Anterior1 de 2Próximo

Com a primeira semana de Mercado de Transferencias da NBA a chegar ao fim, eis os Contratos e Trocas que abalaram a liga

No passado Domingo dia 30 de Junho, as 23h horas em Portugal continental (18h nos Estados Unidos pelo fuso horarios de Este1), o Mercado de Transferencias estava oficialmente aberto, ou usando a expressão Americana “Free Agency Started”. 

Nos primeiors 15 minutos, as redes sociais e outras plataformas de informação explodiram com notícias sobre onde superestrelas que terminavam contrato iriam continuar as carreiras. 

Jogadores como Kevin Durant (extremo dos Golden State Warriors), Kyrie Irving (base e “cara” dos Boston Celtics), Kawhi Leonard (extremo dos Toronto Raptors), Klay Thompson (Base extremo dos Golden State Warriors), Kemba Walker (Base e “cara” do Charlotte Hornets) e D’Angelo Russel ( Base/ Base Extremo dos Brooklyn Nets) estariam todos em fim de contrato, fazendo deles “agentes livre” e com o poder de tomar qualquer decisão desejado no que toca ao rumo que a sua carreira iria levar.

Ora, um grande fator que iria influenciar a decisão da maior parte das estrelas seria o contracto que conseguiriam,a maior parte procura o contrato maximo que ronda entre os 190 a 230 milhões de dolares a 5 anos, e a melhor situação para ganhar um campeonato. O contrato que um jogador pode assinar depende tambem das metas individuais que este ja atingiu ao longo das epocas anteriores (exemplo: um jogador que tenha sido selecionado para uma All-NBA team e tenha feito parte do All-Star game, estaria apto). 

O que há que ter em conta, é que existem tectos salariais que as equipas precisam de respeitar, ou serão sujeitas ao chamado “Luxury Tax” que implica dispender de mais dinheiro aos donos das equipas (shareholders) traduzindo-se em menos divendos para os mesmos, uma vez que estão a pagar mais que um “Max Contract” e a dispender mais em impostos. No entanto, só será possivel passar do tecto salarial se os jogadores já tiverem feito parte da equipa no ano anterior! Que seria os caso dos Golden State Warriors para poderem assinar Kevin Durant e Klay Thompson, que efetivamente a ofera foi feita! 

Para perceber a magnitude desta ofera, em 2016 a equipa mais bem paga eram os Cleveland Cavaliers de LeBron James em que, por ano, os salários dos jogadores rondavam os 120 a 130 milhões de dolares US (com um teto salarial de cerca de 100 milhões), que implicava cerca de 40 milhões de dolares em impostos. Sendo assim, os Warriors estariam dispostos a pagar o dobro desta quantia para manter os seus 3 jogadores principais (Curry, Durant e Thompson)! Cerca de 300 milhões de dolares por epoca com um tecto salarial que ronda os 110 milhões.

A segunda é a opurtunidade em termos competitivos. Ora estas duas combinações faz com que a atratividade de umas equipas seja superior a outras, sendo que as equipas com o melhor racio em termos salario/competitividade seriam os New York Knicks (tinham espaço para 2 max contracts), os Brooklyn Nets (com bastante espaço salarial devido a terminação de contratos), Los Angeles Lakers pela mesma razão e Los Angeles Clippers. Destas, apenas os Knicsk e os Lakers falharam os playoffs e apenas os Clippers não tem um All-Star na equipa.

Contudo, chegando a hora de abertura do mercado de transferencias, não deixaram de haver surpresas! A noticia mais abaladora foi a de Kevin Durant, depois de 2 campeonatos ganhos com os Warriors em 3 epocas, decidiu assinar pelos Brooklyn Nets, 4 anos a 164 milhões. Juntando-se assim a Kyrie Irving, que depois de 2 temporadas pouco expressivas com os Boston Celtics assinou 4 anos com os Brooklyn Nets por 141 milhões. Estes, apesar de aptos, não assinaram o contrato máximo para haver espaço salarial para assinar o Poste, All-Star em 2017, DeAndre Jordan, que ficou com 40 milhões a 4 anos também! 

Este seria apenas o inicio das “bombas” de transferências, All-Star’s como Kemba Walker e Jimmy Butler também iriam ter novos destinos. Sendo que Kemba Walker assina por Boston 141 milhões de dolares a 4 anos e Jimmy Butler (via “sign and trade”, uma forma de transferência em que quando o “agente livre” em questão não quer ficar na equipa pela qual atuou na epoca anterior e a equipa de destino não tem teto salarial para o jogador, então a equipa assina o jogador e troca o para a outra equipa por algo em troca, normalmente jogadores e escolhas nos draft’s futuros) foi para os Miami Heat, assinando também a 4 anos 141 milhões. 

Boston, assim, ficou sem um base de calibre All-Star mas assinou outro, no entanto, fica com menos profundidade de equipa, pois o reserva Terry Rozier assinou pelos Charlotte Hornets a 58 milhões por 3 anos. Boston perde também o seu poste 5 vezes All-Star Al Horford, que assinou pelos Philadelphia 76’ers a 4 anos por 109 milhões de dolares, Bostom tomou assim de assinar Enes Kanter por 2 anos a 10 milhões.

Alguns contratos que voaram mais por de baixo radar devido a serem jogadores menos mediaticos foi o de Tobias Harris, extremo que actua pela equipa de Philadelphia, que assinou a 5 anos por 180 milhões. Patrick Bervely, base dos Los Angeles Clippers, que assinou por 3 anos a  40 milhões, e Rodney Hood, o extremo base reserva da equipa de Portland que assinou por 2 anos a 16 milhões. Khris Middleton, All-Star da equipa de Milwaukee do MVP Giannis Antetokuonmpo, concordou em 5 anos a 178 milhões de dolares. 

Transferências menos mediáticas foi tambem a de JJ Redick, que atuou pelos Philadelphia na época anterior, que assinou a 2 anos por 26.5 milhões pelos New Orleans Pelicas, juntando-se a jovem sensação Zion Williamson.O antigo MVP Derrick Rose, que atuava pela jovem equipa de Minnesota, que concordou em 2 anos a 15 milhões pelos Detroit Pistons de Blake Griffin e o europeu Bojan Bogdanovic assinou pelos Utah Jazz a 4 anos por 73 milhões.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários