A caminhada de Portugal rumo ao Campeonato Europeu de sub-21 (que irá decorrer em Itália e San Marino, em junho de 2019) continuou, esta terça-feira, com mais uma etapa.

Quatro dias após a vitória, por uns expressivos 7-0, contra o Liechtenstein, os sub-21 portugueses deslocaram-se à Suíça para defrontar os helvéticos, em jogo a contar para o grupo 8 da Qualificação.

Rui Jorge, ciente das dificuldades que a sua equipa iria encontrar frente aos suíços (muito superiores aos liechtensteinenses), decidiu operar duas alterações relativamente ao último onze, ao levar André Horta e Rafael Leão a jogo, e deixando Xadas e Heriberto Tavares no banco. De resto, manteve-se tudo igual: Joel Pereira na baliza; Diogo Dalot, Jorge Fernandes, Francisco Ferreira (Ferro) e Yuri Ribeiro na defesa; Pedro Rodrigues (Pêpê), João Carvalho e João Félix no meio-campo; Diogo Gonçalves na frente de ataque.

Se Portugal tinha entrado a marcar cedo contra o Liechtenstein (aos sete minutos), ainda mais cedo foi o golo da Suíça contra a seleção portuguesa. Aos quatro minutos de jogo, Djibril Sow inaugurou o marcador, com um grande remate de fora da área; Joel Pereira a ficar muito mal na fotografia, apesar de a bola ter ressaltado na relva sintética do estádio de La Maladière. 1-0 para a seleção suíça, com Portugal a entrar de maneira infeliz no jogo.

Anúncio Publicitário

Em dia de aniversário do selecionador nacional português, que completou 45 anos, a equipa das Quinas apresentava-se algo amorfa, optando muitas vezes por um futebol direto para Rafael Leão, em detrimento de um estilo de jogo mais apoiado, como é habitual.

Quando os pupilos de Rui Jorge aparentavam algumas melhorias, eis que, aos 16 minutos, surge um contratempo: Rafael Leão, ao ressentir-se da lesão da qual parecia estar recuperado, é substituído por Heriberto; uma má notícia tanto para Rui Jorge como para Jorge Jesus.

Portugal, apesar de contar com uma seleção muito mais experiente, via-se com sérias dificuldades para assumir o controlo da partida, contra uma Suíça mais forte fisicamente e que criava inúmeras oportunidades de golo. André Horta, apesar de muito desaparecido do jogo, ia tentando a sua sorte da meia distância.

Aos 34 minutos, novo susto para Portugal: golo anulado por fora de jogo aos suíços, após uma excelente conversão de um livre direto.

Três minutos após a ameaça suíça, chegou mesmo o golo:  livre direto (novamente) bem executado por Spielmann, com o central Cumart a cabecear para o fundo das redes. Ficou, no entanto, a dúvida quanto à posição legal do suíço. 2-0 para a Suíça, numa tarde que parecia ser para esquecer.

Fonte: FPF

Na segunda parte, tudo mudou. A seleção portuguesa, com uma atitude completamente diferente da que tinha demonstrado na primeira parte, fez a reviravolta em menos de 20 minutos: aos 50, Heriberto fez o 2-1, após bom trabalho de Yuri pelo flanco esquerdo; aos 57, André Horta (o mais inconformado) empatou a partida; aos 64, o menino João Félix, à ponta de lança, fez o terceiro para Portugal. A mudança de André Horta para zonas mais centrais do terreno a revelar-se fundamental para o crescendo exibicional dos sub-21 portugueses.

Para terminar o jogo, nada melhor do que um golo para ver e rever: em cima dos 90 minutos, o recém-entrado Gil Dias, com todo o espaço do mundo, picou a bola de forma exemplar sobre o guarda-redes suíço e estabeleceu o resultado final em 2-4 para Portugal.

Grande vitória para a equipa das Quinas e para Rui Jorge, que, se na primeira parte, ficou algo constrangido com a festa surpresa que a Suíça lhe havia preparado, no final do jogo certamente exibiu um sorriso na cara, satisfeito pela reviravolta que os seus jogadores lhe ofereceram como prenda de aniversário.