cab desportos motorizados

O grande prémio deste fim de semana é por terras malaias. Um circuito com um passado recente trágico. É impossível falar desta pista sem nos lembrarmos de Marco Simoncelli. Essa força da natureza com um estilo de pilotagem único, agressivo e cheio de paixão, mas que muitas vezes era criticado pelos próprios colegas.

Marco, o super Sic, tinha um sorriso contagiante fora da pista. Acabava a corrida sempre a sorrir, quer terminasse em primeiro ou em sexto. Era um piloto que animava os paddocks de cada grande prémio. Era alguém agressivo dentro de pista e muito amável e brincalhão fora dela. Talvez fosse esta sua maneira de ser “duas pessoas” totalmente diferentes que cativava multidões.

supersic
Toda a gente gostava do seu cabelo conjugado com o seu enorme sorriso
Fonte: hooniverse.com

Quem não se lembra do seu inglês tão carregado de um sotaque italiano, bem ao estilo de Valentino Rossi? Aliás, os dois italianos eram os melhores amigos. E juntos não deixavam ninguém sem uma gargalhada. Ou então, quem não se lembra do seu cabelo? Aquela pequena juba que não cabia no capacete e que era uma das suas maiores características. Dois detalhes de Marco que se tornaram na sua imagem de marca.

san carlo
Ou então, do seu cabelo? Aquela pequena juba que não cabia no capacete e que era uma das suas maiores características
Fonte: asphaltandrubber.com

O Super Sic estava no seu primeiro ano da classe rainha e já nos brindava com corridas de cortar a respiração. Os aficionados das duas rodas lembrar-se-ão, tal como eu, daquele seu último ano na antiga classe de 250cc onde lutava com Álvaro Bautista pelo campeonato, da maneira como o italiano pilotava a sua moto.

As ultrapassagens eram feitas no limite dos limites. Claro que nem sempre corria bem e era criticado por todos. Eu, inclusive. Mas a verdade é que aquele era o seu estilo. Único e tão cheio de adrenalina. E era isso que fazia vibrar os milhares de pessoas que estavam nas bancadas de cada grande prémio e daquelas que viam as corridas através de uma televisão.

Todos os pilotos ambicionam chegar à elite do Mundial de Motociclismo e o italiano não era excepção. Conseguiu esse feito após a vitória no mundial de 250cc. A equipa que o acolheu era, também, italiana. Estava em “casa” o Super Sic.

Na sua época de estreia, Marco lutou com os gigantes como se tivesse corrido com eles toda a vida. Dava tudo de si em cada corrida e era feliz a pilotar assim. Agressivo, apaixonado pela adrenalina. Para ele, cada curva era como se fosse o último segundo da sua vida. E chegou uma hora, cedo demais, em que essa curva foi, de facto, o último segundo da sua vida.

O circuito malaio foi o último a ser brindado com a pilotagem do mágico italiano. Na corrida do dia 23 de Outubro de 2011, Marco Simoncelli perdeu a vida. Logo ali, no asfalto. À segunda volta, numa luta com o seu melhor amigo e também com Colin Edwards.

O mundo das duas rodas parou. Durante horas, tudo parou. Todos estavam cabisbaixos. Todos sabiam o que se passava. Todos sentiam que ele tinha perdido a sua vida, ali, a fazer aquele que sempre o apaixonou e da maneira que sempre viveu: à mais alta velocidade.

E como a vida é feita de ironias, SuperSic deixou a vida no circuito que três anos antes lhe tinha dado o primeiro título na categoria de 250cc.

19 laps
Para ele, cada curva era como se fosse o último segundo da sua vida. E chegou uma hora, cedo demais, em que essa curva foi, de facto, o último segundo da sua vida.
Fonte: mirror.co.uk

Por isso, falar do grande prémio da Malásia é falar de Marco Simoncelli. Ainda que eu defenda de que um piloto como ele deva ser lembrado em cada curva, em todos os circuitos. A paixão que ele incutia na sua pilotagem, o seu sorriso e a sua alegria no paddock, nas conferências de imprensa com o seu inglês tão cómico… Tudo isso faz com que Motogp seja sinónimo de Marco Simoncelli. E cada um de nós, os apaixonados pelas duas rodas, jamais poderá esquecer este dia.

Se a minha mãe viu Aryton Senna morrer em Monza e ainda hoje me consegue contar os detalhes deste trágico acidente da F1, eu assisti à morte de um piloto sem igual no mundo do motociclismo. Era um campeão. E deve ser lembrado assim. Com um sorriso no rosto, como ele sempre nos habituou.

Comentários