No panorama nacional o grande destaque para mim vai claro está para o vencedor da Grandíssima, Raúl Alarcón.

Não sendo o chefe de fila da equipa da W52-FC Porto o ciclista valenciano conseguiu uma vitória, que para muitos foi inesperada, na prova mais importante a nível nacional.

Mas para quem assistiu desde o ínicio da época às prestações do ciclista espanhol se calhar já esperava que no mínimo viesse a lutar pela geral da Grandíssima.

Na primeira metade da época, o ciclista até andou discreto. Nas provas que disputou até Maio entre Portugal e Espanha, Alarcón o melhor que conseguiu foi um 22º lugar na Classica Aldeias do Xisto.

O grande clique da época surge em terras espanholas com vitórias sucessivas em provas por etapas.

Anúncio Publicitário

A vitória que deu grande destaque foi indubitavelmente na Vuelta  Asturias, onde não só bate Nairo Quintana na estrada como na classificação geral levando o troféu individual e ajudando também a W52 – FC Porto a vencer a classificação por equipas.

El Dragón de Sax celebra vitória na etapa da Vuelta Ciclista Comunidad de Madrid  Fonte: Facebook Oficial de Raul Alarcón
El Dragón de Sax celebra vitória na etapa da Vuelta Ciclista Comunidad de Madrid
Fonte: Facebook Oficial de Raul Alarcón

Mas Alarcón não se ficou por aqui, logo de seguida na Vuelta Ciclista Comunidad de Madrid, há novamente show do espanhol, mesmo não havendo uma concorrência como na Vuelta as Austúrias, Alarcón ainda assim consegue superiorizar-se a ciclistas como Oscar Sevilla na primeira etapa, vencendo a mesma. Foi precisamente para Sevilla que Alarcón perde a geral, ainda que tenham ficado em igualdade com o mesmo tempo, como consolo Alarcón ganharia a camisola verde, camisola relativa aos pontos.

A partir daqui as baterias estavam todas apontadas à Grandíssima. Já em terras lusas Alarcon testa as suas forças no GP Beiras e Serra da Estrela  e no GP Internacional de Torres Vedras – Troféu Joaquim Agostinho, fazendo 4º e 40º respectivamente.

É chegada a hora de Alarcón na Volta a Portugal.

Depois de um prólogo discreto, Alarcón mete toda a concorrência em sentido logo na primeira etapa que ligava Vila Franca de Xira a Setúbal vencendo a mesma numa fuga em que o único que respondeu foi o seu companheiro Amaro Antunes.

Alarcón ainda tinha mais cartas na manga, e mais uma vez surpreende a concorrência e eu próprio na mítica chegada à Sra. da Graça arrancando mais uma grande vitória e distanciando-se mais na classificação geral. Depois foi só controlar à classificação até chegar a Serra da Estrela, e aí sim foi consolidada ainda mais o seu primeiro lugar mesmo tendo acabado essa etapa na segunda posição, o ciclista valenciano conseguiu ganhar tempo a praticamente toda a concorrência.

Será a primeira de várias vitórias na grandissima de Alarcón? Fonte: Facebook Oficial de Raul Alarcón
Será a primeira de várias vitórias na grandissima de Alarcón?
Fonte: Facebook Oficial de Raul Alarcón

Na última etapa no contra-relógio em Viseu, Alarcón mostrou uma vez mais a sua competitividade e excelente momento de forma ao terminar em segundo lugar concluindo a sua participação em grande forma e dando mais uma vitória na grandíssima à W52-FC Porto depois de Rui Vinhas ter vencido a mesma na época passada.

Estes dois ciclistas foram para mim as revelações de 2017 e vou estar atento às suas prestações nesta época que está agora a iniciar.

Foto de Capa: La Flamme Rouge