Golden State Warriors, Houston Rockets, Boston Celtics, Cleveland Cavaliers. Não sendo, necessariamente, esta a ordem, é, provavelmente, o conjunto mais unânime de equipas apontadas como as favoritas à conquista do anel de 2018. E, mesmo neste lote, os Celtics correm, de certa forma, por fora. Portanto, a questão que serve como título para este texto procura obter uma resposta: se estas quatro equipas falharem por alguma eventualidade, quem se chega às frente na restante liga?

Olhando para esta Este, surge uma resposta que parece tão óbvia. Os atuais líderes da conferência, os Toronto Raptors. Na prática, isto não é nada óbvio. Apesar do bom basquetebol da presente temporada e da consistência demonstrada, a equipa do Canadá costuma, de certa forma, sufocar na postseason e as suas principais armas, Kyle Lowry e DeMar DeRozan,  costumam ficar muito aquém das expectativas. Ainda assim, são uma ameaça. Pequena, mas uma ameaça.

Os Wizards podem apertar com qualquer um dos favoritos, sobretudo se depois do regresso de John Wall a equipa perceber como têm que funcionar. Porém, será extremamente difícil obter quatro vitórias, quer contra os Celtics quer contra os Cavs. Podem sim, ser a surpresa chegando a uma possível final de conferência. E, bem, olhando para o restante Este percebe-se que as restantes equipas não têm, por um lado, a força necessária ou, por outro, encontram-se ainda demasiado “verdes”, como é o caso dos Milwaukee Bucks e dos Philadelphia 76ers.

A Oeste a coisa parece, de facto, mais ameaçadora. Os San Antonio Spurs serão sempre uma ameaça, sobretudo numa altura em que se intensifica os rumores de um regresso iminente da Kawhi Leonard aos pavilhões. Ninguém dúvida o quão melhor é a equipa dos Spurs com o seu principal astro e toda gente se lembra do extremamente complicado que a série da temporada passada estava para os Warriors até ao momento da lesão de Kawhi. Os Timberwolves podem surpreender, até porque a lesão de Butler vai afastar o mesmo até ao início dos playoffs. Com um Jimmy descansado, desde que em plenas condições físicas, os T-Wolves podem ser um equipa difícil de bater para qualquer um dos favoritos.

Os Thunder procuram surpreender a liga e mostrar uma coesão que ainda não se viu
Fonte: NBA
Anúncio Publicitário

Se a defesa da equipa melhorar, maior será a ameaça. Por fim, a equipa que considero que pode ser o maior x-factor de toda esta questão, os Thunder de Oklahoma. O starpower está lá, falta um maior entendimento do papel de cada um. A perda de Andre Robertson parecia à partida insignificante mas o seu auxílio, sobretudo no meio-campo defensivo, faz falta e tem contribuído para uma maior instabilidade dos OKC. Russel Westbrook, Paul George e Carmelo Anthony podem assumir-se como o leão que corre por fora sempre de olho na sua presa.

Concluo com um pensamento muito pessoal: não me parece que o título fuja das mãos daquele primeiro lote de equipas, focando as coisas essencialmente nos Rockets, nos Warriors e nos Cavs e com claro pendor para a equipa que emergir vitoriosa da complicada conferência Oeste.

Foto de Capa: NBA

Artigo revisto por: Ana Rita Cristóvão

Comentários

Artigo anteriorEstrelas da formação: Rafael, o Rei Leão
Próximo artigoCampeonatos Mundiais Indoor (Birmingham 2018): Resumo do 2º Dia e Antevisão do 3º
Um dia sonhou ser jogador de futebol. Hoje acredita que será capaz de ocupar uma cadeira enquanto treinador. Apaixonado eterno pelo Futebol Clube do Porto, encontra-se frequentemente presente nas bancadas do Estádio do Dragão, descobriu igualmente que amor também morava em White Hart Lane junto do Tottenham Hotspur. Em 2009 encontrou uma nova paixão na NBA, passando a torcer pelos New York Knicks, percorrendo demasiadas noites em claro a assistir à melhor liga do mundo. Não concebe a sua vida sem desporto, fazendo de tudo para procurar discutir seja futebol ou basquetebol. Acredita que a sua alma não seria a mesma se por algum motivo ficasse sem Sport TV.                                                                                                                                                 O Diogo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.