A CRÓNICA: LÁ VAI UM, LÁ VÃO DOIS… TRÊS JOGOS A GANHAR

Podíamos estar a falar das pombinhas da Catrina, mas é a Académica quem está a voar na Liga Portuguesa de Basquetebol. A equipa de Coimbra arrecadou a terceira vitória consecutiva frente ao CAB Madeira e parece ter-se encontrado consistentemente com os bons resultados.

Num fim de semana de jornada dupla, o Pavilhão Multidesportos Dr. Mário Mexia recebeu um duelo entre duas equipas envolvidas na mesma luta, o que se notou na intensidade imposta por ambas. De um lado, com duas vitórias consecutivas e a viver o melhor momento da temporada, a Académica, do outro, a tentar reerguer-se do desaire frente ao Imortal, o CAB Madeira.

O primeiro quarto teve sinal mais do CAB. Um ataque agressivo e uma defesa que apanhou a Académica desprevenida foram os fatores que levaram a este bom início. Ivo Rego, técnico da casa, parou o jogo cedo para travar o ímpeto dos visitantes. E assim foi, a Académica melhorou, mas foi o CAB a sair na frente do primeiro período com uma vantagem de 22-21.

Relvão, vindo do banco, e McCoy foram os responsáveis pelo melhor rendimento da Académica no segundo quarto. O primeiro trouxe maior domínio nas zonas interiores e o segundo assumiu as despesas ofensivas da equipa. No entanto, os triplos de Kolstad mantiveram o jogo favorável aos madeirenses. O resultado ao intervalo era de 41-34 para os visitantes.

Anúncio Publicitário

Para quem queria recuperar de um resultado negativo, a Académica cometeu muitos turnovers no início do segundo tempo. Depois, apareceu Diogo Gameiro de mão quente e a pautar com elegância o jogo da equipa orientada por João Paulo Silva. Num período de altos e baixos, os insulares pareciam ter tudo para fechar o jogo, mas não foi assim. A Académica subiu a defesa para campo todo e conseguiu vários roubos que deram pontos fáceis. Ainda assim, continuava o CAB na frente por 59-55.

A decisão do vencedor ficou assim guardada para o fim. A Académica deu continuidade ao seu bom momento e o CAB perdeu-se no jogo. Completamente galvanizados, os estudantes empenharam-se como nunca na partida e levaram de vencida o seu adversário. A equipa da Madeira teve o jogo na mão, mas deixou-o fugir. O resultado final foi 77-68.

A Académica permanece na senda dos bons resultados e marca posição frente a um adversário direto na luta pelos playoffs. No entanto, não é tempo para descansar. A Académica tem encontro marcado, no domingo, no Algarve (e não é para férias), onde vai jogar frente ao Imortal. O CAB tem que se despachar a fazer as malas e regressar à Madeira, onde, no mesmo dia, vai defrontar o Vitória SC.

 

A FIGURA

Robert McCoy – Os 31 pontos que marcou valeram-lhe o título de melhor marcador do jogo. Foi o mais regular em toda a partida. Mesmo quando a Briosa esteve mal, foi ele a dar o sinal mais e contribuiu muito para a vitória final. Muito eficiente nos triplos (quatro concretizados em cinco tentados) e muito atlético para ajustar os seus tiros perto do cesto quando tinha jogadores mais altos à sua frente. Excelente exibição.

O FORA DE JOGO

Ashford Golden Demasiada desinspiração. Incapaz de desequilibrar através do tiro exterior, não encontrou outra arma para ser influente. Na defesa, ficou constantemente preso nos bloqueios dos adversários e foi demasiado soft.

 

ANÁLISE TÁTICA – ACADÉMICA AAC

Correr, correr, correr. Foi muito por aí que passou o plano de jogo da Briosa. Dois motivos para isso: não deixar a defesa zona do CAB ser montada e dificultar a vida na recuperação defensiva aos jogadores mais pesados e mais lentos do CAB, nomeadamente os lituanos Grabauskas e Gydra. Para atacar essa mesma zona, a equipa tentou promover passes rápidos pelos seus jogadores para tentar desmontar a estratégia do adversário.

No seu meio-campo, os estudantes ressentiram-se da ausência de Josh McNair e passaram mal na defesa do jogo interior. Para tentar contrariar as adversidades, o treinador da Académica também experimentou a defesa zona 2/3. Ainda assim, foi mesmo com a defesa a campo inteiro que foi buscar o jogo.

5 INICIAL E PONTUAÇÕES

Malcolm Richardson (5)

Ashford Golden (4)

Robert McCoy (8)

Krassimir Pereira (5)

Bakary Konate (5)

SUBS UTILIZADOS

Paulo Caldeira (6)

André Mendes (6)

Nuno Brito (-)

Daniel Relvão (5)

 

ANÁLISE TÁTICA – CAB MADEIRA

O CAB iniciou o jogo a tentar surpreender com uma defesa zona 2/3 que sortiu efeitos logo à partida, obrigando a Académica a adaptar-se. Em alguns momentos, também defendeu a campo inteiro e fez uso da defesa homem a homem, o que revela a panóplia de soluções da equipa para tentar parar o ataque adversário.

No ataque, os centímetros a mais que a equipa tem relativamente ao adversário foram bem explorados em alguns momentos. O CAB carregou dentro e levou vantagem nas áreas próximas do cesto. Foi uma paciente e conseguiu encontrar bons lançamentos para os seus jogadores. No final, a equipa pode ter-se ressentido do banco pouco profundo.

5 INICIAL E PONTUAÇÕES

Diogo Gameiro (8)

Mikkel Kolstad (7)

Davon Clare (6)

Arvydas Gydra (5)

Robertas Grabauskas (6)

SUBS UTILIZADOS

AJ Cheeseman (5)

Rui Nery (4)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome