Anterior1 de 3Próximo

A Tunísia venceu esta segunda-feira o Gana nas grandes penalidades e é a última equipa a garantir o passaporte para os quartos-de-final da CAN 2019. O herói da partida foi Ben Mustapha, que saltou do banco aos 120 minutos para defender uma grande penalidade no desempate que permitiu à Tunísia derrotar o Gana.

Os primeiros 15 minutos do jogo foram algo mornos, com as duas equipas a estudaram-se mutuamente e a apresentar cautelas naturais para esta fase da competição. Mas foi precisamente à passagem do 15º minuto que se assistiu à primeira grande oportunidade do jogo, e que oportunidade: canto batido por André Ayew e Kasim cabeceia forte com a bola a embater no poste da baliza de Hassen.

Estava dado o aviso e a seleção ganesa foi controlando cada vez mais o jogo. Ao passo que a Tunísia apostava num futebol mais direto, o Gana apresentou-se com mais identidade, processos melhor definidos e também com mais qualidade a nível individual, conseguindo chegar frequentemente com a bola controlada até à área adversária.

Os melhores momentos da primeira parte aconteceram já perto do intervalo, quando Acquah disparou uma bomba do meio da rua à qual Hassen se opôs com um voo fantástico, que arrancou muitos aplausos das bancadas.

No seguimento da jogada ainda se gritou golo no Ismailia Stadium, após um desvio com classe de calcanhar de André Ayew, a passe do seu irmão Jordan, mas o árbitro anulou prontamente o golo por alegada mão de Partey no momento anterior. As imagens televisivas, contudo, confirmaram que o golo foi mal anulado pois o médio ganês controlou a bola com o queixo e não com a mão.

André Ayew esteve em destaque na equipa do Gana
Fonte: CAF

Na segunda parte a Tunísia apareceu de cara lavada, com uma exibição mais personalizada e a aproveitar melhor o espaço nas costas da defensiva do Gana, que se projetava cada vez mais para o ataque e descurava a organização defensiva. O primeiro aviso foi dado aos 70’ por Khenissi, que enviou a bola à trave da baliza de Ofori. Dois minutos mais tarde veio a confirmação, através do mesmo Khenissi, que finalizou de primeira um centro de Kechrida, colocando os tunisinos na frente do resultado.

A seleção do Gana, que até aqui vinha a fazer uma boa exibição, acusou o golo sofrido e os seus jogadores perderam-se em picardias e quezílias com o adversário, não conseguindo esboçar uma reação ao golo sofrido. E quando parecia que o Gana ia mesmo ficar pelo caminho, a surpresa aconteceu no primeiro minuto de compensação: livre largo de Wakaso para a área da Tunísia e o recém-entrado Bedoui fez autogolo, para gáudio dos adeptos do Gana e desespero de todos os tunisinos presentes no estádio.

O empate a um golo subsistiu até ao fim dos 90 minutos, pelo que teve que se recorrer a mais 30 minutos de prolongamento no Ismailia Stadium, findos os quais tudo continuou igual. O tempo extra pautou-se pelo equilíbrio, com ambas as equipas a apresentar uma grande disponibilidade física, algo comum às seleções desta competição. Mesmo em cima do apito final, Alain Giresse fez a substituição que selaria o destino desta partida, chamando o guarda-redes Ben Mustapha a jogo.

Nas grandes penalidades, a Tunísia foi mais feliz, com Ben Mustapha a defender o remate de Ekuban e a carimbar o passaporte da sua seleção para os quartos-de-final da CAN 2019, onde irá defrontar a sensação do torneio: Madagáscar.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

Gana: Ofori, Yiadom, Kasim, Boye, Baba Rahman (Agbenyenu, 116’), Owusu, Thomas, Acquah (Ekuban, 74’), Wakaso, André Ayew (Asamoah Gyan, 84’) e Jordan Ayew.

Tunísia: Hassen (Ben Mustapha, 120’), Kechrida, Meriah, Bronn, Haddadi, Skhiri, Sassi, Chaalali, Msakni (Naim, 82’), Khenissi (Bedoui, 90’) e Badri (Khazri, 68’).

Anterior1 de 3Próximo

Comentários