Com as equipas já praticamente formadas para a nova época, saíram as projeções de Las Vegas em relação aos potenciais recordes de cada equipa da NBA para os apostadores. E se há previsões fáceis de vermos concretizadas, como os Warriors e Rockets dominarem no Oeste ou os Celtics e Raptors no Este, há outras que podem valer bom dinheiro a quem apostar acima (ou abaixo) do recorde previsto. Hoje focámo-nos nas três equipas que vão, no meu entender certamente, ficar bem acima das expetativas.

Uma das dúvidas das últimas semanas é saber se os Lakers de LeBron chegarão sequer aos playoffs no poderoso Oeste. Sim, há LeBron. Mas também há todo um conjunto de jogadores contratados cujos pontos de interrogação ultrapassam os de exclamação. Mas as minhas dúvidas vão muito para além de saber se os Lakers terminam nos oito primeiros. Temos mesmo a certeza que os Lakers vão ser a melhor equipa de Los Angeles?

Num ano, os Clippers perderam o seu Big 3 (Chris Paul, Blake Griffin e, neste verão, DeAndre Jordan). Se já seguem o que escrevo há algum tempo, saberão que eu não sou o maior fã de Doc Rivers. Mas há qualquer coisa que faz desta equipa dos Clippers uma das mais entusiasmantes e interessantes de seguir no próximo ano. Os rookies Shai Gilgeous-Alexander e Jerome Robinson são escolhas pouco ortodoxas, mas intrigantes. Há ainda Lou Williams, Avery Bradley, Patrick Beverley e Milos Teodosic para o backcourt e Tobias Harris, Danilo Gallinari, Mbah a Moute, Mike Scott, Marcin Gortat e Montrezl Harrell. Um conjunto equilibrado, com jogadores experientes misturados com jovens a despontar e muita gente com muito a provar. A temporada até pode ser desastrosa para os Clippers, mas se eu tivesse de apostar hoje, não hesitaria em colocar os Clippers num lugar de playoff no Oeste.

Popovich aproveitou o campo de treinos dos Estados Unidos para começar o trabalho com o seu novo pupilo, DeMar DeRozan
Fonte: San Antonio Spurs

Em San Antonio, terminou finalmente a novela Kawhi Leonard, mas nem assim as casas de apostas foram simpáticas com os Spurs. Porém, se há alguém na NBA habituado a provar o seu valor, essa pessoa é Gregg Popovich. Em relação à época transata, Pop acaba por não perder Leonard, já que este pouco jogou. Ganhou DeRozan e dois rookies (Lonnie Walker e Chimezie Metu), sendo que o primeiro tem um talento tremendo. A San Antonio regressou Marco Bellinelli, que foi importante na caminhada nos playoffs dos Sixers e mantêm-se da temporada passada nomes como Dejounte Murray, Patty Mills, Manu Ginobili, Rudy Gay, LaMarcus Aldridge ou Pau Gasol. Os Spurs vão terminar, na minha opinião, numa das quatro primeiras posições no Oeste e trazer dificuldades aos favoritos.

Anúncio Publicitário

Por fim, os Pacers. Uma projeção de 47/48 vitórias pode não parecer que estão a subvalorizar a turma de Indiana. Mas num Este completamente em aberto, eu diria que cinquenta vitórias e a luta pelos primeiros lugares da conferência não são um objetivo inatingível. Victor Oladipo atingiu o estatuto de All-Star em Indiana (e o de Superstar não deve estar longe) e os Pacers ainda adicionaram Tyreke Evans e o rookie Aaron Holiday a um backcourt que já continha Dipo, Darren Collison e Cory Joseph. O atirador Doug McDermott também viajou rumo a Indiana para fazer parceria nos extremos com Bojan Bogdanovic, enquanto que Thaddeus Young, Trevor Booker, Domantas Sabonis, Myles Turner e Kyle O’Quinn provocarão o caos nas zonas mais próximas do cesto. Uma equipa muito interessante para Nate McMillan trabalhar e tentar levar ao topo.

Foto de Capa: Los Angeles Clippers

Artigo anteriorO Passado Também Chuta: Néstor “Tito” Gonçalves
Próximo artigoRicardo dos Santos voltou a sorrir e a fazer-nos sorrir
Tem 22 anos, é natural de Paços de Ferreira e adepto do SL Benfica. Desde muito pequeno que é adepto de futebol, desporto que praticou até aos 13 anos, altura em que percebeu que não tinha jeito para a coisa. Decidiu então experimentar o basquetebol e acabou por ser amor à primeira vista. Jogou até ao verão passado na Juventude Pacense e tem o Curso de Grau I de treinador de basquetebol desde os 19. O gosto pela NBA surgiu logo quando começou a jogar basquetebol e tem vindo a crescer desde então, com foco especial nos Miami Heat.                                                                                                                                                 O António escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.