A cidade de Edmond no Canadá foi palco do UFC 240. Max Holloway reteve o título ao vencer Frankie Edgar por decisão e Cyborg está de volta às vitórias depois de vencer Felicia Spencer por decisão. Os prémios de Performance da Noite foram atribuídos a Hakeem Dawodu e Geoff Neal. A Luta da Noite foi entre Alexandre Pantoja e Deiveson Figueiredo.

Max Holloway vs Frankie Edgar

O evento principal da noite foi o combate pelo título de peso-pena de Max Holloway. O havaiano fazia assim a sua terceira defesa de título, depois de ter vencido José Aldo e Brian Ortega. Em abril tentou subir de divisão e conquistar o título interino de peso-leve, mas perdeu uma decisão frente a Dustin Poirier.

Frankie Edgar é uma lenda no desporto. O americano e Holloway já se deviam ter enfrentado no UFC 222, mas o campeão lesionou-se numa perna. Edgar aceitou lutar contra Brian Ortega quando não tinha obrigação para tal, e foi nocauteado no primeir round. Depois de uma vitória por decisão frente a Cub Swanson, o UFC decidiu dar-lhe a merecida luta por título.

Este combate era intrigante porque era a primeira vez que Holloway enfrentava um wrestler de elevada qualidade. Por outro lado, a envergadura e resistência de Holloway era um fator a favor do campeão.

Ambos lutadores entraram a estudar a distância um do outro. Holloway fez aquilo que era esperado: manter-se longe de Edgar. Contra-atacou alguns golpes e estava numa posição que lhe permitia também estar preparado para defender projeções, especialidade do adversário. Edgar, na tentativa de encurtar a distância, acertou alguns golpes e esteve muito bem quando pressionava o campeão.

Holloway esteve muito bem no segundo round no jogo à distância. Contra-atacou qualquer golpe de Edgar, conseguiu anular a tentativa de encurtar distância e variou os golpes entre cabeça e corpo. Defendeu bem no clinch e as tentativas de projeção. Fez um espetacular rotativo ao corpo mesmo a terminar a ronda.

Troca de golpes entre Holloway e Edgar Fonte: UFC

No terceiro round a gestão da distância de Holloway foi novamente eficaz. Edgar esteve melhor no strike porque Holloway esteve menos ativo neste aspeto. Perto do fim da ronda o campeão conseguiu acertar alguns ganchos que abanaram Edgar. Frankie conseguiu ainda uma projeção, embora não tenha feito grande trabalho no chão.

Edgar entrou ativo no quarto round. Foi quem lançou mais golpes até dois terços do round. Holloway começou a pressionar mais e a acertar grande parte dos golpes que lançava. O round terminou numa troca de mãos onde Edgar quase vacilou.

O quinto round foi de domínio para Holloway, como um campeão. Esteve muito bem no trabalho de lançar diretos e a manter Edgar longe.

No final, os juízes atribuíram a vitória a Max Holloway por decisão unânime (48-47, 49-46, 50-45).

Cris Cyborg vs Felicia Spencer

Cyborg esteve dominante como nunca e parecia invencível. Até chegar Amanda Nunes, e não só se tornou campeã de peso-pena como nocauteou Cyborg em 51 segundos. A brasileira andava a pedir uma desforra, mas precisava de uma vitória para isso.

Felicia Spencer fez a sua estreia no UFC ao submeter Megan Anderson no primeiro round. Estava invicta na carreira e este era o seu maior combate até à data.

O round começou com Cyborg a entender a distância para Felicia e a lançar muitos golpes significativos. Felicia procurou aquilo em que é melhor e tentou o clinch, mas Cyborg defendeu-se bem. Na saída do clinch a brasileira lançava muitos golpes e Spencer ia mostrando ser muito dura.

No segundo round Spencer pressionou no clinch, mas Cyborg conseguiu uma projeção. Em posição dominante lançou vários golpes e fez um bom trabalho no chão. Quando subiram para o strike, notava-se um pouco de cansaço em Cyborg que já não batia com tanta força como no primeiro round.

Cyborg acerta um cotovelo em Spencer
Fonte: UFC

A terceira ronda foi só de strike. Spencer não conseguia encurtar a distância e Cyborg mantinha-se longe a lançar golpes de forma a controlar a distância para a adversária.

No final, a decisão dos juízes foi unânime: Cyborg venceu todos os rounds e conseguiu assim uma pontuação de 30-27 (x3).

Geoff Neal vs Niko Price

Ninguém esperava que este combate na divisão de peso meio-médio fosse a decisão. Neal está invicto desde que chegou ao UFC e em 12 vitórias 9 foram por finalização.

Por sua vez, Price nunca passou da segunda ronda no UFC. Em 13 vitórias 12 foram por finalização.

Ambos começaram o primeiro round a trocar vários golpes. Neal conseguiu uma projeção a partir do clinch, mas foi no strike que o combate se desenrolou com ambos a lançar golpes muito fortes. Depois de ambos terem acertado um golpe no adversário, houve um choque de cabeças que fez ambos atletas irem ao tapete. Price consegue capitalizar e ir para cima de Neal, mas não conseguiu a finalização. No fim da ronda, Neal ainda conseguiu mais uma projeção.

O segundo round começou com uma troca de golpes incrível, ambos a preocuparem-se em lançar e não defender. Na sequência disto, Neal vai ao chão, mas consegue ficar por cima de Price. Nesta posição deferiu vários golpes e através desse ground and pound conseguiu finalizar o combate.

Neal após nocautear Price
Fonte: UFC

Aubin-Mercier vs Arman Tsarukyan

Aubin-Mercier vinha de duas derrotas consecutivas na divisão de peso-leve. Lutar em casa (sendo canadiano) era a oportunidade perfeita para reverter esta situação negativa.

Tsarukyan fazia apenas o seu segundo combate no UFC. Apesar de ter perdido em abril contra Islam Makhachev, fez uma performance muito positiva.

O combate começou com Tsarukyan a procurar o clinch e a mostrar ser bom nesse aspeto. No strike, Mercier estava melhor. Tsarukyan voltou a procurar a projeção e no clinch foi tentando ganhar as costas. Embora sem sucesso, foi muito pressionante durante grande parte da ronda.

No segundo round, Mercier esteve melhor no strike e com o joelho levou Tsarukyan ao tapete. Apesar disto o russo conseguiu pressionar novamente no clinch.

Na terceira ronda, Tsarukyan consegue uma projeção depois do clinch e dominou o round no chão: muitos golpes lançados e constantes tentativas de melhoria de posição.

No final os juízes atribuíram a vitória a Arman Tsarukyan e pontuaram 29-28 (x3).

Marc-Andre Barriault vs Krzysztof Jotko

Barriault fez a sua estreia no UFC quando perdeu contra Andrew Sanchez em maio. O canadiano procurava assim vencer para relançar a carreira no peso-médio.

Jotko vinha de uma vitória em abril frente a Amedovski. O atleta de apenas 29 anos já luta no UFC desde 2013!

A primeira metade do primeiro round foi praticamente no clinch. Jotko saiu desse trabalho mais cansado que o adversário. Na troca de strikes apenas acertavam quando se aproximavam um do outro. Voltaram ao clinch e cada um fez uma projeção, mas nenhum teve posição dominante.

Na segunda ronda, o cansaço de Jotko era visível, mas este continuava a lançar golpes que estavam a acertar. Barriault não procurou variar os golpes, mas conseguiu uma projeção no final.

No terceiro round, Jotko esteve novamente melhor no clinch, a lançar mais golpes nessa posição. No strike, Barriault esteve melhor acertando bons golpes. A projeção que Jotko conseguiu no final foi muito importante pois pontuou imenso.

No final do combate a vitória foi dada a Krzysztof Jotko, numa decisão dividida: 29-28; 28-29 (x2).

O próximo evento de UFC será a Fight Night em New Jersey, num cartaz protagonizado por Colby Covington e Robbie Lawler.

Foto De Capa: UFC

Comentários