Em mais uma partida da sétima jornada da 1.ª Divisão de Futebol 11 do CUL 18/19, a AEFEUNL derrotou a AEIST por 1-3 O líder Técnico ia jogar para tentar manter o registo imaculado (cinco vitórias em cinco jogos disputados) e a liderança isolada, ao passo que a Nova de Economia queria continuar a sua senda vitoriosa nos últimos três encontros, após o empate na ronda inaugural. Frente a frente, encontravam-se as duas melhores defesas na prova à entrada para este confronto, com apenas quatro golos sofridos.

O jogo começou com maior pendor ofensivo para os “Engenheiros da Alameda”, assumindo desde o apito inicial o controlo da posse de bola, e foi sem surpresa que inauguraram o marcador antes dos primeiros 15 minutos: o ponta-de-lança Simão Nunes correspondeu bem ao cruzamento do lado esquerdo de António Antunes, e com um cabeceamento exímio e “à matador” fez o primeiro golo do encontro. Os “Economistas de Carcavelos” iam tendo dificuldades em chegar à baliza contrária em ataque organizado, muito por culpa da boa organização defensiva do Técnico, e apostavam num futebol mais direto, embora sem resultados práticos, sendo que só conseguiram chegar ao empate foi mesmo através de um lance de bola parada: num canto batido do lado direito, houve alguma confusão na área engenheira, e Joaquim Pocinho, muito oportuno, restabeleceu a igualdade no marcador, que se manteve até ao intervalo.

No segundo tempo (com um pouco de chuva no reatamento do jogo, mas que deu tréguas até ao final da partida), a toada do jogo manteve-se: um Técnico mais organizado a sair para o ataque em busca de voltar à liderança da partida e uma Nova a fazer muito de bolas longas em busca do avançado alemão Paul von Hinueber, que podia ter marcado num espetacular pontapé de bicicleta ao minuto 49, contudo a bola foi ao poste da baliza de Adriano Mendes. As substituições operadas pelo técnico da Nova, Pedro Oliveira, acabaram por ser decisivas para o desfecho do encontro: o extremo finlandês Antti Arvola rendeu Rodrigo Melo, e teve uma enorme preponderância ao fazer a assistência para o bis de Joaquim Pocinho ao minuto 81 (tornando-se assim no “Homem do Jogo”) e ao marcar o último golo, já em cima do apito final do árbitro Emanuel Henriques.

Com este resultado, a Nova SBE garante o seu quarto triunfo consecutivo e soma agora 13 pontos na classificação, ao passo que o Técnico sofreu o primeiro desaire na prova, embora mantenha ainda a liderança isolada da 1.ª Divisão. Um super “Salta-Pocinho” tramou o Técnico e impediu o registo invencível dos “Engenheiros da Alameda”!

Anúncio Publicitário
Fonte: Inês Catarino/ADESL

Onzes iniciais:

AEIST: Adriano Mendes; Telmo Marques; Ricardo Barbosa; Hans Koppensteiner; Francisco Paixão; José Lopes (João Chumbinho); Francisco Guiomar (Tomás Goulart); Pedro Castro; António Antunes; Diogo Ramalho; Simão Nunes (António Clemente)

AEFEUNL: Gonçalo Garcia; João Oliveira; Luís Martins; Ricardo Amaral; André Pereira; Ruben Coutinho; Ricardo Soyaye; Joaquim Pocinho; Rodrigo Melo (Antti Arvola); Tomás Branco (Kaspar Berger); Paul von Hinueber (Diego Humpert)

Jogo completo:

Flash Interview:

A.E. Instituto Superior Técnico

João Nascimento, Treinador

“O Técnico sofreu a sua primeira derrota na prova hoje. Que comentário faz à partida?”

João Nascimento – “Antes de mais, quero felicitar a equipa da Nova SBE pela vitória. Em relação ao jogo, penso que hoje não fomos suficientemente bons. Entrámos bem com um golo nos primeiros minutos, mas depois tivemos dificuldades em controlar o adversário, que acabou por empatar antes do intervalo. No segundo tempo, tentámos voltar a adiantar-nos no marcador, mas por má circulação de bola e algum nervosismo, não fomos capazes de marcar, e os jogadores da Nova foram competentes e fizeram dois golos, que acabaram por sentenciar o encontro.”

“Acha que a sua equipa acusou algum desgaste físico, uma vez que teve jogo no passado domingo (vitória da AEIST na III Supertaça de Lisboa, por 2-3 frente ao Bairro de São João)?”

J.N. – “Creio que sim, mas também tínhamos alguns atletas lesionados, que não puderam dar o seu contributo à equipa hoje. Mas penso que isso não serve desculpa para o jogo menos conseguido dos meus jogadores, e também há que reconhecer mérito ao adversário pela boa exibição e vitória conseguida.”

Simão Nunes, jogador

“Hoje, a vossa equipa sofreu a primeira derrota na competição. O que faltou ao Técnico para garantir a vitória?”

Simão Nunes – “Faltou-nos concentração e assertividade na frente de ataque. Até entrámos bem no jogo, mas a Nova revelou-se um adversário bastante bem organizado, o que dificultou a nossa tarefa em garantir mais um triunfo. Resta-nos dar os parabéns à Nova pela vitória e trabalhar para voltarmos aos triunfos já no próximo encontro.”

“Acha que este desaire irá afetar a vossa prestação para o que falta jogar no Campeonato?”

S.N. – Creio que não, pois queremos esquecer rapidamente este mau jogo e mostrar uma melhor imagem na próxima jornada. Por mim, jogávamos já amanhã, de forma a voltar às vitórias o mais rápido possível.”

A.E. Fac. de Economia da Univ. Nova de Lisboa

Não foi possível fazer questões ao técnico Pedro Oliveira e ao jogador Joaquim Pocinho

Foto de Capa: Inês Catarino/ADESL