Anterior1 de 2Próximo

As madrugadas de MotoGP continuam e este fim-de-semana foi o Circuito de Philip Island a receber o mundial de motociclismo, naquela que poderá ter sido uma das corridas mais emocionantes desta temporada. Não pelo vencedor, mas pelo que se passou até à bandeirada de xadrez.

O início da prova lembrou-nos os velhos de Valentino Rossi, quando o piloto italiano disputava e lutava pelos primeiros lugares. Mas como tem sido hábito, foi sol de pouca dura. O Il doctore chegou a ter seis décimas de vantagem sobre Crutchlow, mas acabou por ser relegado.

Logo de seguida, vinham Iannone, Viñales e Márquez preparados e com armas para se intrometerem na liderança de Crutchlow. Quem diria? Pois, ninguém. A 23 voltas do final, era impossível prever um vencedor. Arrisco-me a dizer que há muito tempo que não via tantas ultrapassagens numa corrida de MotoGP e logo nas primeiras voltas… Por norma, guardam os ataques cardíacos para o final mas em Philip Island começaram cedo. A surpresa não estava na quantidade de ultrapassagens, mas sim nos pilotos que disputavam a vitória: duas Aprilias na luta pelo top 5.

Crutchlow liderava a corrida, seguido de Iannone, Márquez, Viñales e Aleix Espargaró. Relembro que no fim-de-semana passado, Espargaró andava a lutar pelo top 10 com o português Miguel Oliveira.

Rossi perdeu o fulgor inicial e foi relegado para a sexta posição, enquanto Márquez era pressionado por Viñales que acabou por roubar o lugar ao piloto espanhol da Honda.

A animação da prova continuava e Márquez parecia determinado a não deixar fugir o líder Maverick Viñales que a 15 voltas do final já tinha cerca de uma décima de vantagem sobre o piloto da Honda, enquanto Rossi voltava a atacar acabando por chegar ao quarto lugar, pressionado por Rins que parecia querer meter-se também na luta por um lugar do pódio.

A luta pela vitória parecia estar entregue a Viñales e Márquez e onde a escolha dos pneus poderia ter um papel fundamental para a decisão final. Viñales corrida com pneus macios, enquanto o espanhol da Honda optou por escolher um pneu macio e um duro.

Márquez voltou a ser rei e senhor em Philip Island.
Fonte: MotoGP

A oito voltas do fim, Viñales liderava seguido de Márquez, Crutchlow e Bagnaia a fechar o top 4 da corrida, ultrapassando Dovizioso e Miller – ambos com máquinas mais fortes do que a de Bagnaia. Curioso, não?

Com Viñales na liderança, as coisas pareciam começar a estabilizar. Mas não nos podemos esquecer de Márquez e da sua estratégia quando não é líder: prefere estudar o adversário para depois o atacar na reta final da prova. E assim foi. Tão previsível e fácil quanto parece.

A chuva parecia ameaçar, mas o asfalto continuava seco e não foi preciso haver mudança de motos durante a prova. Enquanto isso, Márquez preparou e atacou Viñales na reta da meta que tentou ripostar, mas o piloto de Cervera tinha a lição bem estudada e bloqueou todos os espaços possíveis para Viñales o ultrapassar.

O piloto da Yamaha Movistar estava determinado a recuperar a liderança da prova, mas arriscou em demasia e acabou por perder a traseira da sua moto e o destino final foi o asfalto e não o primeiro lugar.

Viñales queria tanto vencer que acabou na gravilha.
Fonte: MotoGP

Márquez voltava a vencer mais uma prova em 2019. Parece que não se cansa de ser sempre o herói da história.  Crutchlow e Miller fechavam o pódio do Grande Prémio da Austrália.

Por fim, Miguel Oliveira acabou por não correr no circuito de Philip Island, depois de ter sido dado como não apto para competir. O falcão de Almada tinha sofrido uma forte queda nos treinos livres de sábado e acabou por se lesionar.

Classificação final
Fonte: MotoGP

Anterior1 de 2Próximo

Comentários