A etapa 14 era a mais calma e menos dolorosa em termos de montanha para os ciclistas. Uma etapa que estava especialmente preparada para os sprinters que não tiveram quase oportunidades para se exibir nesta segunda semana.

O dia começou com uma fuga de cinco corredores que ia bem encaminhada para a vitória, mas um excelente trabalho coletivo no pelotão anulou a vantagem para a frente. O pelotão apanhou os fugitivos a 4,6 km do final e avizinhava-se um sprint para o final. Porém, uma queda no meio do pelotão à entrada do quilómetro final estragou os planos a muitas equipas.

Sobrou poucos corredores para ganhar a etapa e apenas os melhores posicionados conseguiram chegar à frente. No final, foi Sam Bennett (Bora-Hansgrohe), o campeão irlandês, a conseguir a vitória, ultrapassando um corredor da Lotto-Soudal e também o campeão argentino, Ariel Richeze (Deceunick Quick-Step). Na classificação geral, manteve-se tudo na mesma e continuou Roglic confortável no seu primeiro posto.

A etapa 15 era uma das mais duras com quatro contagens de 1ª categoria para serem ultrapassadas com a última a ser a mais penosa – a subida ao Santuário Del Acebo. Dez corredores desde muito cedo tentaram a sua sorte na fuga, incluindo Rúben Guerreiro (Katusha Alpecine) e Sepp Kuss (Jumbo-Visma).

Num dia com muitas movimentações na fuga, houve muitos corredores a passar pela frente sozinhos, mas foi o jovem americano Sepp Kuss a destacar-se. O ciclista da Jumbo-Visma foi sozinho subida a cima em busca de mais uma vitória na sua curta carreira e ninguém o conseguiu apanhar. Infelizmente, para os portugueses visto que Rúben Guerreiro estava na fuga.

Deu tempo para tudo até para Kuss dar “mais cinco” aos adeptos que se encontravam nas bermas ao longo da estrada. O jovem americano acabou por vencer a etapa e o segundo lugar acabaria por ficar para Rúben Guerreiro, que acabou por subir diversos lugares na geral. Foi a segunda vitória de etapa para a Jumbo-Visma, depois da vitória de Roglic no contrarrelógio.

No grupo dos favoritos, foi Valverde (Movistar Team) a atacar desde cedo na subida, mas levou consigo o camisola vermelha, Primoz Roglic (Jumbo-Visma). Por isso, só conseguiu mesmo ganhar vantagem para os que vinham atrás de si na classificação. O derrotado do dia foi Quitana, que não esteve bem na subida e perdeu ainda mais tempo para os primeiros lugares.

A etapa 16 tinha um final especial por ser a primeira vez que a Vuelta iria ter a chegada no Alto de la Cubilla. E a corrida começou logo animada assim que começou. A grande mudança no dia, e na etapa, foi a conquista da camisola da montanha por Bouchard (AG2R La Mondiale), que tem agora 50 pontos, onde foi mais forte do que Madrazo (Burgos BH).

Geoffrey Bouchard (AG2R La Mondiale) é o novo rei da montanha nesta Vuelta com 50 pontos
Fonte: La Vuelta

Era o mais provável que a fuga fosse ganhar novamente, pois o ritmo no pelotão era muito baixo. Primeiro, tivemos um numeroso grupo de 20 corredores e no início da subida final sobrou apenas cinco: Know (Deceunick Quick-Step), Fuglsang e Luiz Leon Sanchez (Astana Team), Brambilla (Trek-Segafredo) e Geoghagan Hart (Team Ineos).

Brambilla e Fuglsang ganharam uma vantagem considerável de alguns segundos, mas o dinamarquês escapou a toda a concorrência e foi fazer história. O ciclista da Astana Team conseguiu algo inédito na sua carreira: ganhar uma etapa numa grande volta aos 34 anos!

Fuglsang venceu pela primeira vez na carreira uma etapa numa grande volta
Fonte: La Vuelta

Lá atrás no grupo dos favoritos é que as coisas aqueciam e muito! Quitana se tinha estado mal nos últimos dias, nesta etapa foi o ponto final na Vuelta. Angel Lopez (Astana Team), Pogacar (UAE Emirates Team), Roglic (Jumbo-Visma), Soler e Valverde (Movistar Team) e Majka (Bora-Hangrohe) subiram muito bem esta última dificuldade do dia. Porém, a juventude de Lopez, Pogacar e Roglic veio ao de cima e conseguiram destronar a concorrência.

No final, os dois eslovenos e o espanhol ganharam 20 segundos a Valverde, porém, manteve-se tudo na mesma nos quatro primeiros. Apenas Majka conseguiu tirar o quinto lugar de Quitana. De salientar, a excelente subida de Rúben Guerreiro, que a fez junto do grupo dos favoritos. O português é quinto na classificação da juventude e é, à entrada para o dia de descanso, o 15º na geral! Mas que grande estreia na Vuelta que está a fazer.

A Volta a Espanha regressa já amanhã para a última e decisiva semana. Será que Primoz Roglic vai tornar-se no primeiro esloveno a ganhar uma grande Volta? Teremos um português (Rúben Guerreiro) no top 15 ou quem sabe num top 10? Veremos o que nos espera! Para a semana há mais Vuelta… no mesmo sítio de sempre: aqui no Bola na Rede!

Comentários