Confiança. Superação. Altruísmo. De vitória em vitória, os Portland Trail-Blazers de Terry Stotts vão dissipando dúvidas e mostrando um potencial até agora desconhecido.

No final da décima terceira vitória consecutiva, três jogadores usaram a mesma expressão para descrever o momento da equipa: confiança uns nos outros. Sem saber bem como narrar exatamente a questão, o astro Damian Lillard apontou para uma confiança em que “os colegas façam a jogada correta no momento correto”.

O mais estranho disto? É mesmo verdade e é a base deste recente momento de forma. Numa conferência Oeste que mais parece uma batalha campal do terceiro lugar até ao décimo, os Trail-Blazers mostram uma regularidade que os coloca logo atrás dos Golden State Warriors e dos Houston Rockets. Lillard é claramente a estrela da companhia, uma verdadeira superstar na liga, mas a restante equipa tem sido um importante apoio ao longo desta série. CJ McCollum é uma segunda excelente opção ofensiva, oferecendo desta forma variedade ao ataque da equipa e formando com Lillard uma das melhores duplas de Guards da liga.

Nurkic é um poste sólido com números interessantes e que vai despertar o interesse de várias equipas na free-agency deste ano. Aminu, Turner e Harkless são igualmente opções interessantes dentro do roster dos Taril-Blazers.

A onda de vitórias dos Trail-Blazers parou contra os Houston Rockets
Fonte: NBA

Já o rookie Zach Collins enfrenta um primeiro ano difícil na NBA, mas vai mostrando uma relativa progressão. A onda de vitórias parou na décima terceira, perdendo para, provavelmente, a melhor equipa da liga na atualidade, os Houston Rockets. Desta sequência surgiu uma questão central: os Trail-Blazers são mesmo uma ameaça na conferência Oeste, são mesmo a terceira melhor equipa ou é tudo fruto de da conjetura? A minha resposta aponta mais para a conjetura.

Olhando bem, no papel, Thunder, Spurs e Timberwolves são equipas melhores que estes Portland. No caso da equipa de Westbrook, a irregularidade tem sido um fator determinante para uma época menos conseguida ainda que, a chegada de Corey Brewer pareça ter incrivelmente equilibrado o cinco. Os Spurs vão-se aguentando sem o seu astro Kawhi Leonard mas com uma possível aparição do mesmo da post-season o caso muda claramente de figura.

Os lobos de Minnesota sofreram bastante com a lesão de Jimmy Buttler e, na minha opinião, teriam terminado em terceiro não fosse a lesão do jogador chegado esta temporada. Mas com a quase certa recuperação de Buttler a tempo dos playoffs e com os Timberwolves a conseguiram chegar lá, num possível confronto com a equipa de Lillard, a eliminatória deve cair para Minnesota.

Nada retira o mérito dos Portland Trail-Blazers e do excelente basquetebol praticado ao longo do último mês. Mas a sua ascensão nas classificações tem tanto de meritória como do fruto de uma conjetura complicada na restante conferência.

Foto de Capa: NBA

Comentários

Artigo anteriorO Faraó português
Próximo artigoFinalmente, Lukyanuk!
Um dia sonhou ser jogador de futebol. Hoje acredita que será capaz de ocupar uma cadeira enquanto treinador. Apaixonado eterno pelo Futebol Clube do Porto, encontra-se frequentemente presente nas bancadas do Estádio do Dragão, descobriu igualmente que amor também morava em White Hart Lane junto do Tottenham Hotspur. Em 2009 encontrou uma nova paixão na NBA, passando a torcer pelos New York Knicks, percorrendo demasiadas noites em claro a assistir à melhor liga do mundo. Não concebe a sua vida sem desporto, fazendo de tudo para procurar discutir seja futebol ou basquetebol. Acredita que a sua alma não seria a mesma se por algum motivo ficasse sem Sport TV.                                                                                                                                                 O Diogo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.