Na reedição da final do ano passado (que sorriu aos “Engenheiros da Alameda”), o líder Técnico pretendia vencer para recuperar a liderança na prova, ao passo que o ISCAL queria somar três pontos e assim saltar para o pódio, ultrapassando a FML e o ISEG na classificação. Os dois conjuntos vinham de resultados distintos nos últimos jogos: o IST venceu a FMH por 0-2, enquanto o ISCAL empatou a três com a FML, com o tento do empate a ser apontado pelo guardião iscalino, Rafa Pinto, no último lance da partida.

O início de jogo ficou marcado por um ritmo lento dos dois lados, com o Técnico a dar mostras de querer assumir o controlo, embora sem conseguir levar perigo à baliza de Rafa Pinto, algo que se manteve até ao minuto 25.

A partir desse minuto, os jogadores começaram a disputar a partida sem receio do seu adversário e a partida ganhou rapidamente outro interesse. A bola começou a andar mais perto das áreas e a primeira oportunidade de perigo surgiu para o ISCAL: ao minuto 27, Ricardo recebeu um excelente passe em desmarcação, mas o guardião dos “Engenheiros” fez uma boa mancha e impediu o golo. Na resposta, o Técnico foi mais eficaz: numa recuperação a meio-campo, a bola vai ter aos pés de António, que cruzou rasteiro para Simão Nunes fazer o golo inaugural da partida, ao minuto 29.

O golo ajudou o atual campeão universitário lisboeta a estabilizar o seu jogo, fazendo uma boa circulação de bola perante um ISCAL que demonstrava enormes dificuldades em ter bola e partir organizadamente para o ataque, mostrando uma enorme dependência no futebol direto, que não ia dando resultados práticos. Ao minuto 38, numa bela jogada coletiva, o Técnico esteve perto de dilatar a sua vantagem, mas Simão rematou com o seu pior pé e a bola saiu do terreno de jogo. Até ao intervalo, não houve mais nada a acrescentar à história do primeiro tempo e o IST foi em vantagem para o descanso.

Uma imagem que se repetiu por quatro vezes na partida: Simão Nunes a celebrar o golo marcado
Fonte: ADESL/Inês Catarino

A segunda parte começou com uma bela ocasião para o Técnico, com António a receber um bom cruzamento e a disparar de primeira à barra da baliza iscalina. O conjunto da Alameda entrou novamente bem no recomeço do encontro e chegou, sem surpresas, ao segundo golo na partida, ao minuto 62: num pontapé de baliza, a bola chegou aos pés de Simão Nunes, que trabalhou bem sobre a defesa contrária e, frente ao guardião, teve a frieza necessária para fazer o bis na partida.

As substituições operadas pelo técnico dos “Contabilistas do Saldanha”, com vista a alterar o rumo dos acontecimentos, para nada contribuiram, pois o IST continuou a controlar confortavelmente o ritmo de jogo e as tentativas de ofensiva do ISCAL, limitando-se a circular a bola entre os elementos do meio-campo atacante e a partir o mais rápido possível em busca do tento que sentenciasse as dúvidas em relação ao vencedor do jogo, no sintético sete do Estádio Universitário.

Nos últimos dez minutos do encontro, o Técnico “matou” o jogo com o 0-3: de novo, Simão Nunes bateu o guardião Rafa Pinto e fez o seu hat-trick, num belo trabalho individual sobre o defesa iscalino. O ataque da turma da Alameda não estava saciado e ainda teve tempo para fazer o quarto golo: desta vez, Simão Nunes assistiu António que, sem dificuldades, apontou o 0-4. Antes do apito final do árbitro, Simão Nunes ainda fez o quarto da conta pessoal e o quinto do Técnico.

Numa bela exibição, o Técnico venceu por 0-5 o ISCAL, com um exibição de elevada nota artística de Simão Nunes (poker e assistência), que foi o homem da partida, sendo caso para se perguntar: “Para quê ter um Simão Sabrosa, se existe um Simão Nunes?”. Os três pontos permitem aos “Engenheiros da Alameda” assumir de novo a liderança da Primeira Divisão de Futebol 11 do CUL 18/19.

Onzes iniciais:

AEISCAL: Rafa Pinto; Leandro Morgado; Tiago Mateus; Diogo Henriques; Guilherme Cunha; Sá Pinto; João Costa; Ricardo Cardoso; Ricardo Espírito Santo; Diogo Jacinto; Leonardo Lista

AEIST: Dirkjan Verheij; Francisco Paixão; Miguel Paiva; Hans Koppensteiner; Francisco Diogo Ramalho; José Lopes; Rúben Leston; Pedro Castro; António Clemente; Diogo Inácio; Simão Nunes

Foto de Capa: ADESL/Inês Catarino

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários