cabeçalho desportos de combate

Escrevo este artigo momentos depois do fim do apelidado “Combate do Século”. E, de facto, apesar de todas as críticas que se possam apontar a determinados momentos e fases deste, o apelido é bem dado. Foi a celebração de duas das mais brilhantes carreiras do Boxe mundial, e, apesar de a nível oficial existir um vencedor e um perdedor, considero que ambos saíram vencedores.

Mayweather venceu por decisão unânime, conforme era expectável e havia sido previsto por muitos analistas da modalidade. O combate poucas vezes esteve a favor de Pacquiao, não porque este não tivesse trabalhado o suficiente, mas porque a estratégia de Mayweather estava predestinada a ser bem-sucedida. As críticas já se amontoam, é verdade, mas “Money” é, sem dúvida, um dos melhores, senão o melhor, boxers defensivos da história da modalidade, e isso verificou-se. Pacquiao é alguém que gosta de lutar em distâncias curtas, ir ao encontro do adversário. Mayweather aproveitou-se bem dessa característica, arrastando sempre o seu adversário, levando-o a arriscar atacar, para depois se desviar e, cirurgicamente, contra-atacar. Deu a entender que Mayweather só se esquivava e fugia de Pacquiao, segundo muitos, mas é impossível não lhe reconhecer o sucesso da estratégia.

Anúncio Publicitário

Apesar de tudo, Pacquiao ainda fez danos, com destaque para uma esquerda, na quarta ronda, que levou Mayweather a encostar às redes e simplesmente defender até que o filipino terminasse o descarregar de socos. Esta foi a única ronda que Pacquiao claramente venceu. Nas restantes, Pacquiao ainda conseguiu acertar algumas sequências, mas Mayweather nunca pareceu em perigo. Dois dos juízes atribuíram ainda a “Pac” a 6.ª, 9.ª e 10.ª rondas, mas estas ficaram tão em aberto que seria justo para qualquer um dos lados.

Posto isto, porque é que se pode considerar que Pacquiao não perdeu, realmente? Porque os fãs assim o entendem. O apupar de Mayweather por parte do público no final da luta diz tudo: Manny continua a ser o favorito. O público acha que o filipino deveria ter ganho. E isso pode vir a ter mais valor do que a vitória oficial. O próprio considera que Mayweather pouco mais fez do que esquivar-se. Não saberemos se desencadeará uma desforra, mas uma coisa é certa: Pacquiao acha que consegue vencer e o público também. É algo que está nas mãos de Mayweather.

O americano é, agora, o campeão unificado (WBA, WBC, WBO, The Ring) da categoria de Peso Médio e leva 48 vitórias, 0 derrotas. Disse, em entrevista pós-luta, que voltaria a lutar em Setembro. Mesmo que vença, não deve terminar a carreira por aí. Certamente caminhará para o número redondo (50) de vitórias e só aí irá terminar aquela que tem sido uma das mais belas carreiras da história do boxe, juntamente com a de Manny Pacquiao. Será ainda mais bela se a sua quinquagésima vitória for contra este mesmo. Apenas futuro dirá se vai terminar com mais um “E ainda invicto…”.

Foto de Capa: Mark J. Rebilas, USA TODAY Sports