Anterior1 de 3Próximo

Da segunda meia final da Taça das Nações Africanas, esperava-se o adversário do Senegal na derradeira final. Num jogo equilibrado, foi a Argélia a acabar por vencer, por duas bolas a uma, uma Nigéria que “vendeu cara a derrota”.

Os minutos iniciais foram marcados pelo domínio argelino. A Nigéria bem que podia correr atrás da bola, mas só a “cheirava”. Circulação rápida de bola, com passes simples e curtos, deixava o país dos Magrebe com boas perspetivas para este jogo decisivo.

Bennacer aos 11’ e Bensebaini aos 16’ foram os primeiros a criar perigo perto da baliza da Argélia. Depois destes avisos, a Nigéria “acordou”. Começou a equilibrar a partida e a tentar agredir a baliza argelina (sobretudo de bola parada), ainda que, sem nenhuma ocasião flagrante.

A meia hora inicial ficou marcada pela defesa de Akpeyi, em resposta ao remate do possante Bounedjah (29’). Esta foi daquelas defesas que valem pontos, ou neste caso, poderiam valer a presença na final. Não fosse uma infelicidade nigeriana: Ekong colocou a bola na própria baliza na sequência de um cruzamento do desconcertante jogador do Manchester City, Riyad Mahrez (40’). A Argélia foi a ganhar para o intervalo.

Fonte: Confederação Africana de Futebol

A segunda parte com um ligeiro ascendente dos homens da Nigéria. Mais agressivos e incisivos a levar o jogo para a frente, mas a faltar assertividade no momento da decisão, no que fazer à “redondinha” no último terço do terreno. Parecia que faltava ali um criativo ou um organizador de jogo.

A Argélia “tirou o pé do acelerador”, quase que deixou de jogar, confiante de que o resultado se aguentaria até ao fim. Mal sabiam eles o que lhes esperava. Já que falta de poder de decisão dos nigerianos os mantinha longe da baliza adversária, coube ao VAR decidir. Aos 72’ foi assinalado penalti a favor da Nigéria, por mão de Mandi. Penalti convertido por Ighalo, estava reposta a igualdade.

O golo deu força, naturalmente, aos homens da Nigéria. Continuavam por cima do jogo, mas sem criar oportunidades para passarem para a frente do marcador. Mais posse de bola, dominavam no meio campo ofensivo. O seu jogo passava todo por Chukwueze e Iwobi, mas continuava a parecer que faltava algo de diferente ao ataque nigeriano.

Já todos se preparavam para o prolongamento, à exceção de alguns irrequietos jogadores da Argélia, que por acaso, eram os seus melhores executantes. Feghouli à entrada da área, deixou um aviso, com um tiro a rasar a barra (89’). Se o remate de Feghouli passou perto da barra, o de Bennacer foi mesmo com estrondo ao travessão (90+3’).

Aproximava-se o fim do tempo regulamentar, e os tentos argelinos estavam cada vez mais próximos de entrar. O árbitro já olhava para o relógio, quando no último minuto da compensação, Ndidi comete uma falta à entrada da área, numa zona proibitiva, ainda para mais, aos 90+4’. Mahrez, um dos maiores especialistas da atualidade a bater livres diretos, não vacilou e carimbou a passagem da Argélia à final. Golo soberbo.

Um balde de água fria para esta Nigéria. Ninguém merece sofrer um golo no último minuto. Mas o futebol nem sempre tem que ver com mérito. Às vezes é sorte, outras vezes é perícia. Foi este o caso. Uma Argélia traiçoeira, capaz de passar quase uma segunda parte inteira a ver jogar, guardou o melhor para o fim e está na final da CAN, frente ao Senegal.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

Argélia: M’Bolhi, Benlamri, Mandi, Bensebaini, Zeffane, Bennacer, Guedioura, Mahrez, Feghouli, Bounedjah e Belaili.

Nigéria: Akpeyi, Omeruo, Troost-Ekong, Collins, Awaziem, Etebo, Ndidi, Iwobi, Ighalo, Musa e Chukwueze (Onyekuru, 78’).

Anterior1 de 3Próximo

Comentários