No mês das mulheres o Brasil recebeu uma grande notícia. No último dia 21.03 a ESPN Americana divulgou a lista dos 20 atletas mais dominantes do esporte mundial e para o orgulho dos brasileiros a jogadora Marta, 32, apareceu na nona colocação. Marta foi eleita a maior futebolista da atualidade, na frente inclusive do argentino Lionel Messi, 11º colocado, e do português Cristiano Ronaldo, 14º colocado.

A lista foi elaborada com base nos campeonatos mais importantes de todos os esportes e leva em consideração os rankings globais e a avaliação individual de cada atleta nas últimas duas décadas. Abaixo segue a lista completa: (Em destaque as quatro mulheres que fazem parte da lista).

 

1º Tiger Woods (Golfe – Estados Unidos)
2º LeBron James (Basquete – Estados Unidos)
3º Peyton Manning (Futebol americano – Estados Unidos)
4º Jimmie Johnson (NASCAR – Estados Unidos)
5º Roger Federer (Tênis – Suíça)
6º Annika Sorenstam (Golfe – Suécia)
7º Michael Schumacher (Fórmula 1 – Alemanha)
8º Floyd Mayweather (Boxe – Estados Unidos)
9º Marta Vieira da Silva (Futebol – Brasil)
10º Usain Bolt (Atletismo – Jamaica)
11º Lionel Messi (Futebol – Argentina)
12º Serena Williams (Tênis – Estados Unidos)
13º Lauren Jackson (Basquete – Austrália)
14º Cristiano Ronaldo (Futebol – Portugal)
15º Novak Djokovic (Tênis – Sérvia)
16º Allyson Felix (Atletismo – Estados Unidos)
17º Barry Bonds (Beisebol – Estados Unidos)
18º Mike Trout (Beisebol – Estados Unidos)
19º Manny Pacquiao (Boxe – Filipinas)
20º Tom Brady (Futebol americano – Estados Unidos)

Anúncio Publicitário

 

Marta nasceu em Alagoas e iniciou a sua carreira no CSA. De Alagoas foi para o Rio de Janeiro defender o Vasco da Gama. Desde jovem, Marta brilhava em campo demonstrando toda a sua habilidade. Via-se nela um potencial enorme. Toda a expectativa criada em cima da jogadora foi correspondida. Em 2004, Marta transferiu-se para o futebol sueco e na Europa a sua carreira decolou de vez. Ao todo a atacante disputou 12 temporadas na Suécia o que lhe garantiu, ainda, a cidadania sueca.

A brasileira é a melhor jogadora da história do futebol feminino do Brasil e uma das melhores da história mundial. Eleita cinco vezes pela FIFA como a melhor jogadora do mundo, a atacante ainda coleciona duas medalhas olímpicas de prata, 2004 e 2008, e duas medalhas de ouro dos Jogos Pan-Americanos, 2003 e 2007.

Em 2009, a atacante Marta venceu o prêmio da FIFA de melhor jogadora do mundo e Lionel Messi conquistou o prêmio de melhor jogador
Fonte: FIFA

O auge de sua carreira coincidiu com o auge da carreira de um dos melhores jogadores da história do futebol brasileiro, Ronaldinho Gaúcho. Nessa época o brasileiro tinha, tanto no feminino quanto no masculino, dois jogadores geniais que faziam “magia” com a bola. Com a Marta em campo, o aguerrido futebol feminino brasileiro ganhou mais visibilidade. Todos querem vê-la nos jogos. Dribles, toques rápidos, velocidade e habilidade. Qualidades da Marta que encanta quem a assisti.

Infelizmente dificilmente surgirão “novas Martas” no Brasil. O pouco investimento da CBF em prol do futebol feminino impossibilita que novas revelações surjam. Tanto é que o Brasil está perdendo espaço para outros países que investem no futebol feminino. A verdade é que esse investimento nunca ocorreu no país. Os campeonatos organizados pela CBF não possuem um calendário extenso que permitam que os clubes invistam em suas equipes. Com um campeonato pouco atrativo, a televisão não se interessa em comprar os direitos televisivos e quando os compra são poucos os jogos que são televisionados. Com isso grande parte da população brasileira nem sabe que existe um Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino e quem sabe de sua existência é praticamente certo de não saber quem foi o último campeão.

A Marta como a maior jogadora da história do Brasil tem papel fundamental nessa construção do futebol feminino no país. A atacante sempre declarou que o futebol feminino brasileiro precisa de apoio e investimento. Ela junto com outras guerreiras que fazem o futebol feminino brasileiro precisam do apoio de todos. O primeiro passo para a valorização do futebol feminino no país é a CBF tratar com respeito quem o pratica e valorizar os campeonatos que organiza.

A torcida de todos que amam o futebol é que essa valorização chegue logo no país. Futebol tem que ser entendido como algo sem barreiras. Todos podem gostar e praticar. Sem distinção em quanto a raça, orientação ou gênero. Fica aqui todo meu apoio as nossas jogadoras que ultrapassam barreiras – tanto em casa quanto na sociedade – para apenas poderem exercer a profissão que escolheram. Barreiras essas que não existem para os homens. Então, que em um futuro próximo tenhamos mais “Martas”, “Formigas” e “Cristianes” para dar orgulho e alegria ao nosso povo. E principalmente que esses exemplos sirvam para encorajar a todas as mulheres a lutarem pelos seus objetivos. Afinal, o lugar da mulher é onde ela quiser.

Foto de capa: CBF