cartaaberta

90 minutos… quatro golos sofridos, zero marcados, um jogador fora do Mundial, um castigado e dois em claras debilidades físicas para o que resta da fase de grupos. Registo francamente mau para nós, portugueses, principalmente quando temos o melhor do Mundo e de sempre em Portugal no auge da sua carreira. Mas ainda faltam 180 minutos. Por que estão a fazer um funeral antecipado a Portugal? Só somos portugueses quando ganhamos? Quando vencemos heroicamente a Suécia de um tal “Ibra” num jogo com um clima altamente contraditório? Caso achem que sim, então não, não são portugueses. São, isso sim, apenas falsos adeptos da selecção das quinas. Perdemos com a actual melhor selecção do mundo, que se dá ao luxo de tirar Muller e fazer entrar Podolski, tendo ainda no banco um… Klose. Nós temos Hugo Almeida, Postiga e Eder. Milagres? Já os temos feito.

Relembro os últimos primeiros resultados de Portugal em fases finais de campeonatos do Mundo e Europa: Euro’2000 – vitória sobre a Inglaterra (3-2); Mundial’02 – derrota EUA (3-2); Euro’04 – derrota Grécia (2-1); Mundial’06 – vitória sobre Angola (1-0); Euro’08 – vitória frente à Turquia (2-0); Mundial’10 – empate com a Costa do Marfim (0-0) e Euro’12 – derrota diante da Alemanha (1-0).

Depois deste exercício de memória, podemos concluir que nas últimas sete participações de Portugal em fases finais perdemos por três vezes, ganhámos por outras três e empatámos uma, no jogo inaugural. Neste Mundial voltámos a entrar com o pé esquerdo, mas relembro que as nossas melhores prestações surgiram a partir de derrotas no jogo inaugural (final do Euro’04 e meia-final do Euro’12, quando perdemos com a poderosa Espanha por penaltis, impondo o único empate ao fim de dois anos). Não temos nada a temer, Portugueses! Ergamos a cabeça, ponhamos a mão direita sobre o peito e gritemos bem alto, até a voz não poder mais, até o coração parar, até ao último minuto… E no fim falaremos. É sabido que jogamos melhor sob pressão, então aproveitemos o facto de termos duas finais pela frente; e as finais são para se ganhar, não para se jogar! Eu acredito neste Portugal, acredito no meu seleccionador (e não é momento para apontar o dedo às suas escolhas) e em toda a estrutura de Portugal. É A MINHA EQUIPA!

ronaldo!
Na hora da adversidade, é preciso continuar a acreditar e apoiar!
Fonte: superesportes.com.br

Precisamos de nos juntar mais do que nunca, precisamos de ser uma só voz em todos os “ecrãs gigantes” espalhados pelo país e entoar o nosso hino de forma a que este chegue, uniforme, ao Brasil. Os jogadores terão de sentir que estamos com eles, sentir o arrepio que é vestir a camisola de Portugal e representar toda uma nação. Não é só apoiando quando se ganha. Felizmente éramos Portugueses antes do Mundial, felizmente ainda o somos, e, “se não me engano”, continuaremos a sê-lo quando as cortinas do Brasil se fecharem. O futebol não é tudo, mas representa muito daquilo que é a nossa cultura. A paixão que temos por este jogo não pode chegar à loucura de pôr seres humanos em causa. Tenho orgulho na minha selecção, e fui dos poucos que não se foram embora da “baixa de Faro” ao intervalo. Eu fiquei até ao fim, aplaudi de pé e sofri quando falhámos o nosso tento de honra, perto dos 90 minutos. Amo-te Portugal, e estou casado contigo, de tal forma que nunca deixarei de te apoiar. E não será por mim que não terás apoio; estarei sempre aqui, contigo. Irei expressar o meu apoio em todos os 90 minutos da tua existência, sozinho ou acompanhado, à chuva ou ao sol, de dia ou de noite.

Anúncio Publicitário

E é isso que vos peço, Portugueses. Demonstrem paixão, orgulho e amor pela nossa pátria. Volto a dizer: o futebol não é tudo, mas representa muito no nosso coração, mexe com o povo, desde o rico ao pobre. Ninguém consegue ser indiferente aos 11 jogadores equipados com as quinas ao peito.

Vamos dar as mãos e acreditar em que ESTE é o nosso ano! Levaremos o Fado mais bem tocado de sempre a terras onde reina o Samba, e sairemos de cabeça erguida! A começar neste domingo, às 23 horas, frente aos EUA.

Posso contar com vocês, minha gente?

Comentários