Grupo B

Fonte: CONMEBOL

O Grupo B é composto por Argentina, Colômbia, Paraguai e Catar. A Argentina é a maior força do grupo e junto com o Brasil desponta como os maiores favoritos a conquista do título. A pressão sob a seleção é grande. Sem conquistar um título desde 1993, La Celeste y Blanca tentará no Brasil voltar a erguer um troféu. Para isso contará com o gênio Lionel Messi. Messi venceu a chuteira de Ouro na atual temporada europeia e é o mais cotado para vencer o prêmio de melhor jogador do  mundo da FIFA.

Time Base: Armami; Saravia; Foyth, Otamemdi, Tagliafico; Rodríguez, Paredes, Lo Celso, Di Maria; Messi e Aguero

A Colômbia é treinada pelo experiente técnico português Carlos Queiroz. Queiroz aposta em uma seleção experiente e entrosada. A base que disputou a Copa do Mundo de 2018 foi mantida. A organização tática junto com uma boa transição ofensiva são as armas da seleção que em campo tentará conquistar o seu segundo campeonato continental. James Rodrigues e Falcão Garcia continuam sendo as grandes estrelas dos Los Cafeteros.

Time Base: Ospina; Arias, Zapata, Lucumí, Tesillo; Cuadrado, Barrios, Cardona, James Rodriguez; Falcão e Martínez.

Anúncio Publicitário

Outra seleção que disputará uma vaga à próxima fase será o Paraguai. A seleção paraguaia tentará se reerguer no continente sul-americano. A seleção já foi uma das principais forças, mas com o passar dos tempos foi perdendo espaço e outras seleções como a equatoriana e a colombiana a ultrapassaram, inclusive conquistando vaga para Copa do Mundo e deixando La Albirroja de fora do certame. O início dessa recuperação começa com o seu sistema defensivo que tende a se mostrar mais sólido do que nas oportunidades anteriores. Já no ataque o destaque é o experiente Óscar Cardozo, 37, ex-Benfica e atualmente no Libertad-PAR.

Time Base: Aguilar; Escobar, Balbuena, Valdez, Torres; Ortiz, R. Rojas, M. Rojas; Iturbe, Dominguez e Cardozo.

O Catar é a grande novidade da Copa América. Os cataris, que sediarão a próxima Copa do Mundo, foram campeões asiáticos de maneira invicta e tomaram apenas um gol durante toda a competição. Mas a maior evolução do futebol do Catar está na aposta e no incentivo que a Federação local dá aos jogadores nascidos no país. Em 2007, por exemplo, o Catar disputou a Copa da Ásia com 12 jogadores estrangeiros e 11 cataris. Para a Copa América temos 18 cataris e 5 estrangeiros (português, iraquiano, francês, argelino e sudanês).

Time Base: Saad Al Sheeb; Pedro Miguel, Al Hajri, Boualem Khoukhi, Salman, Abdelkarim Hassan; Abdulaziz Hatem, Madibo, Hassan Al Heidos; Akram Afif e Almoez Ali.