A vida não corre da melhor maneira ao Beşiktaş JK, um dos clubes mais titulados da Turquia.

Os maus resultados desportivos alicerçados por uma grave crise financeira agudizam uma crise que pode trazer graves consequências ao futuro do clube da cidade de Istambul.

Em 16/17 o Besiktas sagrava-se bicampeão nacional turco e tudo parecia correr bem no seio das águias negras.

Mas tudo viria a ruir nos anos seguintes, a conjuntura política, social e económica vividas na Turquia alastraram para o futebol e o Besiktas foi um dos prejudicados.

A saída de Pepe em 2018 fez soar os alarmes para o que se passava no seio do futebol turco.

No fundo, a crise não era só vivida no Besiktas mas também os seus rivais sofreram e muito com a queda da Lira turca.

Basicamente os investimentos milionários mais que duplicaram e os ordenados que os clubes praticavam tornaram-se insuportáveis para os clubes que por si só estavam bem endividados.

Neste contexto surge o cenário actual do Besiktas, catapultado por uma crise financeira brutal, que “obrigou” o clube a livrar-se de Pepe, Quaresma, Negredo, Vagner Love, entre outros que fizeram a folha salarial do clube baixar, também na mesma proporção, o rendimento da equipa foi baixando.

As contratações do clube também deixaram de ter qualidade, basta olhar para os nomes de Douglas, Karius, e Babbel para se perceber que o clube perdeu qualidade com o desinvestimento feito na equipa, o que se tem refletido nos resultados.

Desde logo a não entrada na UEFA Champions League em 17/18, foi um rombo nos cofres da equipa, fruto do quarto lugar no campeonato, e relegou o clube para a Liga Europa. Aí mais uma decepção, ao não se qualificar para a fase seguinte acabando em terceiro lugar na fase de grupos atrás de KRC Genk e Malmo FF, acabariam a época no terceiro lugar do campeonato mais uma vez falhando o acesso à Champions.

Com estes sucessivos falhanços, Senol Günes dava por terminado o seu trabalho rumando à seleção turca.

Esta época, mais uma saída de um jogador carismático, aliás atrevo-me a dizer que foi dos melhores jogadores do Besiktas nos últimos anos, falo pois de Ricardo Quaresma.

E a forma como o ídolo dos adeptos saiu diz bem da forma como o presidente Fikret Orman geriu o caso.

Fonte: Beşiktaş JK

A saída de Quaresma caiu que nem uma bomba, e as revelações feitas pelo português causaram muita polémica, isto porque Quaresma afirmou publicamente que tinha vários meses de ordenados em atraso. Uma afirmação que não foi desmentida e que veio por a nu a instabilidade vivida.

Fikret Orman não será o único culpado desta grave crise que o clube turco atravessa, foi toda uma conjuntura que levou a esta instabilidade, mas a sua gestão tem sido um autêntico desastre.

Se olharmos para as prestações da equipa esta época vemos o porquê, oitavo lugar no campeonato a seis pontos do líder, e na Liga Europa em três jogos ainda não fez qualquer ponto.

É certo que ainda estamos no início da temporada e que muito pode mudar até ao final de época, à vitória sobre o Galatasaray SK no fim de semana passado pode ser o bálsamo que a equipa precisava, mas o contexto não é nada bom.

Dizem que o dinheiro traz felicidade e neste caso acho que se aplica bem o ditado, pois a equipa tem de sair deste ciclo financeiro negativo para voltar a construir um plantel que seja capaz de lutar novamente por títulos.

Foto de Capa: Beşiktaş JK

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

Comentários