A CRÓNICA: ITÁLIA CONTROLOU E GERIU O JOGO

A Itália recebeu o País de Gales, numa situação confortável. Com duas vitórias em dois jogos, os transalpinos já tinham garantida a presença nos oitavos de final, bastando um empate para conquistar a liderança. No entanto, a seleção da casa não deixou de ter a iniciativa do jogo.

Nos primeiros minutos, os jogadores galeses não conseguiram praticamente transpor a linha de meio campo. Com estes dados, é normal que as primeiras oportunidades tenham sido da Itália.

Aos 17´, numa boa jogada coletiva dos transalpinos, a bola chegou a Pessina, que dentro da grande área, rematou cruzado, com um defesa galês a desviar a bola ainda antes de sair pela linha de fundo. Depois, foi Belotti, em boa posição, a não conseguir acertar na baliza defendida por Ward.

Já os forasteiros apenas criaram perigo numa ocasião, em toda a primeira parte. Na sequência de um canto para Gales, Gunter cabeceou a centímetros por cima da baliza italiana.

Anúncio Publicitário

O que se adivinhava só perto do intervalo aconteceu, depois de várias oportunidades falhadas nos minutos anteriores. Aos 38´, sequência de um livre, Verrati colocou a bola curta dentro da área para Pessina, desviar com o pé direito, sem oposição, para desfeitear as redes galeses.

Na segunda parte, os galeses vieram dispostos a avançar no terreno de jogo e a tentar carimbar, pelo menos, o segundo lugar. Só que os transalpinos continuavam a criar as melhores oportunidades e a estar mais perto do 2-0 do que os adversários do empate. Bernadeschi atirou colocado ao poste.

Já Gales, quando conseguia chegar perto da baliza adversária, faltava gente para construir jogadas de perigo e para finalizar. Que o diga Ramsey, que aproveitou um erro de Acerbi, mas depois não conseguiu aproveitar para rematar, nem tinha colegas para servir.

À passagem dos 55´, a seleção galesa ficou desfalcada, com a expulsão de Ampadu, depois de uma pisadela sobre Bernardeschi. Só facilitou ainda mais o trabalho de Itália no controlo de jogo, que dispôs ainda de outra oportunidade para marcar, através de um remate de Chiesa bem defendido por Ward.

Na última meia hora, o duelo acabou por entrar numa toada mais morna, com várias substituições para cada um dos lados. Destaque apenas para dois lances. O primeiro foi para Gales, num falhanço de Bale que tinha tempo e espaço no coração da grande área para fazer melhor, na sequência de um livre. Já nos descontos, foi Cristante a ter oportunidade para fazer o segundo golo da partida, mas, novamente, Danny Ward a levar a melhor.

Menos mal para Gales que, mesmo com a derrota, acaba por garantir o segundo lugar, enquanto a Itália fez o pleno na fase de grupos, com três vitórias em três jogos.

 

A FIGURA

Matteo Pessina – O jogador italiano esteve especialmente ativo na primeira parte. Esteve envolvido na operação de controlo do jogo transalpino e ainda conseguiu estar em vários dos lances de perigo da seleção transalpina. Fez o golo da vitória.

O FORA DE JOGO

Ethan Ampadu – Entrada fora de tempo sobre Bernardeschi acabou por deixar a equipa desfalcada aos 55´. O jogador italiano estava ainda bastante longe da baliza galesa e a pisadela deixou o jogo ainda mais desequilibrado, acabando praticamente com as esperanças galeses de conseguir chegar ao golo.

 

ANÁLISE TÁTICA – ITÁLIA

Com o apuramento garantido, Roberto Mancini aproveitou para fazer oito alterações (!) no onze transalpino. O trio Jorginho, Verrati e Pessina controlaram as operações e deram poucas oportunidades de Gales de sair da sua zona defensiva. Muitas vezes, Pessina juntava-se ao trio da frente (Bernadeschi, Chiesa e Belotti). A organização transalpina consegue a 30ª. vitória consecutiva e manteve a baliza inviolável, mais uma vez.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Donnarumma (7)

Toloi (7)

Bastoni (7)

Bonucci (7)

Emerson (7)

Jorginho (7)

Verrati (8)

Pessina (9)

Bernardeschi (8)

Chiesa (7)

Belotti (7)

SUBS UTILIZADOS

Acerbi (6)

Raspadoni (-)

Cristante (-)

Castrovilli (-)

Sirigu (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – PAÍS DE GALES

A formação orientada por Robert Page alinhou num dispositivo tático base em 5-3-2, com uma postura bastante defensiva e passiva perante os italianos. Sem posse de bola e muito recuados no terreno de jogo, os desequilibradores na frente de ataque, Aaron Ramsey, Daniel James e Gareth Bale ficaram completamente isolados, em especial na primeira parte. Mesmo depois da expulsão de Ampadu na segunda parte, o selecionador galês colocou Moore, para dar mais presença na grande área transalpina, mas acabou por não resultar.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Ward (7)

Roberts (6)

Gunter (6)

Rodon (6)

Ampadu (4)

Williams (6)

Allen (5)

Morrell (6)

Ramsey (5)

James (6)

Bale (5)

SUBS UTILIZADOS

Moore (6)

Wilson (-)

Williams (-)

Davies (-)

Levitt (-)

Artigo revisto por Joana Mendes

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome