Cabeçalho Futebol Internacional

“Não há segredos, exercícios ou rotinas especiais… Adoro jogar futebol e isso faz com que me mantenha jovem.”Zoltan Gera

Poucos jogadores de futebol se podem orgulhar de marcar um golo num Campeonato da Europa tendo já mais de 37 anos de idade, mas o “maestro” húngaro Zoltan Gera é, ao lado do austríaco Ivica Vastic, um daqueles que pode partilhar com o mundo esse impressionante feito, após ter marcado um golo de belo efeito no jogo contra Portugal no passado dia 22 de Junho.

Aos 37 anos de idade, Zoltan Gera foi um dos elementos mais importantes da Hungria de Bernd Storck, tanto na fase de apuramento, como durante o Campeonato da Europa propriamente dito. Dotado de uma técnica e de uma visão de jogo acima da média, Gera enquadra-se perfeitamente naquele padrão de médio organizador de jogo bastante comum na Europa de Leste nas décadas de 1970 e 1980 e é, apesar da idade, o pensador de jogo da selecção húngara, utilizando Adam Nagy, que muitas vezes foi o seu parceiro de meio-campo, como uma extensão das suas ideias de jogo e como devoto discípulo dos seus ensinamentos, tanto no histórico Ferencvárosi TC, como no combinado húngaro.

A excelência de movimentos do “veterano” médio magiar permite-lhe não ter de correr muito para levar os seus intentos a bom porto, sendo daqueles jogadores que, como se diz na gíria do futebol, podem jogar de cadeirinha tal é a sua visão e o seu posicionamento no terreno de jogo. Gera e a sua destemida Hungria já fizeram as malas do Euro’2016, mas não é demais dizer que foram uma das surpresas mais interessantes do torneio. Após terminarem no seu grupo no primeiro lugar e sem qualquer derrota, o combinado húngaro liderado pelo alemão Bernd Storck caiu perante a toda poderosa Bélgica de Eden Hazard, Axel Witsel e companhia por um resultado algo pesado, tendo em conta o bom desempenho exibido pela selecção magiar na segunda parte do jogo. Gera não esteve em grande destaque nesse jogo e acabou substituído por Ákos Elek após o intervalo; nada, no entanto, que apague a boa imagem deixada pelo talentoso médio de 37 anos durante o torneio.

Retirado da versão húngara da revista FourFourTwo e onde se pode ler: Zolta Gera – O Mágico Magiar Fonte: FourFourTwo
Retirado da versão húngara da revista FourFourTwo e onde se pode ler: Zolta Gera – O Mágico Magiar
Fonte: FourFourTwo

Zoltan Gera nasceu para a vida e para o futebol em Pécs, a quinta maior cidade da Hungria, situada nas montanhas de Mecsek, paredes meias com a Croácia. Após ter dado nas vistas ao serviço do Pécsi MFC, Gera saiu para o baluarte do futebol húngaro, o Ferencvárosi TC, a custo zero, e foi ao serviço da equipa de Budapeste que começou a deixar a sua marca no futebol. Após quatro anos e mais de uma centena de jogos vestido de verde e branco, Gera seguiu para Inglaterra, naquela que foi a sua única, mas bem conseguida, aventura fora do seu país, para representar o West Bromwich Albion FC em duas ocasiões e o Fulham FC. Após um começo de época difícil em 2004, com os Baggies, Gera começou a “escrever as suas pautas” e a tomar a batuta do meio-campo da equipa, ajudando-a a manter-se na Primeira Liga Inglesa por mais uma época, ao mesmo tempo que ganhava um lugar na dream team da soccernet.com no final dessa temporada, muito por causa da sua importância nos movimentos atacantes do conjunto das West Midlands.

Anúncio Publicitário