Cabeçalho Seleção Nacional10 de Julho de 2016, um dia que ficará para sempre marcado no coração dos portugueses amantes de futebol e que jamais esqueceremos, o dia em que deixámos de ser o Pais do quase e passámos a ser o pais campeão europeu, o dia em que derrotámos a França no seu próprio país e quebrámos um enguiço que já durava há bastante tempo, resumindo tudo é fácil, um dia perfeito para Portugal, para os portugueses e para o futebol português.

Mas será que podemos afirmar que esta conquista e este dia alteraram de uma maneira significativa o paradigma do futebol português?  Na minha opinião não.

Muito pouco se alterou por cá, a felicidade de uma nação inteira e o espírito de celebração pode ter-nos feito sonhar ou “cegar” por uns tempos, mas a realidade no futebol português não se alterou significativamente.

Começando por aquilo que se alterou e talvez o mais simples de se explicar, houve um claro passo em frente no que diz respeito à afirmação da nossa selecção no futebol internacional, ganhámos o nosso primeiro titulo internacional , que anteriormente nos havia escapado por tão pouco, e finalmente passamos dos favoritos no papel para os vencedores na realidade, demonstrado assim ao mundo que em Portugal também se produzem vencedores e não apenas bons talentos individuais.

Mas cá dentro, no nosso futebol, tudo continuou igual ou pior, após uma conquista europeia a nível de selecções, tivemos um época muito fraca nas competições europeias a nível de clubes, quando talvez se esperava uma continuação do momento vivido recentemente,e acabámos por perder um lugar de acesso à Liga dos Campeões. Bem sei que o ranking UEFA que define as vagas europeias é feito de acordo com as últimas cinco épocas,  mas isso não esconde o facto de que foi um ano no global fraco para as equipas portuguesas na Europa, quando se exigia uma boa época para nos mantermos no quinto lugar do ranking e embalados pelo feito da nossa selecção. Por aqui se vê que o paradigma no futebol português pouco ou nada se alterou após o golo de Eder.

O Sporting saiu das competições europeias prematuramente aos pés do modesto Legia de Varsovia Fonte: Interia Sport
O Sporting saiu das competições europeias prematuramente aos pés do modesto Legia de Varsovia
Fonte: Interia Sport
Anúncio Publicitário

A nossa liga e o tipo de futebol praticado continuou praticamente o mesmo, a reputação da nossa liga também muito pouco melhorou após a conquista do Europeu, diria até que devido ao fraco desempenho das nossas equipas na Europa, que mencionei anteriormente, regrediu. Por isto não sou de embarcar em positivismos desmedidos, faço uma separação daquilo que foi o feito no Euro 2016 e aquilo que realmente é e significa o nosso futebol nacional para o resto da Europa.

Excluo desta “equação” assuntos como a valorização do jogador ou treinador portugueses, pois para mim estes já haviam afirmado e conquistado um lugar no futebol internacional mesmo antes da conquista do Euro, o mundo do futebol já reconhecia o valor do nosso produto muito antes do Euro 2016, graças a figuras como Figo, Ronaldo e Mourinho, por isso para mim a conquista do Euro foi mais uma confirmação do que propriamente uma valorização, é por esta razão que não olho para a conquista do Euro como algo que valorizou o nosso produto, mas sim o nosso pais num contexto internacional de selecções, como já havia dito anteriormente.

Não vale a pena tenta mascarar muitos dos problemas existentes no nosso futebol com a conquista do Euro, foi um enorme dia para o nosso futebol , mas após o período de festejos e de celebração, os problemas continuaram e não se resolveram sozinhos, a cultura desportiva em Portugal continua a ser pobre, continua-se a olhar demasiado para o próprio ” umbigo” e são poucas as medidas tomadas e discutidas em conjunto para o melhoramento do futebol nacional , vejo e continuo a ver demasiados interesses e jogos de bastidores nas decisões que se tomam no futebol em Portugal , não tendo como interesse primário o futebol nacional no geral, era assim antes e continuou a ser após a conquista no Euro, por isso reafirmo a conquista do Euro pouco veio alterar o nosso futebol nacional, foi uma conquista inédita e de grande importância, mas com poucas consequências no paradigma do futebol nacional.

Foto de Capa: Slate Magazine

Artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários