Parece a continuação do ano passado, e ainda bem.

As poucas alterações que tivemos de significativas para o campeonato Moto GP de 2018, foi com a segurança que passou a ter a obrigatoriedade dos airbags, e com a regulamentação das bandeiras vermelhas, fazendo com que as corridas só serão reiniciadas se após uma interrupção os pilotos não tiverem completado ¾ da corrida, caso contrario o resultado da última volta será validado como definitivo.

Fonte: Moto GP

Com isto, a equipa da Honda Repsol com cinco títulos nos últimos seis anos, apresenta novamente o campeão Marc Márquez como principal favorito ao título e Dani Pedrosa como seu companheiro. A Ducati com Andrea Dovizioso a querer demonstrar que a luta o ano passado não foi mero acaso, e com Lorenzo a querer finalmente mostrar consistência. A Yamaha, com o eterno Valentino Rossi a mostrar sempre serviço e com Viñales sempre à espreita de algo mais. Sendo que este ano aposto novamente numa época muito boa de Johann Zarco, Petrucci e Iannone.

Com isto, Dovizioso abre o ano com uma vitória, saído vitorioso de uma batalha com Márquez. Ou seja, mais do mesmo, mudou o ano mas continua a batalha entre os dois. Depois de uma pole position fantástica de Zarco em que bateu o recorde da pista que pertencia a Lorenzo desde 2008, e de fazer uma primeira parte de corrida bastante boa, não aguentou o ritmo e foi ultrapassado a cinco voltas do fim por Dovizioso e Márquez, acabando mesmo a corrida em 8.º lugar, ao que parece nada confortável com a escolha dos pneus.

Anúncio Publicitário
Fonte: Moto GP

Nos momentos finais, Márquez ainda tentou uma ultrapassagem a Dovizioso mas com a Ducati a ser sempre mais rápida na recta da meta, foi praticamente impossível manter a liderança deixando mesmo a vitoria para o italiano. O que perfaz a terceira vitoria na disputa sobre Márquez, 3-0.

Rossi, manteve o ritmo ao longo da corrida e ficou com o terceiro lugar, à frente de Crutchlow e Petrucci que termina o top5.

Fonte: Moto GP

Temos campeonato Moto GP, temos candidatos, temos corridas frenéticas, e ainda bem.