa que tem, o futebol da Vecchia Signora tem de ser mais vertiginoso, empolgante e ofensivo. Bolas paradas, remates de meia distância e cruzamentos já não podem ser o ADN desta Juventus FC.

Com a vinda de Cristiano Ronaldo, a Juventus FC tem de mudar, Allegri tem de mudar. Para ser campeão Europeu e Mundial não basta contratar o melhor do mundo, tem de se adaptar a equipa e fazer o update para o nível seguinte.

 

Foto de Capa: Juventus FC

Comentários