Terminada mais uma época desportiva ao nível dos clubes, todo o universo do futebol se centra agora no Mundial da Rússia.

Portugal, inserido no grupo B, estreia-se no segundo dia de competição, frente à Espanha. No entanto, a preparação da Seleção Nacional já há muito teve início. Um mês antes do pontapé de saída na Rússia, Fernando Santos anunciou uma das decisões mais importantes: os 23 convocados para a fase final.

Face a um leque de opções alargado, o Engenheiro optou pela variedade. No grupo que vai seguir viagem para a Rússia, todos os jogadores apresentam caraterísticas diferentes, tendo utilidades repartidas pelos diversos contextos.

Assim, até à estreia da Seleção Nacional, o Bola na Rede vai definir, numa palavra, aquele que pode ser o principal contributo de cada jogador para a equipa das Quinas.

Anúncio Publicitário

Adrien Silva: Agressividade.

“Quatro jogos, 450 minutos, um golo sofrido”. Foi assim que começou por ser justificada a solidez de José Fonte, mas a descrição assenta também na perfeição a Adrien Silva.

Em França, o médio do Leicester ganhou o estatuto de indiscutível para Fernando Santos, fator determinante para a sua presença nos convocados de 2018, depois de meio ano sem jogar.

Com a entrada do médio para a equipa, coincidente com a do defesa do Dalian Yifang, o processo defensivo da seleção portuguesa melhorou substancialmente, o que muito se deve à agressividade acrescentada pelo jogador dos foxes.

No meio-campo a quatro utilizado por Fernando Santos, onde os médios laterais se posicionam muito em terrenos exteriores, o miolo fica exposto às duas unidades centrais, e aqui é importante, acima de tudo, não ser permeável.

Com o seu estilo combativo e muito pressionante, Adrien consegue estancar a criatividade dos médios adversários e esconder o défice de agressividade de William Carvalho.

Para a Rússia, é importante que o jogador recupere a intensidade e os índices físicos necessários para cumprir esta função, o que sem ritmo competitivo, poderá não ser fácil.

Vale ainda a pena lembrar que, na ausência de Danilo, William é o único “6” da convocatória, pelo que em caso de lesão ou castigo, Adrien deverá ser a opção para o lugar. Se dúvidas houvesse da utilidade do médio…

Foto de Capa: FPF

Artigo anteriorA ter em conta
Próximo artigoRevista do Mundial 2018 – México
O Pedro é estudante de Ciências da Comunicação. Sendo um amante de desporto, é no futebol que encontra a sua maior paixão. A análise do que se passa em campo é a sua prioridade e não consegue ver um jogo sem tentar perceber tudo o que vai na cabeça dos treinadores. Idealiza uma cultura futebolística onde a tática e a técnica são muito mais discutidas do que a arbitragem.                                                                                                                                                 O Pedro escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.