Anterior1 de 3Próximo

A Seleção Nacional Portuguesa defrontou esta terça-feira a Lituânia, em jogo a contar para a qualificação para o Campeonato da Europa de 2020. O selecionador nacional Fernando Santos apresentou três alterações no onze, em comparação com a equipa que fez alinhar diante da Sérvia: João Cancelo, Rúben Neves e João Félix substituíram Nélson Semedo (este por lesão), Danilo Pereira e Gonçalo Guedes.

Num jogo que começou, como era de esperar, com Portugal a querer assumir o controlo, a primeira grande oportunidade surgiu logo ao sétimo minuto: João Félix entrou na área lituana pela esquerda e tirou o cruzamento, que foi intercetado pelo braço de Palionis. O árbitro holandês Bas Nijhuis não hesitou e apontou para o castigo máximo, situação soberana que Cristiano Ronaldo não desperdiçou.

A equipa das quinas parecia ter desbloqueado o jogo cedo, mas o golo madrugador não alterou o posicionamento da Lituânia, que continuou fechada atrás e sempre à espreita de qualquer hipótese para contra-atacar com perigo.

A seleção lusa ia amealhando oportunidades, mas sem que alguma delas fosse de grande perigo. Perante isto, e como “quem não marca, arrisca-se a sofrer”, foi precisamente o que aconteceu: após já terem “assustado” através de um par de saídas rápidas, os lituanos chegaram ao tento do empate na sequência de um pontapé de canto, ao minuto 28, onde Andriuskevicius saltou mais alto que toda a gente.

Reposta a igualdade, a Lituânia ficava mais confortável no jogo, ao passo que Portugal parecia estar, como já nos habituou, a complicar. Até ao intervalo foi a Seleção Nacional quem assumiu o controlo da bola, mas ainda deu permissão a alguns remates lituanos, que ou foram diretamente para fora ou encontraram Rui Patrício no caminho.
Fonte: FPF
Com o iniciar da segunda parte foi notório que, durante a pausa, Fernando Santos corrigiu posicionamentos e alterou as funções de alguns jogadores: William Carvalho deixou de estar tão em cima no terreno e regressou a zonas que melhor conhece, junto do círculo central e de Rúben Neves, e João Félix passou a protagonizar mais movimentos da esquerda para o interior, juntando-se a Cristiano Ronaldo.

Apesar das alterações, Portugal continuava a apresentar algumas dificuldades na ligação de jogo e, portanto, foi necessário juntar mais uma peça na parte central da fase de construção, e quem melhor do que Bernardo Silva para tal. Com a troca de Bruno Fernandes por Rafa, a seleção passou a dispor-se num 4-4-2 tradicional, com William e Rúben Neves juntos no meio, Bernardo e Rafa em cada uma das alas e Félix e Ronaldo na dupla de atacantes. No entanto, com esta substituição vieram também novas indicações para o pequeno “mágico” do Manchester City: passar a jogar mais por dentro, junto dos avançados, e deixar o corredor livre para as subidas de João Cancelo.

Esta fórmula deu frutos, mas para desbloquear de vez o “muro” lituano foi necessário um pouco de sorte na mistura: minuto 62, remate “enrolado” de Cristiano Ronaldo que acaba na baliza de Setkus, após este lance ter sido abordado de forma deficiente pelo guarda-redes da Lituânia. Os pupilos de Fernando Santos embalaram de vez e, três minutos depois, CR7 chegaria ao oitavo hattrick com as quinas ao peito, assistido por Bernardo Silva.

O duo formado pelos dois melhores portugueses da atualidade continua a dar frutos, tendo esta dupla jornada sido prova disso, e neste encontro não ficaram por aqui: após uma recuperação a meio-campo, a bola chega a Bernardo que, com um passe rasteiro, coloca a bola de forma perfeita para o remate em jeito de Cristiano. Quatro golos do capitão, que assinou o segundo póker com a camisola de Portugal, colocavam o resultado com forma de goleada, faltando ainda cerca de 15 minutos para o fim.

Até terminar o encontro, Portugal fez circular a bola e ainda criou algumas ocasiões, com destaque especial para João Félix, que muito tentou para fazer o primeiro golo a nível de seleções. No entanto, quem pôs o “ponto final” no resultado foi William Carvalho, que colocou a bola no fundo das redes após um canto de Rúben Neves e “luta” na área de Rúben Dias.

Portugal fez o que lhe competia e venceu as duas partidas que teve pela frente, seguindo bem vivo na luta pela vitória no grupo e consequente apuramento para o Euro 2020.

Uma palavra final para os cerca de 200 portugueses que marcaram presença na Lituânia, muitos deles militares, tendo sido a nossa representação lá fora e estando sempre a apoiar os nossos, do primeiro ao último minuto.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

Lituânia: Setkus; Mikoliunas; Palionis; Girdvainis; Andriuskevicius; Simkus; Slivka; Vorobjovas; Kuklys (Zulpa, 69’); Verbickas (Kazlauskas, 77’); Laukzemis (Petravicius, 65’).

Portugal: Rui Patrício; João Cancelo; Rúben Dias, José Fonte; Raphael Guerreiro; Rúben Neves; William Carvalho; Bruno Fernandes (Rafa, 56’); Bernardo Silva (Pizzi, 89’); João Félix; Cristiano Ronaldo (Gonçalo Guedes, 79’).

Anterior1 de 3Próximo

Comentários