Cabeçalho Futebol Internacional

O frio do Inverno chegou mais cedo a todo território da Federação Russa e os termómetros começam já a marcar temperaturas bem abaixo de zero. O Inverno fora de tempo chegou também aos estádios de futebol com a neve a transformar as superfícies verdes em verdadeiros tapetes de algodão branco, onde até os mais destemidos jogadores se vêm obrigados a cobrir todo o seu corpo deixando apenas a cabeça à mercê dos ventos gelados, que congelam tudo aquilo que mexe.

Os adeptos do FC Kuban Krasnodar fizeram este Sábado cerca de 9800 km até Vladivostok, no extremo oriente russo, para ver a sua equipa medir forças com o FC LuchEnergiya Vladivostok, em jogo a contar para a ronda 20 da FNL (ФНЛ), segundo escalão do futebol russo. Não fosse a distância que separa as equipas no vasto território russo, seria apenas mais um jogo normal de uma liga onde se pratica bom futebol. No entanto, perante a ameaça de o jogo não se realizar devido à quantidade de neve que cobria o relvado do Estádio Dynamo, os adeptos de ambas as equipas resolveram deitar mãos à obra e conseguiram retirar toda a neve do terreno de jogo a tempo do apito inicial. No final, os homens da casa venceram por 2-1, mas o que fica para história e engrandece o futebol são momentos como este, em que os adeptos esquecem rivalidades e diferenças em prol do espetáculo que é, ou deveria ser, o futebol.

Histórias como esta há muitas no futebol russo, mas, na verdade, nem tudo são rosas no dia-a-dia da modalidade naquele que é o maior país do mundo. Durante a passada semana, algo de muito estranho, ou pelo menos inusitado, teve lugar na cidade de Yekaterinburgo nos Montes Urais.

 Skripchenko sentado à direita, no dia em que anunciada a sua saída do FC Ural Fonte: Ekburg.tv
Skripchenko sentado à direita, no dia em que anunciada a sua saída do FC
Ural
Fonte: Ekburg.tv

Após uma pesada derrota no fim-de-semana passado diante o FC Terek por 4-1, o treinador do FC Ural, Vadim Skripchenko, entendeu que não tinha mais condições para continuar a comandar a equipa e apresentou a sua carta de rescisão ao presidente do clube, Grigoriy Ivanov. Até aqui tudo aparemente normal, mas na verdade há algo de muito pouco usual neste pedido de rescisão. O jogo diante da formação de Grozny foi um tanto ou quanto estranho e a atitude de alguns jogadores em campo deixou no ar o fantasma dos resultados combinados, algo que se suspeita ter acontecido anteriormente, quando ambas as equipas se defrontaram na SKB-Bank Arena durante a temporada passada. No final desse jogo, que teve lugar em Agosto de 2015 e que terminou com o resultado de 3-3, o técnico bielorrusso Viktor Goncharenko apresentou a sua demissão e não deixa de ser estranho que, um ano e uns meses depois, exactamente após o jogo com os mesmos intervenientes e também sob suspeita de resultados combinados, Vadim Skripchenko, também ele bielorrusso e antigo braço direito de Goncharenko, apresente a sua demissão, alegando problemas de saúde que o obrigariam a fazer uma cirurgia em Minsk com a maior brevidade possível.

Anúncio Publicitário