internacional cabeçalho

A final da MLS, que opôs a equipa de Columbus Crew, a jogar em casa, frente aos Portland Timbers, estreantes numa final, foi um grande espetáculo de futebol. Ganhou, na nossa opinião, aquela que foi, sem margem para dúvidas, a melhor equipa.

1ª parte: Afonso Pais
Começava a primeira parte no Mapfre Stadium e já o Portland marcava, através de Diego Valeri, o primeiro golo da partida. Erro enorme do guarda-redes do Columbus Crew, Steve Clarke. Os visitantes abriam assim o marcador com apenas 27 segundos decorridos, o golo mais rápido de sempre em playoffs da MLS Cup. O Columbus ficou atordoado e o Portland aproveitou. Ainda antes dos 7 minutos, Rodney Wallace alargou a vantagem e estabeleceu o 2-0. Surpresa em Columbus, Ohio, com os estreantes a entrarem na partida de relâmpago e a deixar a equipa caseira bem mais longe do seu segundo título da MLS.

Anúncio Publicitário

Mas não foi preciso muito, passados 11 minutos, o habitual Kei Kamara reduz a desvantagem, num lance bastante atabalhoado em que a bola sobra para o internacional pela Serra Leoa que não perdoa. Fica a dúvida se há falta sobre o guarda-redes dos Timbers. Até final da primeira parte o resultado não se viria a alterar, havendo apenas algumas oportunidades, como o remate de Valeri, aos 24 minutos, à figura de Clarke, e um remate de Adi, aos 40 minutos para boa defesa de Larsen Kwarasei.

A equipa dos Portland Timbers demonstrou ser mais inteligente do que o seu adversário. Fonte: Facebook dos Portland Timbers
A equipa dos Portland Timbers demonstrou ser mais inteligente do que o seu adversário.
Fonte: Facebook dos Portland Timbers

 2ª parte: Duarte Pereira da Silva
Após uma primeira parte frenética, o ritmo acabou, naturalmente, por baixar. A equipa dos Portland Timbers, que mostrou ser bem mais organizada do que os Columbus Crew, pelo menos no jogo de hoje, foi fazendo a gestão da vantagem que tinha conseguido na primeira parte.

A equipa de Columbus, sempre muito dependente de Kei Kamara, teve que subir as suas linhas na procura pelo golo que levasse o jogo, na pior das situações, para prolongamento. No entanto, a equipa de Portland, demonstrando ser bem mais inteligente, soube aproveitar os espaços deixados pela equipa da casa e só não ampliou a sua vantagem porque o guarda-redes de Columbus realizou, na segunda parte, uma excelente exibição.

Pensamos, por isso, que venceu a melhor equipa. Num estilo, se preferirem, mais europeu, a equipa de Portland mostrou hoje frieza e tranquilidade durante os 90 minutos. A equipa de Portland, que ultrapassou a Knockout round apenas nas grandes penalidades (7-6 frente ao Kansas City), sagrou-se assim campeã da MLS pela primeira vez na sua história. De destacar ainda duas curiosidades: esta é apenas o quinto ano da equipa de Portland na MLS e foi ainda a primeira vez desde que este é o formato utilizado na Major League Soccer que a equipa visitante se sagrou campeã.

A figura: jogo coletivo dos Portland Timbers: Os Portland demonstraram, desde cedo, serem bem mais organizados do que a equipa de Columbus. Alternando as transições rápidas com a posse de bola, os Portland Timbers são um justo vencedor da edição de 2015 da MLS

Fora-de-jogo: Steve Clark: Apesar da excelente exibição que realizou na segunda parte, o erro que cometeu logo no início do encontro condicionou bastante a equipa. As finais não se jogam, ganham-se, e, neste caso, Steve Clark perdeu-a.