A CRÓNICA: A SUPERCOPA VAI PARA MADRID PELA TERCEIRA VEZ CONSECUTIVA

O primeiro clássico da temporada foi a final da Supercopa espanhola e acabou com vitória merengue. Num jogo bastante equilibrado, o Real Madrid CF venceu o FC Barcelona por 72-67 e conquistou a sétima Supercopa da sua história, sendo esta a terceira consecutiva.

A primeira parte do encontro ficou marcada pela imprevisibilidade do vencedor final, devido ao domínio defensivo praticado por ambas as equipas. O marcador nunca tinha uma equipa em vantagem durante um largo período de tempo, e mesmo essa vantagem não era tão distanciada como se possa vir a achar. O maior distanciamento no marcador, conseguido nos primeiros dois períodos, foi do Real Madrid CF que, ao quarto minuto do encontro, vencia por 8-3.

Foi uma parte inicial onde o ritmo de jogo foi intenso, que no final do primeiro período o marcador estava num 18-14 favorável ao Real Madrid CF, mas ao intervalo marcava 32-31 para o FC Barcelona.

O terceiro período já foi mais atribulado para os merengues, pois os comandados de Šarūnas Jasikevičius queriam vencer o encontro. A equipa blaugrana conseguiu mesmo segurar a vantagem até ao último minuto do quarto, mas o Real Madrid CF terminou o mesmo a vencer com uma vantagem de apenas um ponto (50-49).

Anúncio Publicitário

O quarto e último período foi totalmente decisivo para o encerrar do jogo e da Supercopa. E, para além dos dez minutos finais, também Facundo Campazzo foi absolutamente decisivo para o Real Madrid CF. O base anotou 11 pontos neste último quarto e, a 20 segundos do final, concretizou dois pontos que foram fulcrais para a vitória do Real Madrid CF. O base natural de Córdoba foi considerado MVP da Supercopa e os blancos venceram-na, mais uma vez.

A FIGURA

Facundo Campazzo – Um dos jogadores fundamentais da equipa merengue na partida. Campazzo foi considerado MVP da Supercopa, após ter anotado 21 pontos, quatro ressaltos e duas assistências. Os dez minutos finais do encontro foram fulcrais na exibição de Campazzo. Metade dos pontos que concretizou ao longo da partida foram marcados nesses dez minutos e foi ele que deu a “machadada final” da vitória do Real Madrid CF.

O FORA DE JOGO

Fonte: ACB

A defesa do FC Barcelona no último período – Os jogadores do FC Barcelona conseguiram conciliar plenamente a defesa e o ataque ao longo do encontro, mas, à entrada para o quarto período, essa tarefa tornou-se mais difícil. Calathes foi expulso da partida por acumulação de faltas e foi nítida a ausência do norte-americano na equipa catalã.

ANÁLISE TÁTICA – REAL MADRID CF

A equipa de Pablo Laso entrou no encontro a pensar com um cariz defensivo, mas, ao encontrar um adversário com o mesmo pensamento, rapidamente teve de encontrar um equilíbrio entre a defesa e o ataque de forma a não desfasar das ideias iniciais. As inserções de Facundo Campazzo e Alberto Abalde no cinco inicial foram fundamentais para o desenrolar do encontro.

CINCO INICIAL – REAL MADRID CF

Alberto Abalde (7)

Facundo Campazzo (8)

Jaycee Carroll (3)

Gabriel Deck (6)

Walter Tavares (5)

SUBS UTILIZADOS

Sergio Llull (6)

Trey Thompkins (5)

Rudy Fernandez (5)

Usman Garubba (5)

Anthony Randolph (5)

Nicolás Laprovittola (4)

ANÁLISE TÁTICA – FC BARCELONA

Tal como o Real Madrid CF, os comandados de Šarūnas Jasikevičius entraram na partida a jogar de forma defensiva, mas sem fazer com que o seu lado ofensivo passasse despercebido. Nikola Mirotic foi o alvo favorito dos companheiros de equipa para aumentar o resultado, mas a expulsão de Calathes foi algo com que o treinador da equipa blaugrana não contava e que acabou por alterar o esquema tático e ofensivo original. 

CINCO INICIAL – FC BARCELONA

Nick Calathes (6)

Victor Claver (3)

Thomas Heurtel (5)

Nikola Mirotic (8)

Pierre Oriola (3)

SUBS UTILIZADOS

Brandon Davies (7)

Leandro Bolmaro (5)

Adam Hanga (3)

Roland Smits (3)

Foto de Capa: ACB

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários

Artigo anteriorUS Open 2020: Super Thiem!
Próximo artigoNFL 2020: 5 Jogadores com algo a provar
A Andreia é estudante de Ciências da Comunicação na Universidade Lusófona do Porto. Depois de ter praticado basquetebol durante anos, encontrou no desporto e no jornalismo a sua maior paixão. Um dos maiores desejos é ser uma das vozes das mulheres no mundo do desporto porque também é disso que o jornalismo se trata. Desporto, jornalismo e paixão são as três palavras que definem a vida da Andreia e vai ser sempre assim.                                                                                                                                                 A Andreia escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.