Os Black Company não o dizem na sua música “Nadar”, conhecida pela expressão “não sabe nadar, yo”, mas eu digo-o: Marcus Smart não sabe lançar, e deixemos o “yo” para os rappers.

“Com a 6ª escolha no Draft de 2014, os Boston Celtics escolhem… Marcus Smart, um jogador com lançamento duvidoso e moderadamente aceitável no resto”, também não foi o que disse Adam Silver (comissário da NBA e, consecutivamente, responsável por anunciar os selecionados na primeira ronda de todos os Drafts), mas eu, mais uma vez, digo-o: Marcus Smart não sabe lançar.

Numa análise pouco lúcida podemos afirmar que Marcus Smart é inofensivo e, permita-me acrescentar, não sabe lançar, mas o base dos Celtics ocupa uma posição muito especial: é a peça central no sonho do 18º título dos Boston Celtics, a equipa mais consagrada na história da NBA.

De facto, Kyrie Irving é a óbvia estrela da equipa. Sem a sua qualidade ofensiva e o recente esforço defensivo, os Celtics não estariam na luta pelo primeiro lugar da Conferência Este. Por outro lado, os Celtics têm na defesa coletiva, implementada pelo genial treinador Brad Stevens, a sua arma mais poderosa – estatisticamente são a melhor defesa de toda a liga – e é aí que entra Smart.