SITE TEMPORÁRIO

20 de Janeiro, 2022

NBA: A revitalização da carreira de Derrick Rose

Assim, chega a mítica época de 2010/2011, época essa em que Rose se equiparava com as Super Estrelas da NBA. Numa entrevista de pré-época que é interrogado quais são os seus objetivos para a sua 3ª época profissional, este responde com uma simples pergunta “Porque não posso ser eu o melhor jogador da liga? Eu não vejo porque não…”.

Dito e feito. Nessa época Rose não só liderou os Bulls ao melhor recorde da liga com 62 vitórias e 20 derrotas, assegurando o 1º posto da Conferência Este. Obteve medias de 25.0 pontos e 7.7 assistências, recebendo assim o prémio de Melhor Jogador da Liga (MVP), aos 22 anos de idade, o mais novo de sempre.

Derrick Rose tornou-se no MVP mais jovem de sempre em 2011
Fonte: NBA
Seria também mais uma vez selecionado como All-Star. Nos play-off, Rose liderou a sua equipa até a final de conferência, feito que os Bulls não atingiam desde que Michael Jordan se retirou em 1998. Viria a perder contra a equipa de Miami liderada por Dwyane Wade e LeBron James. No entanto, já no seu auge, Rose dava sinais de pouca vitalidade, uma vez que este jogou a primeira ronda dos play-off com uma lesão no tornozelo.

Em 2011/2012, vindo a famosa “LockOut Season” (os jogadores da NBA recusaram-se a jogar se não fossem aumentados os salários), com uma época regular com apenas 62 jogos, Rose não se conseguia manter saudável. Grande parte da época lidou com lesões menores no joelho, lesões nos tornozelos e nas costas.

No entanto, foi o suficiente para mais uma vez fazer parte do plantel do All-Star e para os Bulls obterem outra vez o 1º posto da conferência Este. É, no entanto, no primeiro jogo dos play-off, a pouco mais de um minuto do final do jogo que o impensável acontece, Rose rompe os ligamentos cruzados do joelho esquerdo.

Esta viria a ser a lesão que vinha pôr um ponto final na carreira de Derrick Rose como a conhecíamos, obrigando o base a falhar a época de 2012/2013.

Na época 2013/14, Rose retorna aos campos da NBA. Parece atlético e saudável e pronto a regressar como a super-estrela de que todos se relembram, mas ao décimo jogo da época regular Rose rompe o menisco do joelho direito. Num duelo que estava a ser escaldante com o base Damian Lillard em Portland, na segunda metade do jogo. A precisar de cirurgia e acabado de regressar de uma lesão no joelho contrário, Rose falha o resto da época.

Assim, o verão de 2014 chega e a temporada de 2014/15 é antecipada. Rose faz parte da Seleção dos Estados Unidos nos Mundial da FIBA, em Espanha, e ganha a medalha de ouro. Parecia mais explosivo, mais atlético, mas ainda um pouco enferrujado. O seu lançamento não estava igual e as bandejas não entravam no cesto da mesma forma.

A época de 2015 desenrola-se e Rose, no 2º jogo da época, torce o pé e vê-se forçado a falhar mais jogos, começando a época de forma lenta. Apesar da época solida, este não é selecionado para o All-Star, começando o declínio da sua carreira. Em março, necessita de nova cirurgia ao menisco, falhando mais 6 semanas de competição.

Fazendo as contas, Rose jogara apenas 61 jogos de 164 nas últimas duas épocas regulares. No entanto, os Bulls atingem os Play-off e chegam inclusive à segunda ronda, onde Rose teve provavelmente o momento mais alto da sua carreira ao marcar um “game-winner” no jogo 3 das semi-finais de conferência. Semi-finais que viriam a perder em 6 jogos, para os Cavaliers de LeBron James.
Rose ao serviço dos Chicago Bulls em 2016
Fonte: NBA
Na época 2015/16, ainda se faziam jogos de pré-epoca e já Derrick Rose era notícia, mas pelas piores razões. Este fraturara o osso orbital, obrigando-o mais uma vez a ser operado e falhar a pré-época. Rose teve de lidar com uma visão distorcida durante grande parte da época, fazendo com que começasse mais uma época de forma lenta, mas, desta vez, a refletir-se no recorde da equipa. Rose acabava assim a época com médias de 16.4 pontos e 4.7 assistências por jogos. Os números mais baixos da sua carreira e pela primeira vez desde que este tinha chegado aos Bulls, que falharam os Play-off.